AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 61 a 90 do total de 297 [Anterior] [Próximo]

Revendo e Revivendo

Acabo de ouvir uma versão do “Luar do Sertão” que é uma maneira muito agradável de apresentar esta joia musical que toca-me de maneira sensível e agradável. São quatro caracteres representados por uma pessoa, tocando diferentes instrumentos musicais e nos dando uma boa performance, além da participação de uma garotinha.
Essas músicas sempre me tocam o coração de maneira sensitiva, me transportando para locais distantes que praticamente não mais existem, no entanto, na minha mente a lembrança esta bem viva como se fora hoje. São estas coisas que nos dão o desejo de viver, o desejo de rever lugares, pessoas que já passaram desta vida para a eternidade, e os que ainda estão conosco, que são raros sobreviventes.
Às vezes, quando me sinto desconsolado, começo a pensar nas fases da minha vida, e então penso nas coisas inexplicáveis que recebi. Reconheço que tudo foi dádiva divina, e então vejo claramente as coisas, os acontecimentos, a realidade.
O Senhor tem sido generoso comigo dando-me a oportunidade de rever pessoas amigas e parentes que pensei ser impossível de acontecer. Mesmo assim existe um vácuo muito grande quando me lembro de pessoas muito amadas que já nos deixaram. Em tudo isto há uma recompensa que são as novas gerações. Os meus quatro netos são a joia da minha maturidade. Eu os recebi de bom grado e lhes ofereci o amor do Vovô.
Eles hoje estão nas Universidades; apenas o mais novo, que completará 14 anos em dezembro, está no ginásio para seguir os caminhos tomados por seus irmãos.
Isso tudo me tocam profundamente, e sou grato ao Senhor Deus que me concedeu tantas bênçãos, motivos de muita alegria, e desejo de viver.
Louvado seja o Senhor.
Ate Breve!

Zezé de Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 10-Novembro-2018 / 7:46:33

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 2-Novembro-2018 / 13:14:22

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 2-Novembro-2018 / 12:58:17

Aos 90 anos (1928-2018), faleceu nesta manhã de terça-feira, 30, em sua residência em Afogados da Ingazeira, o meu amigo Sr. João Olegário Marques.
À Ana, sua viúva, e aos filhos, nossa sincera solidariedade nesse momento tão difícil.
Que o Pai Eterno o tenha em Sua glória.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 30-Outubro-2018 / 8:28:42

Retorno à nossa página

Depois de uma ausência prolongada por circunstâncias fora do meu controle, aqui estou novamente em contato com esta muito querida página que é meu acesso a Afogados da Ingazeira e ao Sertão.
Gostei de ler o artigo sobre Dr. Aloisio Arruda, fiquei conhecendo aquele ilustre membro da sociedade afogadense pois quando da minha visita, dois anos atrás, a única coisa que sabia é que ele era o dentista de Afogados.
Quando ele veio para Afogados eu estava de saída da terra Afogadense; em outras palavras, ele estava entrando por uma porta e eu saindo por outra. Agora temos esta janela que nos facilita o acesso ao nosso rincão instantaneamente, graças ao Mural do amigo Fernando.

Até breve.

Zezé de Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 23-Outubro-2018 / 20:29:33

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 17-Outubro-2018 / 12:49:00
Eu sou filho de Sr. Manoel Marques da Silva, popularmente conhecido como Deca Marques, que tem uma rua em Tabira em sua homenagem. Meu pai construiu muitas ruas, contribuindo para a urbanizacao, por exemplo, a Rua 24 de Maio.
Deixei Tabira em 1958, retornando em 1961, último ano que lá morei.
Como todo sertanejo, tenho as melhores lembrancas, por exemplo, do diretor Joao Gabriel (do ginásio onde funcionava a Escola Carlota Breckenfeld), e sua esposa Eunice Oliveira.
Recordo do professor João Gomes que lecionava ingles e frances.

João Marques Feitosa <joaoecarminha2014@gmail.com>
Jaboatão dos Guararapes , PE Brasil - 8-Outubro-2018 / 19:04:05

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 3-Outubro-2018 / 10:50:22

Aloísio Arruda
(94 anos)

Aloisio nasceu em Cabaceiras (PB) no dia 29 de setembro de 1924, na fazenda Riacho Grande, em virtude de seus genitores, naturais de Surubim (PE), estarem residindo naquela localidade, onde permaneceram 10 anos. Quando contava três anos de idade, a família retornou para Surubim/PE, onde ele fez o curso primário. O ginasial cursou em Limoeiro. E para dar continuidade aos estudos, teve que se deslocar para o Recife, em 1943, quando contava 19 anos, e onde, no Ginásio Pernambucano (Colégio Estadual de Pernambuco) fez o curso científico....

(Leia o texto completo no anúncio do seu falecimento no dia 22.11.2018.)

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 1-Outubro-2018 / 20:20:28

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 1-Outubro-2018 / 11:02:04

19.09.1944 - 18.09.2018

Nesta terça-feira 18, nosso primo Marcos Antônio dos Santos (Marcos de Miguel Jacob), aos 74 anos de idade, faleceu em Maceió (AL), onde residia com a família.
Que Deus o tenha em Sua Glória!
À Gina e aos demais primos, nossa Solidariedade!

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 21-Setembro-2018 / 16:26:55

"Barracão de Zinco"

A descrição poética do cenário é fabulosa e imponente. Era um dos meus favoritos nos tempos idos. Somente quando fui para o Rio de Janeiro, em 1952, é que cheguei a entender a descrição dada naquela poesia musical. Minha introdução ao Barracão ocorreu durante o carnaval daquele ano.
Um colega do meu grupo de Marinheiros, cujo nome era Lenine, um Negro Carioca. sabendo que eu não tinha família no Rio de Janeiro, convidou-me para ficar na casa da sua mãe para dormir um dia ou dois. Aceitei de bom grado. No dia seguinte, um sábado de Carnaval, fomos para a casa, minha hospedaria.
Eu não tinha a menor noção da localização da residência. Saímos do navio, no horário e nos dirigimos para a praça Mauá onde está o Cais do Porto. A rua que entramos nos levou a pontos elevados da favela e eu fiquei chocado com tudo aquilo, mas, como não havia escolha aceitei de bom grado e fiquei mais elerta.
Ao chegar a casa sua mãe nos recebeu de bom grado e nos informou: "tenham cuidado, pois houve um atentado quase que na nossa porta mais ou menos há meia hora". Tudo isto me alertou mais ainda e comecei a planejar minha segunda opção.
Ao anoitecer descemos o morro e nos dirigimos a Avenida Rio Branco que nos levou para o Centro. Havia uma inundação de gente, cariocas e não cariocas participando da farra.
Às seis da manhã voltei sozinho para a casa hospitaleira que era um barraco tal qual a descrição do poeta. Ao chegar a rua do endereço procurado comecei a subir o Morro, muito atento a qualquer movimento suspeito. Já estava perto do endereço quando senti uma pancada na cabeça; foi uma pedrada. Isto foi à luz do dia. Me voltei pra ver quem havia enviado aquela pedrada, mas não havia ninguém à vista.
Continuei a caminhada para a casa hospitaleira um pouco mais apressado. Isso já era domingo de manhã. Tomei banho e descansei. Foi então que vi o "Barracão de Zinco" poético.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 8-Setembro-2018 / 19:55:42
PERSONAGENS DA HISTÓRIA DE AFOGADOS DA INGAZEIRA

Luiz Alves de Oliveira Bitu

Filho de Mariano Alves Barbosa e Francisca de Siqueira e Silva, nasceu em 15 de janeiro de 1868 na fazenda Cedro Branco, Afogados da Ingazeira.
Já com 9 anos, em 1877, ano de grande seca, muita fome e miséria, viajava com o pai, seu Mariano, para Mata Grande - AL para adquirir mantimentos, farinha, feijão, rapadura, milho, etc. O transporte era no lombo de animais. No percurso dessas viagens encontravam famílias inteiras deixando suas terras, indo à busca de outros meios de sobrevivência. Muitos, porém, não conseguiam o objetivo e morriam de fome e sede no meio de caminho, sendo deixados na estrada pelos próprios familiares. Nem sempre eram enterrados!
Luiz Bitu contava que sentia alegria quando estava viajando e avistava, ao longe, um fogo. Isso significava que por ali havia gente.
A mercadoria que conseguiam era trocada por joias – relógios, anéis, correntes, etc., pois na época não havia disponibilidade de dinheiro em espécie na região. Era tudo na base da “troca”. Essas viagens eram repetidas várias vezes no ano, enquanto durou a miséria causada pela estiagem.
Muitas vezes acontecia encontros com grupos de cangaceiros perversos - Adolfo Meia-noite e Nobelino. Luiz Bitu e seu Mariano nunca foram maltratados por eles porque atendiam as necessidades alimentares dos cangaceiros.
Em 1878 a coisa mudou; foi um ano chuvoso. Chegou a bonança e fartura. Os animais se multiplicavam e as colheitas foram boas.
Passado algum tempo, já com 18 anos, Bitu votou pela primeira vez e com essa mesma idade contraiu matrimônio com Constância Nunes Magalhães. Foram residir na fazenda Monte Alegre, em Afogados da Ingazeira. Dessa união tiveram 11 filhos: Manoel, Francisca, Antônia, Joaquina, Ana, José, João, Luzia, Júlio, Sebastião (Bião) e Felizbela.
Em 1908 adquiriu uma fazenda – Poço do Moleque – município de Afogados. Naquela fazenda nasceu o décimo filho do casal, o Sebastião (Bião Bitu).
Anos depois resolve residir na cidade onde os filhos teriam oportunidade de estudar e exercer outras atividades. E assim aconteceu.
Em 21 de janeiro de 1914 recebeu a carta-patente nomeando-o ao posto de Alferes da 1ª Companhia do 404º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional do Município de Afogados da Ingazeira, no estado de Pernambuco, assinada pelo então Presidente da República Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca.
Foi nomeado, também, em 7 de dezembro de 1922, Juiz Municipal da Comarca de Afogados da Ingazeira. Por várias vezes exerceu o cargo de Delegado e Juiz Municipal. No decurso dos anos, sendo proprietário de uma fazenda quase dentro da cidade, dedicou-se à agropecuária e ao artesanato de couro.
No local da casa dessa fazenda, onde residia com sua família, foi aberta a Avenida Arthur Padilha, uma das principais da cidade. À frente foi construída uma praça que leva o seu nome. Com o crescimento da cidade, chegou o desenvolvimento. Vieram as construções de estradas, inclusive as de ferro – The Great Western of Brazil Railway Company Limited / Rede Ferroviária do Nordeste - que passavam dentro da fazenda Pitombeira. Dessa forma a fazenda foi desapropriada e Luiz Bitu foi indenizado pela cessão de parte do seu patrimônio.
Faleceu em 8 de dezembro de 1947, com quase 80 anos de idade, deixando como administrador dos seus bens e responsável pela família o filho Sebastião de Siqueira (Bião) que até então nunca o havia deixado.

[Fonte/acervo: “Afogados da Ingazeira – Memórias” - Fernando Pires]

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 7-Setembro-2018 / 9:01:52


Faleceu às 18h10 desta segunda-feira 20, no Hospital Santa Joana, no Recife, aos 70 anos de idade, o político afogadense Antônio Mariano de Brito.
O sepultamento será realizado na próxima quarta-feira, na sua cidade natal.
Aos familiares, nossa solidariedade.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 20-Agosto-2018 / 20:14:05

Sobreviventes do Lixo

Devo dizer que fiquei entusiasmado e bem impressionado com aqueles que foram entrevistados pelo Fernando, principalmente o casal com filhos de idade escolar. Eles são um excelente exemplo para as novas gerações, são independentes e de iniciativa para alcançar os seus objetivos financeiros.
Aquela senhora, bem moÇa e jovial, e seu esposo, me deixaram bem impressionado, pelo fato de ser uma pessoa decidida e que merece o nosso respeito e apoio. O trabalho nos dá o sentimento de respeito e o prazer de haver alcançado com iniciativa própria o que outros apenas pensam em fazer, mas sem nenhuma ação.
Estes são meus heróis que viram o campo aberto e tomaram a oportunidade para a ação. Isto é o que faz a diferença na vida do cidadão e da sociedade em geral. O trabalho nos dá o senso de respeito próprio por vermos o resultado do uso das nossas qualidades laboriosas, o resultado óbvio e inegavelmente louvável.
Alem do mais, estes conterrâneos merecem os nossos aplausos e o nosso respeito pela maneira como enfrentam a situaçãoadversa. Eles são um bom exemplo de pessoas de respeito.
Que Senhor os abençoe e guarde.
Com todo o meu amor e simpatia.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 19-Agosto-2018 / 9:08:36

O ultimo trem

Não soube muito sobre o último trem de Afogados da Ingazeira, mas, só pelo fato de ver e ouvir essa frase, senti como a morte de uma pessoa amada. O trem, de Afogados para o Recife, foi como uma porta aberta para irmos e voltarmos, quando conveniente, para um mundo distante que agora se fazia acessível. Eram mais ou menos 12 horas de viagem entre Afogados e o Recife.
Agora, era uma simples escolha de quando ir e vir. Era um excitamento sem igual; íamos até a estação só pra saber quem vinha ou quem ia. Era um movimento constante.
Lembro-me da minha primeira viagem de Afogados pro Recife; fiquei ansioso, só de pensar. Fui visitar meu tio Alvaro que residia na Várzea; eu estava com 12 anos. Foi então a minha oportunidade de descobrir o Recife, usando o bonde... foram dias de excitamento e descobrimento. Fiquei conhecendo Recife em todas as direções...

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 17-Agosto-2018 / 10:57:28

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 15-Agosto-2018 / 21:46:34

Cadê os ídolos?

A lei só é Lei caso haja justiça. As quase 200 mil leis existentes no Brasil, servem muito mais para proteger os ricos e punir os pobres. O saudoso Dom Francisco costumava dizer que antes de pleitear qualquer coisa, temos que lutar, sempre, por justiça. No início deste mês, a cidade de Afogados da Ingazeira e outras do Pajeú, foram surpreendidas com uma grandiosa operação envolvendo vários órgãos federais de fiscalização em vigilância sanitária, meio ambiente e afins. Diversos pequenos comerciantes tiveram seus estabelecimentos “lacrados” com apreensão de mercadorias e, portanto, impedidos de trabalhar para manterem suas famílias. Igualmente, humildes agricultores foram “visitados” por esse grupo de servidores que mais demonstraram vontade de punir que informar com referência as normas vigentes.

Lembramos aos agentes que vieram, de maneira grosseira, inesperada e até antiética para com os órgãos assemelhados aqui existentes, que avisem aos seus superiores que, antes de autorizar uma operação de guerra dessa envergadura, CUMPRAM o Artigo 6 da nossa Constituição nos proporcionando direitos sociais, tais como educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, transporte, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância, e assistência aos desamparados... Tudo isso é OBRIGAÇÃO do Estado.

Fiquei e ainda estou muito triste. Como cidadão e amante desse Pajeú não poderia, jamais, omitir meu descontentamento com as autoridades da nossa região. Ora, como conseguem calar perante tamanha agressão aos honrados trabalhadores sertanejos? Todo bom gestor sabe, ou deveria saber, que desde 1942 “ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece.” Então, porque não informou a todo o comércio de sua cidade? O lógico é prevenir com informação do que ter que ver seus munícipes punidos de forma duvidosa. E mais, é tarefa de quem exerce liderança sobre uma comunidade impedir que ações “misteriosas” desse tipo, venham, não apenas multar ou punir, mas aterrorizar todo um povo. O que mais se espera de um chefe do Executivo Municipal é, além da honestidade, a coragem de defender seus habitantes de constrangimentos e sofrimentos que, quando ocorre como nesse caso, leva algum tempo para cicatrizar.

A Lei nem sempre é justa, talvez por isso mesmo muitas são revogadas; diferentemente da Justiça que tem como finalidade a transformação social; como escreveu Rui Barbosa “Eu não troco a justiça pela soberba. Eu não deixo o direito pela força. Eu não esqueço a fraternidade pela tolerância. Eu não substituo a fé pela superstição, a realidade pelo ídolo.” Solidariamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 12-Agosto-2018 / 16:24:55
Caro Fernando, parabéns por manter esta comunicação entre nós afogadenses e demais conterrâneos nordestinos.
Hoje me emocionei lendo as notícias das pessoas queridas que se foram.

Obrigada, Deus, por ter me dado a oportunidade de fazer parte desta comunidade querida!

Lurdinha Rodrigues <lurdinharodrigues.maria@gmail.com>
São Paulo, SP Brasil - 1-Agosto-2018 / 9:25:02

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 31-Julho-2018 / 17:45:57
A Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista manifesta seu mais profundo pesar pelo falecimento do empresário Agenor Liberal Batista, aos 88 anos de idade, ocorrido no Hospital IBR, na noite deste domingo (29).
Natural de Afogados da Ingazeira, interior de Pernambuco, Agenor é de uma família de empreendedores do interior do Estado, a exemplo do fundador das Lojas Insinuante, Antenor Liberal Batista e Adalberto das Lojas A Dominante.
Agenor Liberal Batista chegou em Vitória da Conquista no século passado, onde fundou a Nordeste Construções. Preparou a sucessão natural de empresários na própria família.
Casado, pai de seis filhos, sendo o mais conhecido o empresário Pedro Rogério Pithon Batista, diretor da Construtora Pel.
O velório acontece no Salão Nobre da Loja Maçônica Fraternidade Conquistense e o sepultamento será em Vitória da Conquista, em horário e local ainda não divulgados.
Neste momento de dor, a Administração Municipal e o prefeito Herzem Gusmão Pereira se solidarizam com os familiares e amigos. (Do blogdoanderson)

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 31-Julho-2018 / 8:02:43
Maria da Paz

Não tive a oportunidade de conhecer pessoalmente a conterrânea, mas, pelo que vi, fiquei com uma boa percepção da sua personalidade como uma artista que nos deleitou com suas canções.
Só nos resta agradece ao Senhor Deus por nos haver prendado com a presença da Maria da Paz que tanto nos agradou com sua voz, num desempenho musical sem par.
Que o Senhor a tenha no seu seio.
Louvado seja o Senhor!

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 30-Julho-2018 / 21:49:49
Caro Fernando, domingo último você nos presenteou com o LUAR DO SERTÃO, magistralmente interpretado por cantores da 'Jovem e Velha' Guarda. Essa apresentação me levou, saudosamente, de volta à década de 40, quando o luar iluminava as brancas areias do Rio Pajeú, e os meninos do meu tempo, inspirados nos filmes de cowboy do 'Cine Pajeú', armavam seus figurativos de xerife e bandidos e montados em cavalos de pau, imitavam Tom Mix, Don Douglas e outros.
Hoje resta apenas a lembrança, recheada de saudade: o Pajeú não corre mais - a Represa de Brotas não permite e o areal virou terra suja... De outra forma, os versos: "A lua nasce por detrás da grande mata/ Mais parece um Sol de prata, prateando a solidão./" Nos lembra a bagaceira branca e limpa, que cobria grande área ao redor do engenho, onde a meninada se reunia nas noites de 'lua cheia', para conversar e contar 'histórias de Trancoso'.
Deste lado também, as coisas mudaram muito: plantação de cana de açúcar e respectivos engenhos, são raridades, embora a 'rapadura brasileira' seja famosa até no exterior.
O poeta, escritor e compositor maranhence CATULO DA PAIXÃO CEARENSE (São Luis 1863 - Rio de Janeiro DF, 1946). Admirava a Natureza e o homem do sertão; nos deixou 15 obras, três das quais se destacam: Poemas Escolhidos, Aos Pescadores e Meu Sertão. Frequentou a noite Carioca, junto a outros compositores populares. A leitura de seus poemas faz lembrar a vida do sertanejo, seus passeios campestres e sua cantoria, nos mínimos detalhes. Sua obra faz lembrar MACHADO DE ASSIS, JOSÉ LINS DO REGO e especialmente, JOSÉ DE ALENCAR, cada um no seu estilo e modo de dizer as coisas, segundo o tempo e os lugares.

José Batista do Nascimento <batista.inga@globo.com>
Recife e Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 29-Julho-2018 / 17:22:25

Faleceu nesta sexta-feira, 27, nossa amiga Maria Dapaz.
Que o Pai Eterno a tenha em sua glória!

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Julho-2018 / 20:10:29


_______________________________

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Julho-2018 / 20:06:50

Janaína Tenório Valadares <valadaresousa@gmail.com>
Caruaru, PE Brasil - 26-Julho-2018 / 22:22:44

Faleceu nesta quarta-feira, no IMIP Recife, Jair Almeida.
Aos familiares, nossas sinceras condolências.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 26-Julho-2018 / 9:30:22
Eu nao conhecia o grupo nem suas apresentações, mas devo dizer que fiquei impressioando. E bom saber que as novas gerações estão tocadas pela beleza que é "Luar do Sertão".
Quando abri o email, whaaooo! foi a expressão que saiu expontaneamente, pois eu não esperava. Você tem sido um amigo sem dúvida nenhuma, e eu lhe agradeço muito.
Onde foi o show apresentado? Rio, Sao Paulo? Notei a presença de apenas um da "velha guarda" com seus cabelos embranquecidos; acho que o seu nome é Caetano Veloso. Ele foi da turma que se apresentava na TV Record em São Paulo, na década de 1960. E bom saber que ele ainda está ativo e apresentando as boas músicas.
Quando recebi seu email, imediatamente abri e me embriaguei com aquele fantástico grupo musical apresentando Luar do Sertão.
Fernando, muito obrigado pela lembrança tão bela e comovente.
Ate a próxima!

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 25-Julho-2018 / 17:18:13
Calor igual ao do Sertão!

Temos tido temperaturas bem elevadas aqui no Sul da California; isto me traz à mente o calor que temos no Sertão com o período de Secas. Na semana passada tivemos o início do Verão, com temperaturas de 114º f; chuvas inexistentes, foi realmente um desconfortável alerta para o potencial calorento daqui .
O calor intenso destruiu metade das plantas que produzem flores no Inverno e Primavera, e ontem trabalhei depois das 4 da tarde até o anoitecer, podando os galhos danificados, com a esperanca de que com as próximas chuvas eles brotarão novamente. Mesmo assim, é um sentimento miserável limpar as ares destruidas.
Voltei pra casa, e entrei no banheiro para um tratamento imediato do calor. A água que costuma ser fria, estava quente quase fervendo, mas gradualmente foi esfriando, sem voltar à temperatura normal. Depois sai do banho e fui ouvir a Maria Betania apresentar Luar do Sertão. Ela tem uma maneira linda de apresentar aquela bela poesia musical, e eu muito agradeco ao Fernando por nos haver proporcionado a oportunidade de ver e ouvir novamente tão linda e comovente mensagem musical que toca muito este sertanejo despatriado.
A afirmação “Não há, ó gente, ó não, luar como este do sertão” me leva de volta ao meu rincão quando nao havia electricidade e as noites enluaradas nos permitiam ver o invisivel com uma beleza sem par.

Meu neto Ian retornou da sua estada na Universidade em Santiago, Chile. Ele gostou muito daquela visita e excursionou por várias partes daquele pais, incluindo a Patagonia; ele ficou encantado.
Domingo, após os serviços da nossa Igreja, fomos até a casa do meu filho Ivan e passamos a tarde conversando, e, sem dúvida, matando a curioisidade de saber a opiniao do Ian sobre a grande aventura. Fizemos uma pausa e meu neto me perguntou se eu gostaria de jogar Gamão; respondi afirmativamente. Jogamos três partidas, e o resultado é sempre uma surpresa. Ian então me perguntou desde quando eu tive interesse no jogo de gamão. Disse-lhe que a minha introdução ao Gamão foi ao lado da casa do meu pai, vizinha à casa paroquial, ao norte era a residencia do chefe de policia (delegado).
Costumeiramente, aos domingos à tarde, o vigário e o chefe de policia sentavam-se em frente da casa e havia o desafio de Gamão. Eu estava com uns 9 anos de idade, e como toda criança era curioso sobre o que estava acontecendo; fiquei fascinado pelo jogo, mesmo sem muito entender, mas, sempre que eles estavam a jogar gamão, eu procurava estar presente. Era fascinante ouvir a conversação entre os dois, apontando este ou aquele ponto do jogo. Com o passar do tempo fui aprendendo a jogar, e isso ficou comigo até hoje. Meus netos foram introduzidos à medida que cresciam e continuo a ser desafiado por cada um deles. No começo eu certamente ganhava o jogo mas, agora que eles cresceram e algumas vezes eles ganham sem desculpas. E isto me faz muito feliz por esta continuidade dos eventos com meus netos.
Ate a próxima.

Zezé Moura <jojephd@hotmail.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 21-Julho-2018 / 10:58:00

Nossa tarefa

Conta a mitologia grega que Hércules realizou seus Doze Trabalhos com pleno sucesso. A história, embora fictícia, retrata a saga de uma árdua tarefa que teve o guerreiro filho de Zeus e Alcmena. No filme real e contemporâneo, nós acima de sessenta anos, certamente, já assistimos mais da metade do ?Show da Vida?. Logo, temos que, além de agradecer a Deus, nos sentirmos como aquela criança que ganhou seu primeiro presente.
Não podemos perder o restante do espetáculo ouvindo fofocas e mentiras de mentes contaminadas; não devemos oferecer espaço para que o ódio e a vingança se instalem em nossos corações. Agora, mais do que nunca, devemos respeitar o próximo e cuidar da natureza, caso contrário a existência humana passará a ser inútil.
Também temos o dever cívico e a obrigação moral de estimular e despertar os mais jovens para que jamais se omitam perante as injustiças, principalmente, denunciando e combatendo os genocídios que, infelizmente, ainda acontecem no mundo.
Afinal, nesse fantástico trajeto percorrido, a vida nos mostrou e provou que a ascensão espiritual é bem mais importante que todas as posses materiais, até porque no brilhante Projeto Divino, somos apenas peças coadjuvantes, o protagonista foi, é e será sempre, o Criador do Universo. Então, para que não nos percamos no caminho de volta e já que não há a necessidade da força bruta, CUMPRAMOS pois, nossa tarefa.
Convictamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 13-Julho-2018 / 13:17:06
[Anterior] [Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks