AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 1 a 30 do total de 270 [Próximo]

Sou filha de Joao Marques, neta de pai Deca, de Tabira.
Muito bom teu Mural.
Abraços!

Ana Marques <aclaudia1975@gmail.com>
Dublin - Irlanda, IR - 15-Fevereiro-2019 / 13:27:20

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 14-Fevereiro-2019 / 10:03:53

Rosa (Pixinguinha) -Trio Amadeus

Fiquei totalmente encantado com esse trio, principalmente com a obra de arte que apresentam cantando Rosa, do Pixinguinha. Cheguei a ouvir as obras daquele mestre na minha juventude e sempre fiquei inebriado com a beleza poética das suas obras.
Pra ser honesto, sua lembrança estava adormecida quase morta, quando de repente com a mágica da Internet acordei ao ouvir aquela voz jovial suave e envolvente apresentar Rosa.
A maneira como ela canta é muito cativante, seus olhos são lindos e expressivos. Volto então ao meu tempo em Afogados da Ingazeira.
É bom saber que as belas obras do passado continuam ao alcance dos que já ouviram antes e os que estão ouvindo pela primeira vez, isto se chama música popular (Clássica).
Fernando, agradeço muito as oportunidades que tens dado a este velha guarda de reviver momentos tão prazerosos.
Até a próxima.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 9-Fevereiro-2019 / 20:44:54

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 8-Fevereiro-2019 / 11:17:26

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 8-Fevereiro-2019 / 11:08:50
Sem comentário...

Maria Ângela <Pinheiro >
Montes Claros, MG Brasil - 6-Fevereiro-2019 / 15:52:41

Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios

Aqui estamos sendo abençoados com chuvas que nos trazem bênçãos celestiais molhadas, que nos dão a certeza de boa safra no tempo próprio. Meus tomateiros estão crescendo de modo bonito e agradável, bem como os jerimuns, as abóboras, melancias e fruteiras. Isso é a compensação pela falta de chuvas no ano passado; tô a ponto de não poder aguar as plantas como faço costumeiramente.
Hoje podemos dizer que temos água abundante, pois o Senhor nos mandou as chuvas, chuvas de bênçãos molhadas, e bem vindas.

Com todas essas experiências molhadas me veio o desejo de ver o sertão, e quando abri nosso Mural fiquei muito alegre com o que vi: a Igreja Matriz da nossa Afogados da Ingazeira que continua sendo o maior e mais bonito monumento da nossa terra.
Vendo a Igreja, vieram à mente momentos belos e agradáveis que ali vivi, e as saudades vieram visitar-me novamente. Minha mãe tocando a "Serafina Organ" e dirigindo o coro; Corina cantando solos, e as novenas de fim de ano, e do Padre Antonio que foi um amigo desde a minha infância.
Hoje me restam saudades, e a gratidão a Deus pelas bênçãos que derramou sobre todos nós.
Louvado seja Deus, nosso Senhor.
Abraço e até breve.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 3-Fevereiro-2019 / 7:21:00

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 31-Janeiro-2019 / 21:58:11

Antigo Chefe da Ingazeira

"O tenente-coronel Francisco Miguel de Siqueira, antigo chefe conservador em Ingazeira (primitiva sede do município de Afogados da Ingazeira), tomou parte na luta, em Flores, contra os liberais, em 1848 e 49, levando, no seu valioso contingente de homens em Armas, ao lado de seus parentes, coronel Pedro Siqueira, Antônio Lopes de Siqueira e coronel Manuel Pereira, de Serra Talhada.
Homem tido como violento, tendo surgido a povoação de Afogados ¬¬¬¬– a qual se desenvolvia mais do que a de Ingazeira, veio assim a rivalidade entre as duas ¬¬¬¬–, passou Afogados a incorrer na ira de Francisco Miguel, que, saindo um dia dali, declarou que voltaria em breve para destruir aquela povoação, a Cartago que Roma (Ingazeira) não tolerava. Mas ao chegar à vila, caía do cavalo, desastradamente... e morria horas depois.
Respirou Afogados aliviada, e logo mais voltaria a ser sede do município. Mas a antiga sede não se conformava com a nova, que ainda lhe evocava o nome, o que significava uma amarga ironia, talvez.
Passaram-se os anos, até que, com a enxurrada de novos municípios por toda parte, o distrito de Ingazeira, e exemplo de muitos outros, soltou o seu grito de independência “e o sol da liberdade em raios fúlgidos” iluminou, faiscante, o velho arruado de tantas tradições. E, hoje, é o que antes fora: município da Ingazeira, banhado pelo rio Pajeú lendário ¬¬¬¬– o rio do mago ¬¬¬¬–, o Pajé, oráculo dos índios que viveram às suas margens séculos atrás, enfrentando, no começo da colonização, os invasores da região, com a sua bravura selvagem.
E como que a sua rebeldia e altivez serviram de exemplo aos filhos da terra, famosa na Valentia dos caboclos do Pajeú legendário."

Três Ribeiras, Ulysses Lins, Pág. 280.

André Pessoa <andrequeirozpe1@gmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Janeiro-2019 / 23:17:39

Faleceu na noite de ontem 25, às 23h45, na Casa de Saúde Dr. José Evóide de Moura, dona Maria Amara Sampaio de Lima.
Viúva de seu Antonio, eles tiveram 7 filhos: Carlos Antônio, Maria de Lourdes, Maria Salete, Paula Frassineti, Alberico e outro Carlos Antônio (falecidos) e o caçula Luiz Carlos que há meses deixou São Paulo para ficar com a mãe nesses seus últimos momentos de vida.
Ela, em setembro deste ano completaria 100 anos de idade.
Aos familiares, nossa solidariedade.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 26-Janeiro-2019 / 10:37:20

Luar de Sertão

Luar do Sertão continua sendo top musical para este expatriado sertanejo; não estou desacreditando as outras escolhas, mas, entre duas escolhas...
Não sei quantos entre nós se recordam de Afogados da Ingazeira sem eletricidade... pois é, relembro bem aquele tempo quando a vida era vagarosa, quando sem a luz elétrica esperávamos ansiosos pela lua cheia.
Meus pais se sentavam nas cadeiras de balanço em conversação com os amigos que por ventura apareciam por lá. Eu gostava de brincar de polícia e ladrão; numa destas oportunidades estávamos uns 4 ou 5 garotos e fomos brincar. O prédio do Cinema estava em fase de construção. Eu fui apreendido pelos que me perseguiam e eles amarraram minhas mãos e eu fiquei ¨preso¨ ao lado do cine Pajeú. O tempo foi passando e, eu sentado no chão, com as mãos amarradas, esperava por salvação que não chegava.
O luar era lindo, e de repente vi um senhor caminhando na minha direção, isso entre 7 e oito da noite, ele me perguntou: "o que estás fazendo aqui?" Dei uma explicacao, ele riu e liberou com uma advertência: "não te deixes ficar amarrado novamente".
Como podes perceber, foi uma experiência linda estar amarrado debaixo do Luar do meu Sertão.
Este foi um fato que jamais esquecerei.
Fernando, mais uma vez muito obrigado.
Até a próxima.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 24-Janeiro-2019 / 20:12:06

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 23-Janeiro-2019 / 18:05:00

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
PE Brasil - 23-Janeiro-2019 / 11:15:37

Como faço para divulgar uma imagem?

___________________________
Gabriela, respondi por e-mail...

Gabriela Claudia Rodrigues Andrade <gabriela_crs@hotmail.com>
Olinda, PE Brasil - 12-Janeiro-2019 / 19:54:20


Último Regresso
(Getúlio Cavalcanti)

'Frevo para ouvir deitado'

Oi Fernando, acabo ouvir mais uma vez o Frevo que não requer que façamos nada. Nos movimentos bruscos, apenas segui a recomendação, para ouvir deitado. Se bem que não segui ao 'pé da letra', mas quase. Sentei-me na cadeira favorita e reclinei-me.
Eu fiquei surpreso, pois Frevo para nós significa Carnaval com muito movimento, bem agitado. No entanto, lembrei-me de quando no Recife fui introduzido a diversos blocos e diferente estilos de música, tais como o apresentado.
Fiz uma pausa, comecei a recordar, e me veio a lembrança os diferente blocos e diferente musicais. Tudo isto acordou em mim lembranças que pensei deixadas no esquecimento. A recomendação 'Para ouvir deitado' é muito apropriada, pois nossa atenção fica focalizada ouvindo as palavras da poesia, e isto tocou-me profundamente.
Acredito não haver ouvido esta joia musical antes; lembrei-me apenas do estilo, e isso foi suficiente para alegrar o coração saudoso e distante.
Só me resta agradecer ao amigo pela atenção que sempre tem demonstrado para este 'velha guarda' que continuará reclinado na cadeira a ouvir este presente de Ano Novo, enquanto leio minha correspondência.

Abraço.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 10-Janeiro-2019 / 20:43:51
Dona Maria - viúva de Expedito Gonçalves(em memória), faleceu nas primeiras horas desta terça-feira 8, em Serra Talhada.
Fomos informados de que o sepultamento será realizado em Afogados da Ingazeira.
Aos familiares, nossa solidariedade.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 8-Janeiro-2019 / 12:30:52

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 6-Janeiro-2019 / 11:35:30
Consta, na história de Afogados da Ingazeira, que a maior obra do prefeito João Alves foi a demolição do Coreto.

José Tadeu de Góes <jt.goes@bol.com.br>
Recife, PE Brasil - 5-Janeiro-2019 / 14:17:47
Prezado FERNANDO PIRES, parabéns pela apresentação neste Mural, dessa vista aérea da praça central de Afogados da Ingazeira.
Nela ainda vemos o grandioso Coreto, - sem exagero nem bairrismo, - era o maior coreto público do mundo, dotado de dois pisos. Sua estrutura era de tal forma, robusta e forte, que mesmo sob os pesados pulos de um Bloco Carnavalesco em seu 2º piso, jamais sofreu avarias ou rachaduras estruturais.
Noutras oportunidades, a banda marcial do Grupo de Escoteiros, sob a tutela de ZEZITO (Padilha) de 'seu' ODON, fazia seus ensaios, sob as vistas da meninada já crescida; todos juntos lá em cima. Isso tudo dá uma 'baita' saudade.
Pena que o povo da Cidade consentiu a desnecessária demolição.
Não me lembro de nenhum protesto, antes do de uma respeitosa leitora deste admirável Mural.

José Batista do Nascimento <batista.inga@globo.com>
Recife e Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 5-Janeiro-2019 / 10:53:43

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 2-Janeiro-2019 / 20:54:34

Fim de Ano

Estamos nos preparando para festejar o final de 2018 e receber 2019 com alegria de havermos alcançado a data marcante do Novo Ano.
É sempre uma repetição eufórica por haver sobrevivido em boa forma, por continuar vivendo o dia a dia e podermos agradecer ao Senhor pela graça da sobrevivência.
Há alguns anos tive o prazer inesperado de ver e participar de uma data festiva numa das grandes lojas daqui; fomos até aquele estabelecimento comercial e ao entrar percebemos que algo estava acontecendo, pois a loja parecia vazia, mas não sabíamos o porquê.
Percebemos, então um pequeno anúncio que convidava a todos para se dirigirem ao local no andar térreo afim de comemorar o natalício de um dos funcionários; foi então que percebi tratar-se de algo extraordinário: era o recepcionista na entrada principal daquela loja que estava completando 100 anos de idade.
As escadas estavam lotadas com os clientes da loja que desejavam presenciar aquele evento. Ele estava em boa forma física e mental que não indicava ser ele um "velha guarda". A cerimônia foi simples, mas bem preparada, dando- nos a oportunidade de um aperto de mão.
Lembrei-me hoje daquele evento, e agradeci a Deus por haver-me dado a oportunidade de ter presenciado aquele momento.
Louvado seja o Senhor Deus.
Até a próxima!

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 27-Dezembro-2018 / 18:22:15


SOBREVIVENTES DO LIXÃO EM AFOGADOS DA INGAZEIRA (13 de agosto de 2009) -
ESTAMOS EM DEZEMBRO DE 2018, QUASE 10 ANOS DEPOIS...
ALGO MUDOU?

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 20-Dezembro-2018 / 10:55:15

Faleceu há pouco, em Afogados da Ingazeira, aos 82 anos de idade, o ex vice-prefeito e vereador em várias legislaturas, Sr. Luiz Alves dos Santos.
Nossa solidariedade aos familiares.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 17-Dezembro-2018 / 15:09:23
My California Quail (Codornis na língua de Camões)

Na manhã de sexta-feira levantei-me às sete da manhã, e como sempre fui abrir a cortina da janela da e da casa. Pra minha grande surpresa, lá estava andando pra lá e pra cá, e até correndo numa velocidade surpreendente, o que fiquei sabendo ser um belo exemplar do "Quail" da Califórnia.
Eu havia visto o "Califórnia Quail" quando da minha visita ao Yosemite Ntnl Park, mas não me recordava. Fiquei embevecido com a beleza natural observando aquele pássaro, principalmente o opendulo preto na sua cabeça que nos surpreende.
Procurei informações sobre o belo pássaro e fiquei sabendo que há uma grande variedade do "Quail" na Norte América e América do Sul. E descobri que no Brasil o nome é "Codornis". Eu conhecia o nome, mas não tive oportunidade de ver a versão brasileira desse belo exemplar da criação divina.
O melhor de tudo é que tive o privilégio de recebê-lo no meu Jardim por três dias. Ofereci alimento que foi aceito com entusiasmo, o que me agradou bastante.
Após o almoço, aquele belo exemplar de "Quail" ficou andando pra lá e pra cá, no muro que nos separa dos vizinhos, e aquilo foi mais um show de beleza que nos encantou.
Resolvi, então, que deveria apresentar essa experiência neste Mural que significa tanto para mim.
Até a próxima.

Zeze de Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 13-Dezembro-2018 / 6:36:45

Casa de mãe depois que os filhos se vão

Casa de mãe depois que os filhos se vão é um oratório. Amanhece e anoitece, prece. Já não temos acesso àquelas coisinhas básicas do dia a dia, as recomendações e perguntas que tanto a eles desagradavam e enfureciam: com quem vai, onde é, a que horas começa, a que horas termina, a que horas você chega, vem cá menina, pega a blusa de frio, cadê os documentos, filho.

Impossibilitados os avisos e recomendações, só nos resta a oração, daí tropeçamos todos os dias em nossos santos e santas de preferência, e nossa devoção levanta as mãos já no café da manhã e se deita conosco.

Casa de mãe depois que os filhos se vão é lugar de silêncio, falta nela a conversa, a risada, a implicância, a displicência, a desorganização. Falta panela suja, copos nos quartos, luzes acesas sem necessidade…

Aliás, casa de mãe, depois que os filhos se vão, vive acesa. É um iluminado protesto a tanta ausência.

Casa de mãe depois que os filhos se vão tem sempre o mesmo cheiro. Falta-lhe o perfume que eles passam e deixam antes da balada, falta cheiro de shampoo derramado no banheiro, falta a embriaguez de alho fritando para refogar arroz, falta aroma da cebola que a gente pica escondido porque um deles não gosta ( mas como fazer aquele prato sem colocá-la?), falta a cara boa raspando o prato, o “isso tá bão, mãe”. O melhor agradecimento é um prato vazio, quando os filhos ainda estão. Agora, falta cozinha cheia de desejos atendidos.

Casa de mãe depois que os filhos se vão é um recorte no tempo, é um rasgo na alma. É quarto demais, e gente de menos.

É retrato de um tempo em que a gente vivia distraída da alegria abundante deles. Um tempo de maturar frutos, para dá-los a colher ao mundo. Até que esse dia chega, e lá se vai seu fruto ganhar estrada, descobrir seus rumos, navegar por conta própria com as mãos no leme que você , um dia, lhe mostrou como manejar.

Aí fica a casa e, nela, as coisas que eles não levam de jeito nenhum para a nova vida, mas também não as dispensam: o caminhão da infância, a boneca na porta do quarto, os livros, discos, papéis e desenhos e fotografias – todas te olhando em estranha provocação.

Casa de mãe depois que os filhos se vão não é mais casa de mãe. É a casa da mãe. Para onde eles voltam num feriado, em um final de semana, num pedaço de férias.

Casa de mãe depois que os filhos se vão é um grande portão esperando ser aberto. É corredor solitário aguardando que eles o atravessem rumo aos quartos. É área de serviço sem serviço.

Casa de mãe depois que os filhos se vão tem sempre alguém rezando, um cachorrinho esperando, e muitos dias, todos enfileirados, obedientes e esperançosos da certeza de qualquer dia eles chegam e você vai agradecer por todas as suas preces terem sido atendidas.

Por que, vamos combinar, não é que você fez direitinho seu trabalho, e estava certo quem disse que quem sai aos seus não degenera e aqueles frutos não caíram longe do pé?

E saudade, afinal, não é mesmo uma casa que se chama mãe?

(Texto atribuído a Miryan Lucy Rezende)

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 4-Dezembro-2018 / 14:54:40
Fomos informados, há pouco, do falecimento, aos 69 anos de idade, aqui no Recife, de Lúcia Flávia de Moraes, colega aposentada do BB.

Ela era mãe de Cristano (que esteve à frente da Receita Federal em Afogados da Ingazeira), e de Lúcio Flávio.
O velório será na Av. Rio Branco, na residência da sua família.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 29-Novembro-2018 / 10:07:12
Olá, Fernando

Estou em São Paulo. Vim ao aniversário do meu filho, Herbert Neto.
Pela manhã, fui informado por uma das irmãs, Regina, do falecimento de tio Geraldo. Há mais ou menos 15 dias Eliane já informava de seu estado de saúde. Com sua partida desaparece, assim, a geração dos filhos de Fausto e Maria Madalena Dantas Campos.

No mesmo Mural há registro do falecimento de Dr. Aloísio. Como é do seu conhecimento, quando estive em Afogados da Ingazeira (minha terra natal), fui lhe fazer uma visita. O glaucoma já o importunava, quando pediu pra chegar mais perto de mim, assim me identificou como “o galeguinho de Herbert”.
Também estive com D. Ivone, já bastante adoentada.

Quero registrar aos familiares do Dr. Aloísio Arruda o pesar dos filhos do médico Herbert Miranda, meu saudoso pai.

Luciano Campos Henriques
São Paulo, SP Brasil - 23-Novembro-2018 / 20:56:41

Geraldo Magela Dantas Campos, des
9.03.1922 – 23.11.2018

Declarado apaixonado por Afogados da Ingazeira, onde passou parte da sua infância, Geraldo Magela Campos faleceu na madrugada desta quarta-feira 23, no Recife.
Ele fazia parte, em nossa página, dos Personagens Jurídicos do Pajeú.
Fomos informados de que o velório acontecerá nesta quarta-feira, no Salão dos Passos Perdidos, Palácio da Justiça, aqui no Recife.

______________________________

Geraldo Magela, filho de Fausto de Oliveira Campos e de Maria de Oliveira Campos, nasceu em 9 de março de 1922 na Fazenda São Luis do Morato, em São José do Egito.
Na sua cidade natal e em Tabira iniciou o curso primário, concluindo-o em Afogados da Ingazeira. Em Caruaru, fez o segundo grau, e no Colégio Osvaldo Cruz, o pré-jurídico.
Na faculdade de Direito do Recife, tornou-se bacharel da turma de 1946. Exerceu a Promotoria Pública das Comarcas de Goiana e Cabrobó. Em 1948 foi nomeado Juiz de Direito da Comarca de Cabrobó, sendo posteriormente removido para as Comarcas de Petrolândia, Custódia e Tabira.
Promovido para a Comarca da Glória do Goitá, ali permaneceu por 12 anos, até quando foi promovido para a Comarca do Recife. Na capital, atuou como Juiz de Direito das 11ª e 5ª Varas Criminais por distribuição. Juiz dessa última Vara, foi nomeado Corregedor da Terceira Entrância.
Em 1968 foi promovido, por merecimento, para o Tribunal de Justiça de Pernambuco, onde permaneceu até o ano de 1992 quando se aposentou por ter atingido a compulsória.
Exerceu as funções de Corregedor Geral da Justiça, Presidente do Tribunal de Justiça, Vice-Presidente por dois biênios e ocupou também a função de Presidente do Tribunal Regional Eleitoral.
No seu Curriculum constam as seguintes condecorações: Medalha do Mérito Guararapes, Medalha da Cidade do Recife, Medalha Santos Dumont, Medalha do Mérito Policial, Medalha do Mérito Judiciário "Desembargador Joaquim Nunes Machado", considerada a mais alta condecoração da Justiça Pernambucana.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 23-Novembro-2018 / 10:38:39
O meu pesar aos familiares do Dr. Aloísio Arruda.
Ele também foi meu professor.
Que Deus o receba em sua nova morada.

Luciana Arcoverde
Juazeiro do Norte, CE Brasil - 22-Novembro-2018 / 22:21:22
Dr. Aloísio, um homem muito digno. Chegou muito cedo à terra que ele adotou como sua. Constituiu uma linda família e teve o amor incondicional de sua dedicada esposa, professora Dona Ivone Góes.
Deixa o exemplo de profissional zeloso e presente. Um professor que fazia seus alunos tremerem nas bases com um simples olhar. Foi meu professor de matemática e com ele perdi o medo da matéria. Até ganhei 10,0!
Perdemos um amigo carinhoso e um filho que Afogados acolheu e amou.
Que Deus o receba com toda a Sua misericórdia.

Maria Lúcia de Araújo Nogueira
Orlando, Flórida, FL EUA - 22-Novembro-2018 / 22:13:40
[Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks