AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 1 a 10 do total de 5214 [Próximo]

Data Preciosa…

Estava no inicio da minha carreira na vida civil, depois de seis anos servindo à Marinha do Brasil, eufórico por haver conseguido uma posição inicial na vida civil sem dificuldades, trabalhando com o “Moinho Santista” que produzia os famosos lençóis. Era a semana antes do Natal de 1958. Tudo estava indo bem, com a graça de Deus. A companhia estava no processo de distribuir as cestas de Natal aos seus empregados. Fiquei surpreso ao receber tão graciosa dádiva, que, no meu julgamento, eu não estaria incluído por ter iniciado com a companhia no inicio da semana. Fiquei sabendo que, se eu era um empregado daquela companhia, o meu nome automaticamente estava incluído como funcionário daquela empresa. Foi o inicio da minha educação na vida civil.
No início do Ano Novo de 1959 tudo estava indo às mil maravilhas, estávamos nos preparando para o grande evento matrimonial que aconteceria em maio daquele ano, na primeira Igreja Batista de São Paulo. Parecia um sonho, pois esperamos por esse evento um alongado tempo.
Hoje, no entanto, recordamos com carinho e amor pois foi o inicio de nossa vida como marido e mulher, unidos com a graça do Senhor nosso Deus e Pai.
Estamos nos preparando para comemorar 59 anos de bênçãos incessantes por todos estes anos, juntos e satisfeitos com as dádivas que recebemos; a maior delas, nossos filhos Igor e Ivan bem como nossos quatro netos, que têm sido motivo de muito orgulho e amor. O Senhor tem sido bondoso e misericordioso para conosco, derramando chuvas de bênçãos sobre nós.
Louvado seja o Senhor!
Desejo pedir vossa participação no dia 9 de maio de 2018, com vossas orações, agradecendo ao Senhor pelas bênçãos recebidas,louvando e bendizendo o Seu nome.
Somos eternamente gratos.

__________________________________

Certamente, Zezé. Deus abençoe o casal (próximo às Bodas de Diamante!) e toda a sua família. (Fernando Pires)

__________________________________

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 18-Abril-2018 / 8:32:00
Sou neto e bisneto de "Afogados e Tabira". Meu pai é João Batista Barbosa (ou João Barbosa da Silva), filho de Miguel Barbosa da Silva e Joanna Maria Batista (que é filha de José Baptista de Oliveira, "Zuza ou Cazuza", e Anna Maria José, "vó Aninha").
Devido à distância, ao tempo, e à memória escassa dos familiares, pouco sei destes familiares. Ao ler a página abaixo, identifiquei dois possíveis parentes: Pedro Batista e Rui Batista (creio que são primos de meus pai e tios).
O link sugerido para leitura das biografias (broken link) não funciona. Por gentileza, envie-me suas sugestões de fontes de leitura, ou contatos, onde eu possa obter estas informações.
Desde já, muito obrigado pela colaboração.
Fraterno abraço, Luiz Barbosa

________________________________

[Quem puder ajudar ao Luiz Barbosa, habilite-se... (Fernando Pires)]

________________________________

[Pedro Batista Tavares - Filho de José Batista de Oliveira e de Ana Maria da Conceição, Nasceu em 25 de junho de 1903, em Tabira.
Homem católico, contraiu matrimônio em primeiras núpcias com Quitéria Liberal Batista com quem teve 6 filhos: Antenor, Agenor, Adalberto, Adalgisa, Anacleto e Antonio.
Tendo enviuvado, em 1935 se casou com dona Quitéria Siqueira Carvalho Batista e dessa união teve mais 6 filhos: Rui, Rubem, Reginaldo, Ruth, Ramira e Rosemary.
Em 17 de julho de 1970 faleceu em Afogados da Ingazeira, sendo sepultado no cemitério São Judas Tadeu.]

________________________________

Luiz C C Barbosa <lccboss@gmail.com>
São Paulo, SP Brasil - 16-Abril-2018 / 12:23:56


____________________________

Spring time is Springing

Nada pode definir a Primavera (Spring) melhor do que as flores ao desabrocharem. É como se estivessem a dizer: "aqui estou novamente com a estação apropriada". Onde quer que vamos temos um show de flores coloridas a nos encantar, nos acordando como a dizer "acorda e vive a vida que Deus vos dá".
Califórnia foi prendada com a “California Poppy”. É uma flor que aparece no Deserto ao norte mais ou menos 70 milhas daqui, embelezando todo o Vale e nos deixando encantados pois, o vale fica com aquele colorido alaranjado sem par. Sem duvida nenhuma entre elas há outras flores que também merecem nosso reconhecimento mas nada a se comparar com a California Poppy. Ela domina o cenário com sua beleza e pela maneira com que o vento suave faz que elas fiquem oscilando suavemente nos saudando como a dizer Olá! numa quantidade gigantesca cobrindo o vale com seu colorido alaranjado.
Resolvi que seria a coisa apropriada plantar a California Poppy no meu jardim o que o fiz. Tenho sido abençoado por esta decisão pois é só olhar pela janela ou ir até a varanda para ver aquela beleza natural. A tarde o cenário é mais bonito pois com o sol as flores ficam mais exuberantes na sua beleza.
Para que vocês possam conhecer a California Poppy aqui vai uma photo.
Até a próxima!

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 30-Março-2018 / 0:00:36

Dr. Edson, cidadão do Pajeú

Apegos exagerados e excessivos são sempre nocivos. Sejam referentes a pessoas, clubes de futebol e até mesmo a nossa cidade. Isso pode nos levar a uma sobrevalorização daquilo que nem sempre representa a verdade.
O ganhador do Prêmio Nobel de Física, versão 1921, Albert Einstein, embora nascido na Alemanha, estudou na Suíça e, posteriormente, foi para os Estados Unidos, onde se naturalizou cidadão americano em 1940.
Alberto Santos Dumont, brasileiríssimo de Minas Gerais, construiu os primeiros balões dirigíveis com motor a gasolina. Porém, foi na França que se tornou mundialmente conhecido quando em 1901, num voo histórico, contornou a Torre Eiffel, pilotando seu dirigível número 6. Pouco tempo depois, o mundo via o espetacular voo do 14-Bis, ação reconhecida oficialmente pelos representantes da Aviação Internacional.
E o que dizer do nosso Rei do Baião, Luiz Gonzaga? Eita! Esse teve que deixar sua terra, Exu, sertão de Pernambuco, em busca da sobrevivência. Sua bagagem era uma sanfona, muita coragem e muito, mas muito mesmo, talento de sobra que logo desabrochou como as mais belas rosas que a natureza nos presenteia e que, às vezes, passam desapercebidas, não pela ausência de um apurado olfato, mas, pela fragilidade dos nossos sentimentos.
Vi, com profunda tristeza, uma internauta que, impensadamente, criticou o competente, respeitado e querido médico, Edson Moura, alegando que suas referências sobre o feliz e compensador tempo em que viveu e conviveu com seus correligionários da antiga Espírito Santo, são impróprias e descabidas, numa clara demonstração de bairrismo.
Ora, ora... A história não nos deixar pecar. No início dos anos 70, como consta do livro “Fragmentos de uma vida”, Dr. Edson foi clinicar no Hospital Público de Tabira. Fez muitos amigos e amigas que os convenceram a disputar a Prefeitura. Foi gestor da Cidade das Tradições por duas vezes, em 1983 e 1992. Depois se elegeu para outro nobre cargo legislativo, mas sua grande paixão era mesmo a medicina. Então, foi na vizinha cidade de Afogados da Ingazeira que realizou seu grande sonho em construir uma Unidade Hospitalar que atendesse, não apenas a uma comunidade, mas contemplasse toda uma região. E, esse povo agradece e reconhece a obstinação dessa valente família em edificar uma obra com a importância e tamanho de nossa gente.
“A Lei da semeadura nos ensina que tudo que plantamos, iremos colher. Seja de bom ou de ruim. Portanto, não faça esperando que as pessoas te devolvam. Faça sabendo que você tomou uma atitude boa e correta. ” Assim, para que os grandes homens não sofram injustas agressões e, em nome dos que prezam pelo trabalho, pela honestidade, pela dedicação, pelo respeito e pela humildade, proclamemos, pois, Dr. Edson Moura como “Cidadão do Pajeú”.
Conscientemente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 29-Março-2018 / 16:17:03

A vitória nas mãos do povo

Dias atrás, ao sentir problemas de saúde quando participava de um Fórum aqui no Brasil, o rei da República do Benim, país da região ocidental da África, com uma população de, aproximadamente, 10 milhões de habitantes, exigiu que lhe levassem a uma Unidade de Saúde Pública.
Ainda nessa semana, vimos o competente ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Roberto Barroso, em plena seção daquela Alta Corte, definir com muita propriedade o perfil do “odiado” magistrado, Gilmar Mendes, infelizmente seu colega de toga. A grandeza desses gestos nos fornece, ainda mais, combustíveis para abastecer nossa esperança e coragem, reforçando nossas forças para vencermos a luta contra a arrogância, a corrupção e a injustiça.
Mas, é bom que fique bem claro, a responsabilidade do futuro de uma nação não é apenas tarefa dos chefes de estado ou magistrados. Passa, obrigatoriamente, pela forma de como seu povo se comporta diante dos vários problemas inerentes a todo país. E, dentre as várias atribuições cívicas, uma delas é, inquestionavelmente, nossa participação em todos os momentos e níveis políticos, principalmente, como “eleitores técnicos”. Sim, técnicos! Iguais àqueles que escalam os times de futebol e sempre substituem os atletas que não estão correspondendo.
E, quando essas trocas de “jogadores” dão certas, o torcedor aplaude. Afinal, torcemos por nosso clube de coração. O atleta profissional é um servidor que, conforme a oferta muda rapidamente de bandeira sem nenhum constrangimento. Semelhantes atitudes podemos observar nos políticos que nós, eleitores do século XXI, escalamos para defender nosso time. Ou seja, nosso país. Alguns até, marcando gol contra, e o mais perigoso, intencionalmente...
É inadmissível! Então, nada mais inteligente, justo e correto que troquemos também as peças, ou melhor, os governantes que não atendem aos anseios da sociedade. Assim, certamente, vamos comemorar uma vitória de todas as torcidas e o troféu ficará, sempre, nas mãos do povo.
Confiantemente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 22-Março-2018 / 13:03:58


Aos 79 anos de idade, completados ontem, faleceu hoje, em Serra Talhada, de falência múltipla dos órgãos, o conterrâneo Francisco Paulo da Silva (Chico Vieira).
Aos familiares, nossa solidariedade.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 14-Março-2018 / 19:02:07

Que bom ter um espaço onde podemos rever nossa terra Afogados da Ingazeira.

Ines Dota <inesdota@uol.com.br>
Suzano, SP Brasil - 6-Março-2018 / 0:50:30

Um verdadeiro gol de placa

A Copa do Mundo de Futebol, versão 2018, ainda nem começou e muitos torcedores já vestiram suas respectivas camisas. A festa é anunciada, com total envolvimento da mídia, em quase todos os países com um sentido lúdico e hipnotizante. Os grandes patrocinadores já estão comemorando os prováveis lucros com o extraordinário aumento nas vendas dos seus produtos.
Os dominadores e poderosos ditam os ingredientes que serão servidos durante esse fantasioso período futebolístico. A imprensa encarrega-se de temperar os ”pratos de alienação” que, infelizmente, são aceitos e devorados por várias classes sociais. O circo da ilusão exige que todos participem, sob pena de serem considerados inimigos da seleção, e até, pasmem, traidores da pátria.
Ouvimos ontem, 02 de março, no Jornal Nacional e hoje no programa do Luciano Huck, referências exageradas e desnecessárias de “rápida recuperação” sobre o procedimento cirúrgico no dedo do pé direito do jogador Neymar, atualmente atleta do milionário time do PSG da França e um dos componentes da seleção brasileira.
Ora, esperamos que esses mesmos meios de comunicação, peçam também pela saúde de muitos pacientes atendidos pelo SUS que, muitas vezes, ficam na fila de espera durante meses. Alguns chegam a óbito sem nem mesmo terem sidos assistidos por um médico.
Há quatorze anos o estudioso, Newton Paiva, já alertava sobre os perigosos e graves sensacionalismos da mídia. O professor da PUC de Minas Gerais mostrou “que o torcedor inocente continua querendo e esperando é por bola na rede. Só que as regras do jogo mudaram. Nos bastidores, o gol não é mais o objetivo principal. O que interessa mesmo é cifra no banco”. Então, não podemos perder os parâmetros da realidade. Esse ano tem eleições onde vamos escolher nossos governantes. É nossa responsabilidade. Não podemos ignorar que as urnas são, infinitamente, mais importantes que o balançar das redes de um campo de futebol. Assim, estaremos marcando um verdadeiro gol de placa.

Conscientemente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 3-Março-2018 / 21:14:27


______________________

Sonho Meu, Sonho Meu...

Oi Fernando, "Sonho Meu" é uma obra de arte musical com o ritmo que se repete continuamente; até parece que não há mais palavras pra serem ditas e isto é realmente uma obra musical que nos toca o coração. Não me recordo o nome do autor ou autores, reconheci uma senhora que me lembrou de Maria Betânia. O jovem de cabelos brancos reconheci mas, não pude recordar o seu nome. Sei no entanto que é um dos famosos da musica popular brasileira da década de 60.
Escutei essa música uma ou duas vezes mas, isto foi no passado distante; no entanto, desta vez foi uma reintrodução à magnifica canção que ouvi, gostei, repeti e me apaixonei, ficando a ouvi-la pelo resto da tarde, procurando satisfazer a sede pelas coisas da nossa musica Popular.
Para um expatriado é como uma dose de encantamento. Ouvindo a música,com o ritmo a balancear nosso corpo, num moto continuo, a gente fica embriagado com a beleza que representa e não deseja parar.
"Sonho meu" é como se estivéssemos sendo convidados a continuar com aquele sonho de amor e carícias, numa promessa de amor eterno com nossa amada numa embriaguez infinita.
A parte que mais me toca é o comando "Sonho meu, vai buscar quem mora longe, sonho meu". Parece que estamos tendo uma conversa com amigos, e isto é o que este Mural nos proporciona, neste contínuo exercício comunicativo, "Afogados da Ingazeira Ontem & Hoje”.
Não importa onde estamos, mas, nossas lembranças estão sempre conosco numa continuidade de Sonho, do "Sonho Meu".

___________________________

Zezé, os compositores: Ivone Lara E Delcio Carvalho. Quanto aos intérpretes, são Maria Bethânia e Zeca Pagodinho.
___________________________

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 1-Março-2018 / 10:45:16

A nossa eterna Revolução

O termo "revolução" abrange uma área por demais delicada. Refiro-me aos movimentos revolucionários que, muitas vezes, causa espanto para alguns e honra para outros, mesmo que as divergências políticas culminem com sangrentas guerras.
Os Estados Unidos comemoram o dia 04 de julho com orgulho. Foi com uma corajosa rebelião que treze colônias americanas enfrentaram o poder britânico e, com muita luta, em 1766 ganharam sua independência. Hoje, não podemos ignorar, é a maior potência do mundo.
A França, no fim do século XVIII, era governada por Luiz XVI, rei sem escrúpulo e inimigo do povo. Essa classe já não suportando tanta perseguição e injustiça, resolveu se unir e iniciou a mais importante revolução da história moderna. Em 14 de julho de 1789, os rebeldes conquistaram a Bastilha, uma antiga prisão francesa que se tornou símbolo desse confronto, e assim, colocaram a monarquia de joelhos.
Aqui no Brasil Colônia, após vencerem com muito sofrimento a grande seca de 1816, os valentes nordestinos tendo como sede a então Capitania de Pernambuco, inspirados nos movimentos ocorridos na América e na Europa, revolveram enfrentar as tropas de Dom João VI que governava nosso país de forma tirana e arbitrária, além de derramar dinheiro com a Família Real e seus protegidos. Eram, comprovadamente, gastos excessivos e desnecessários. Começava a Revolução Pernambucana de 06 de março de 1817 que proporcionava ao povo, dentre outras vantagens, a liberdade de imprensa, a redução de impostos cobrados desproporcionalmente e uma Constituição elaborada com o povo e para o povo. A Igreja Católica, comerciantes, juristas, fazendeiros e militares foram fundamentais nessa efêmera vitória de apenas 74 dias de República.
Mês que vem a conhecida Revolução dos Padres completa 201 anos, sem que nenhum governo enxergasse sua merecida importância, não somente na história de Pernambuco, mas do Brasil e do mundo. Sinto-me, honestamente, como se dela tivesse participado ativamente junto ao guerreiro José de Barros Martins, o “Leão Coroado”, e os destemidos missionários João Ribeiro e Miguelinho.
A retomada do poder pelas forças imperiais, jamais representou uma derrota para o povo pernambucano. Afinal, esse exemplo de cidadania se perpetuou em nosso sangue, nos transmitindo a certeza de que “mais valem as lágrimas de não ter vencido do que a vergonha de não ter lutado.”
Pernambucanamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 27-Fevereiro-2018 / 7:22:39
[Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks