AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 1 a 10 do total de 5196 [Próximo]



A missa de sétimo dia de Érika Pires será realizada nesta segunda-feira 15, às 19h, na capela do Colégio Salesiano.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 15-Janeiro-2018 / 8:46:30
O fantasma das enchentes

Não é nenhuma novidade que um responsável e bem elaborado planejamento sobre desenvolvimento urbano, está diretamente vinculado ao progresso de quaisquer territórios. Logo, o gestor que consegue enxergar o futuro com olhos de lince, certamente não encontrará dificuldades para vencer os presumíveis obstáculos.
Infelizmente, por vários anos consecutivos, a Defesa Civil de Santa Catarina informa, novamente, que as chuvas já atingem violentamente 20 importantes cidades daquele estado capixaba com o Rio Itajaí-Açu inundando ruas e casas. Essa angustiante situação, que poderia ser evitada, já acontece desde a última quarta-feira, dia 10.01, deixando várias famílias desabrigadas, 1.400 pessoas somente na capital, Florianópolis. O IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, diz que entre os anos de 2008 e 2012, quase 2 milhões de seres humanos foram prejudicados pelas enchentes em todo o Brasil.
O Nordeste brasileiro, também sofreu com as enchentes de 2010 e 2011, onde vários rios transbordaram, invadindo 67 cidades de Pernambuco. A Secretaria Nacional de Defesa Civil identificou 37 vítimas fatais, 53 mil desalojados e mais de 2 mil quilômetros de estradas completamente danificadas.
Lamentavelmente, todas essas regiões foram visitadas por autoridades que repetem as mesmas mentiras, evidenciando claramente a falta de compromisso e vontade política.
Uma competente e corajosa arquiteta, registrou em sua monografia de doutorado que "... no Brasil há soluções técnicas viáveis mesmo se considerarmos essa herança histórica de ocupação informal do solo. Mas não há solução enquanto a máquina de fazer enchentes não for desligada."
Esperançosamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Recife, PE Brasil - 12-Janeiro-2018 / 18:11:48
Faleceu nesta terça-feira, às 14h20, de infecção generalizada, no Hospital Português, aqui no Recife, minha prima Érika Pires, aos 42 anos de idade (1975-2018).

Era filha de Josely e Dária Pires (em memória).
Deixa esposo e um filho adolescente.

Fomos informados que, por questão de segurança, o local do VELÓRIO foi alterado: está previsto para as 20h, na 'Funerária Rosa Master', em frente ao cemitério de Santo Amaro. (Recife,09.01.2018)
________________________________________
O SEPULTAMENTO será realizado nesta quarta-feira 10, às 15h (3 da tarde), no Parque das Flores. (10.01.2018)



Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 9-Janeiro-2018 / 16:46:31

A sabedoria da natureza
Um dos pioneiros de como lidar com as matas e, consequentemente com seus habitantes foi o General Cândido Rondon. Indicado para o Prêmio Nobel da Paz, em 1957, pelo êxito obtido em missões ambientais. Mesmo sendo recebido, em alguns momentos, com violência pelos índios, jamais usou de sua “força militar” para concluir a complicada tarefa de tornar a floresta um território de todas as raças.
Nessa segunda-feira, 25 de dezembro de 2017, tivemos a felicidade de conhecer parte do percurso que compreende a Trilha da Cascavel, sobre os velhos e depreciados dormentes, onde por muitas vezes passou o “Imbuá de Ferro”, vindo de Recife com destino a Salgueiro. São quatorze quilômetros entre o distrito de Russinhas e o centro de Gravatá, no agreste pernambucano. Não tive mais dúvidas que a natureza está diretamente ligada ao Criador do Universo. Foi emocionante! Vale destacar a iniciativa do líder comunitário Neguinho de Zé de Lora que, numa ousada e corajosa ação, junto a ONG Amigos do Trem, “ressuscitou”, com recursos e esforços próprios, aquele trecho transformando-o em um agradável Passeio Ecológico.
Estou convicto que esses exemplos servirão de combustível para estimular toda uma geração que contribui para a continuação da espécie humana na terra. Afinal, “ A sabedoria da natureza é tal que não produz nada de supérfluo ou inútil.”
Ecologicamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 26-Dezembro-2017 / 18:46:32

Feliz Natal e Ano Novo cheio de Alegria e Bênçãos Celestiais,
são os nossos votos a todos.


Domingo 17 foi apresentado o último dos seis concertos tradicionais da época de Natal. Foi de uma beleza sem par, como sempre, apresentando coral de 100 vozes, acompanhado pela orquestra grupos de membros da nossa Igreja; solistas de alto calibre, e um grupo de umas 80 crianças, que prenderam a nossa atenção ao glorificarmos o nascimento do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador.
Sou membro de Grace Community Church há mais de 20 anos, e anualmente assistimos o concerto Natalino. É algo que eleva nosso Espírito, glorificando e louvando ao Senhor Deus Pai e o Seu Filho Jesus Cristo.
Lembro-me do Natal em Afogados da Ingazeira, que apresentava a novena, e depois tínhamos fogos de artifício e um balão grande na frente da Igreja, que encantava a todos nós. Era um evento que se repetia por 9 noites, embelezando nossas vidas, quebrando a monotonia daquela época, e nos entusiasmando com as festas natalinas.
Fui parte das festividades com entusiasmo. Havia também a participação da Banda Musical que promovia o nosso entusiasmo com as músicas que apresentadas. Lembro-me de haver acompanhado a banda que costumava aparecer ao meio-dia marchando entusiasticamente pela rua, e a garotada acompanhando. Era um ambiente eufórico que se repetia pela semana.
Estas recordações mantenho guardadas na minha memória, com carinho, e às vezes transmito aos meus netos que gostam de ouvi-las.
Aos amigos e parentes, abraços e um Feliz Natal, 2017.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 21-Dezembro-2017 / 23:54:51

Meu Bom Jesus,
olhai as crianças do nosso Brasil!


O poeta Casimiro de Abreu descreveu em sua obra "Meus oito anos" a inesquecível experiência que viveu quando criança. Disse o romancista: "Oh! que saudades que tenho / Da aurora da minha vida, / Da minha infância querida / Que os anos não trazem mais! / Que amor, que sonhos, que flores, / Naquelas tardes fagueiras / À sombra das bananeiras, / Debaixo dos laranjais!”.
Porém, muitas crianças jamais tiveram essa sorte e felicidade para contar sua história. Temos uma grande parcela de responsabilidade, por isso não podemos cruzar os braços, caso contrário, outras tantas almas inocentes terão a mesma infeliz e injusta condenação.

Não precisa ser nenhum especialista para saber que toda criança merece ser feliz. Só que para oferecermos os meios necessários, alguns gestos e ferramentas são indispensáveis, como por exemplo, o amor que é, sem dúvida, o alicerce para todos os seres; a criança, também, tem que confiar em alguém e essas pessoas são as mais próximas desses pequeninos; o ser humano tem o direito de ter uma família, mesmo que não seja de origem biológica; a ausência desses ingredientes pode comprometer seriamente a qualidade dessa especial e mágica fase da vida. Provavelmente, pensando nessa triste possibilidade, foi que em 1961, aconteceu o Decreto 50.912, assinado pelo então Presidente da República, Jânio Quadros, determinando em seu Artigo Único que "Fica instituído o Dia do Órfão, que será comemorado todos os anos, a 24 de dezembro."

Segundo dados oficiais da UNICEF, mais de 4 milhões de órfãos, só no Brasil, aguardam, não apenas nesse 24 de dezembro, mas a qualquer tempo por um abraço fraternal. São criaturinhas que por motivos alheios e diversos, jamais conheceram o carinho e o afeto de um lar.

No versículo 19 do Livro de Matheus, Jesus disse: "Deixai vir a mim as criancinhas, não as impeçais, pois o Reino dos céus pertence aos que se tornam semelhantes a elas". Então, seguindo as orientações do Mestre, esperamos que nessa época natalina, onde a comunidade cristã costuma intensificar sua fé e seu sentimento religioso, lembre desse público tão carente e ingênuo e, num gesto de profunda solidariedade, construa motivos para que, juntos cantemos a bela súplica popular "Criança feliz, / Que vive a cantar / Alegre embalar / Seu sonho infantil / Ó meu bom Jesus, / Que a todos conduz / Olhai as crianças do nosso Brasil!"
Sensivelmente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 20-Dezembro-2017 / 16:02:28

Alienados, um desastre mundial!

Um indivíduo alheio aos acontecimentos é como alguém que dorme profundamente durante um longo período. É um perigoso sono! É semelhante a quem produz algo sem saber sua real utilização. Os alienados são como folhas levadas pelo vento aos mais estranhos e distantes lugares.
Uma das principais fontes que contribuem para essa triste realidade é uma boa parcela de mercenários que dominam os meios de comunicação editando e “escolhendo” quais matérias serão divulgadas. Infelizmente, esquecem a ética, prevalecendo a "conveniência" dos patrocinadores.
O que realmente interessa pra esse pessoal são os índices de audiência, mesmo que para isso necessite de "misteriosas alterações" em sua grade de programação. Hoje, muitos jornalistas já mostram claramente imensa dificuldade em noticiar apenas a verdade, atrofiando o já frágil crescimento político e sociocultural do público.
Gostaríamos que a mídia, repercutisse com maior atenção as premiações, por exemplo, do prêmio Nobel de Medicina 2017, ganho por Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Yong; esses três americanos desenvolveram pesquisas sobre o funcionamento do relógio biológico interno dos seres vivos; torcemos para que essa mesma imprensa fale sobre o Nobel da Paz 2017, ganho pela ICAN, uma organização não governamental, com cerca de 100 países, que defendeu o desarmamento gradual das, aproximadamente, 15.000 armas nucleares em poder das grandes potências.
Assim, quem sabe essa dominada plateia não repetiria os 77 por cento dados à novela Selva de Pedra, de Janete Clair, em 1972 e audiência igual para assistirem o capítulo final da novela América, de Glória Perez, em 2005, onde aguardavam, pasmem, o tão esperado beijo entre os atores Bruno Gagliasso e Erom Cordeiro.
Será que as instituições tradicionais estão perdendo todo o seu potencial para combater os poderosos da mídia? Afinal, o que vemos hoje é uma escola que não ensina uma igreja que não catequiza e um punhado de partidos políticos fazendo “besteiras”.
Caso não nos manifestemos, seremos condenados por nossos filhos e netos a pagar um preço muito caro, porque como disse Renato Russo "A juventude está sozinha / Não há ninguém para ajudar / A explicar por que é que o mundo / É este desastre que aí está."
Conscientemente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 18-Dezembro-2017 / 22:05:02

As Fotos

Oi Fernando, foi uma agradável surpresa receber as 14 photos da nossa visita a Afogados da Ingazeira em jun/2016. Nelas estão Zorilda, minha sobrinha, meu Neto Ian, você, Fernando, e eu. Foram tiradas em Sanharó, num ponto de vendas de queijos e doces (LACA). É um local bonito e até elegante onde paramos pra espichar as pernas e atender o chamado da fome. Havia uma grande variedade de doces e salgados bem como café e refrigerantes que devoramos com entusiasmo.
As três moças que nos serviram eram jovens muito bonitas, elegantes e graciosas. As fotos me transportaram novamente para o que significava, momentos agradáveis da minha visita no sertão. Foram momentos preciosos para eu poder rever a cidade onde nasci e vivi até os meus 18 anos; revendo pessoas que foram parte da minha vida, lugares que visitei com carinho, bem como andar por aquelas ruas onde brinquei fazendo represas durante a época das chuvas.
Meu neto Ian me acompanhou durante toda a viagem e ficou impressionado com o vai e vem. Visitar as diversas partes novas da cidade foi fantástico; são cidades dentro da cidade. Fernando nos levou a ver o novo prédio para assistir os pobres e idosos (ASAVAP), e fiquei encantado com o que vi, mas, isso prova que não há nada como ver ao vivo, pois eu conhecia pelas fotos na internet que Fernando enviava durante a construção. Isto é uma prova de que se nos juntarmos num objetivo, seja qual for, teremos bons resultados. A união faz a força.
Que o Senhor nosso Deus seja louvado, por nos haver dado pessoas de boa vontade que ajudaram de um modo ou de outro na realização daquela obra de caridade. Louvado seja o Senhor Deus!
O que achei "legal" foi os moradores da Av. Rio Branco fazerem uma festinha (no período junino) na calçada em frente de suas casas, convidando os vizinhos para participarem. Ótimo exemplo de sociabilidade.
Fomos a visitar minha prima Terezinha Moura, que reside na casa onde nasci e me criei, e onde fui residente por 18 anos. Fiquei muito satisfeito de ver a filha do meu saudoso tio Geraldo ser a atual proprietária daquela casa que chega a ser histórica para mim. Tenho muitas recordações de rir e de chorar. Um dia eu conto.
Foi realmente um reencontro agradável que reafirmou nossos sentimentos de amizade. Tive a oportunidade de conhecer alguns da sua prole. Que o Senhor vos abençoe.
Tais fotos entrarão no meu álbum de recordações.
No dia seguinte fomos visitar Riacho Fundo, na Ingazeira, onde moravam minha irmã Firmina e seu esposo Julio Bento; ambos já partiram para a eternidade. Que o Senhor Deus os tenham no seu seio. Lá reside Rosilda minha sobrinha. Tivemos uma boa recepção naquele local; visitamos as construções de um açude, que me impressionou verdadeiramente. É bom ver o desenvolvimentos produtivos com uma represa no sertão; é algo de nos deixar de boca aberta. No final da tarde voltamos para Afogados para dormir e descansar, pois pela manhã retornaríamos para o Recife.
Foi uma boa aventura para um velha guarda. Agradeço ao Senhor Deus pela bênção!
Até breve.

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 13-Dezembro-2017 / 23:07:21

Arribaçã (ou Juriti)

Sou um amigo das coisas naturais, da natureza e tudo relacionado. Quando compramos nossa casa, fiquei encantado pelo fato de que tem um espaço grande com muitas possibilidades. A casa está no centro e há espaço para construir mais seis, no entanto o que mais me atraiu foi o fato de que me senti como no sertão, um bom numero de animais tais como esquilo,'Possons' e pássaros em quantidades tais como papagaios e outros que diferem em cores e beleza de acordo com a estação do ano; fiquei encantado estava no paraíso.
O que me atraiu mais foram as Juritis; elas vêm sempre em pequenos grupos consumindo a comida que lhes são servidas diariamente: uma mistura de sementes que adquiro em sacos de 25 libras, ou aproximadamente 12 quilos. Juritis são velhos amigos. Meu primeiro contato com esses belos espécimes de Arribação aconteceu em Riacho Fundo, onde residiam minha irmã Firmina e seu esposo Julio Bento, onde fui visitá-los várias vezes.
Numa dessas visitas, um rapaz que trabalhava no local sugeriu que iria caçar Arribacã, minha irma lhe pediu que me levasse com ele. Nessa época eu estava 9 ou 10 anos de idade. O matagal estava verdejante, sinal de que a seca havia passado. Nos aproximamos em uma das árvores frondosa e com bastante cuidado nos infiltramos em baixo daquela bela amiga. Percebi então que havia um grande número de aves abrigadas e fiquei encantado. O rapaz calmamente apontou a espingarda e puxou o gatilho e as aves desapareceram num grande 'rururu', menos dois que foram atingidos. Quando era hora de voltar tínhamos umas 8 ou 10 Juritis pra comer.
Hoje elas estão safe e sound (sãs e salvas), pois aqui não e permitido caçar animais selvagens, sem autorização, das 3h da tarde até o escurecer. É um deleite recebê-los diariamente e ver como eles apreciam o alimento doado. Eles mantém a habitualidade, sempre no horário estabelecido. Ontem chamei minha esposa e pedi para que ela tirasse algumas fotografias para memorizar tão belo cenário. O grupo de Juritis é fabuloso, muito bonito.
Duas árvores, com mais de 60 anos, de 10 e 15m de altura, já mortas, são o ponto favorito para esse grupo de visitantes. Recusei cortá-las, porque elas oferecem um recanto agradável aos amigos Juritis, como se veem na foto.
Eles começam a chegar a partir das 15h, vindo de diversas direções e os recebo de bom grado. Na varando sento-me na cadeira favorita e fico a observar a chegada das belas Juritis. que chegam em pares ou mais. De repente os galhos secos da árvore morta estão completamente lotados de Juritis que ali ficam se aquecendo com o calor do sol da tarde saboreando a comida servida. Dirijo-me para o local costumeiro e espalho as sementes que normalmente os presenteio. Eles usam precaução, mas, quando estão certos que não há perigo, começam a descer e devorar toda aquela variedade alimentícia. Às vezes eles vêm um a um e de repente descem todos ao mesmo tempo, quase que num alvoroço pra não ser deixado pra trás. Em alguns momentos contei mais de 100 aves subindo e descendo. É realmente um momento de grande alegria pra mim e pra minha esposa.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 7-Dezembro-2017 / 22:35:35

Anísio Macena de Lima
07.01.1919 - 20.11.2017

Prestes a completar 99 anos de idade, faleceu em Afogados da Ingazeira o antigo comerciante Anísio Macena.
Durante anos, diariamente saía da sua casa, na Gustavo Fitipaldi, levando uma cadeira para se sentar na calçada da catedral, todas as manhãs, tomar um solzinho e conversar com os amigos.
Aos familiares, nossa solidariedade.

______________________________

Filho de João Macena de Lima e de Quitéria Macena de Lima, nasceu em 20 de novembro de 1919 no distrito de Ibitiranga (Boa Vista), do Município de Carnaíba/PE.
Passou a infância e juventude naquele distrito. Seu trabalho, desde a juventude, foi na agricultura. Em 1947 enveredou no comércio de estivas.
Em 30 de setembro de 1947, quando contava 28 anos de idade, se casou com Romana Vieira, na Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios, em Afogados da Ingazeira. O celebrante foi o padre Antonio de Pádua Santos. Dessa união tiveram 4 filhos: Renato e Luiz (em memória), Roberto, Robério, Vera Lúcia e Gustavo (em memória).
Seu Anísio, sorrindo, disse que se casou com Romana só porque lhe deu um beijo e, naquela festa onde ocorreu esse fato, ela passou todo o tempo 'aperreada' porque os comentários iriam existir, ficaria 'falada', e os seus pais iriam saber do ocorrido.
Desde que enviuvou viveu em companhia da única filha mulher.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 1-Dezembro-2017 / 12:56:37
[Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks