AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 1 a 30 do total de 5202 [Próximo]

O triste fruto dos nossos erros

Li, não lembro onde, uma afirmação muito forte e, por demais, contemporânea. Dizia que “A credibilidade é o maior capital de que um governo dispõe. Quando ela se vai, governar fica cada vez mais difícil, e o povo paga a conta do desgoverno.”
Já não bastasse a lamentável “queda de braço” que a justiça brasileira, infelizmente, com boa parte de sua cúpula com a “venda” desgastada, trava com o executivo e legislativo, órgãos com altíssima reprovação popular, nos deparamos, nesse 16 de fevereiro de 2018, com a Intervenção Federal na segurança pública do Rio de janeiro. A principal alegação é que as polícias daquele estado fluminense não foram capazes de barrar o perigoso “crime organizado”. O General de Exército Walter Braga Neto, comandará todas as ações nessa área, até dezembro deste ano, com amplos poderes, inclusive para demitir e convocar novos auxiliares com comprovada experiência nesse tipo de operação.
Alguns pessimistas falam que nosso Brasil encontra-se, politicamente, totalmente desmantelado, no caos! E, o pior, jornalistas renomados ousam escrever que não estamos “indo pro brejo”, já estamos no brejo.
Admitimos que os prognósticos não são bons, porém não é exatamente o que pensamos. Pois, observando a história, vemos que situações semelhantes já foram superadas por esse valente povo brasileiro. Lógico que ficam as marcas dessas crises cruéis e indesejadas.
A esperança foi, é e será, sempre, a nossa principal arma para lutarmos contra esse tipo de catástrofe programada por empresários e políticos corruptos.
Aproveitemos, pois, para refletirmos sobre nossa grande parcela de culpa. Assim, quem sabe, não correremos o risco de sermos, novamente, vítimas de nossas próprias escolhas políticas que optamos no passado. Esperançosamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 17-Fevereiro-2018 / 13:45:55

E F E M É R I D E S -

12 de fevereiro de 1883 -
Há 135 anos: Realizou-se, em Afogados da Ingazeira, a primeira reunião da Junta Classificatória de Escravos. Nessa época, o Presidente da Província de Pernambuco (Império) era o Sr. Francisco Maria Sodré Ferreira (1882–1883).

_____________

18 de janeiro de 1929 -
Há 89 anos: – Projetam-se grandes festas na próspera cidade de Afogados da Ingazeira para solenizar a Inauguração de Luz Elétrica no próximo dia 27 do corrente.
É mais um melhoramento que se deve à administração do prefeito cel. Pedro Pires Ferreira que, à frente do executivo municipal de Afogados da Ingazeira, encetou um período político administrativo de congraçamento, paz e progresso.
Para o referido ato, já foram convidadas as altas autoridades da atual administração.
Afora outras festividades do programa organizado, haverá naquele dia uma missa congratulatória pelo acontecimento, recepção e comitiva que vem do Recife assistir à inauguração da Luz Elétrica, o almoço oferecido ao deputado Fraga Rocha e ao cel. Pessoa de Albuquerque, esforçado contratante da iluminação pública. À tarde haverá uma partida de futebol entre as equipes locais do Botafogo e Santa Cruz. Às 17h30 terá lugar a inauguração da Luz, seguindo-se animada ‘soirée’ dançante.
Reuniu-se, no dia 10 do corrente, o Conselho Municipal, tendo tomado entre outras deliberações, a de denominar uma das ruas desta cidade ‘Cel. Pessoa de Albuquerque’.
Ainda foram deliberações daquele Conselho, tomadas unanimemente, a inserção na ata dos trabalhos daquele dia, de votos de pesar pelos falecimentos dos saudosos Manoel Borba, Anísio Galvão e Amaury de Medeiros. (A Província, ed. 19).
[Nota do autor: A 'rua' em referência, antes denominada 'Manoel Arão, é a hoje denominada Pça. Mons. Alfredo de Arruda Câmara. Em 1930 rendeu certa polêmica].

_____________

28 de fevereiro de 1941 -
Há 77 anos: Carnaval/Parque de diversões – Superou a expectativa o carnaval na cidade. Diversos carros fizeram o corso durante a tarde, e à noite, animados bailes da “Sociedade dos Grã-finos” e do “Leão do Norte” deram alegria e movimento à cidade nos três dias consagrados ao rei Momo.
Acaba de chegar aqui um animado parque de diversões que promete fazer uma boa temporada com os seus originais brinquedos ainda desconhecidos do público desta cidade. (DP, ed. 52).

_____________

15 de março de 1950 -
Há 68 anos: Recenseamento / Carnaval: Diariamente são divulgados pelo serviço de autofalantes da cidade todos os dados de interesse ao recenseamento, notadamente a leitura de circulares ou instruções para o melhor êxito do mesmo. De modo que Afogados da Ingazeira se prepara para o grande balanço de suas riquezas, contagem de sua população, conhecimento exato de sua vida em todos os aspectos que possam refletir a sua grandeza.
Carnaval – O carnaval deste ano santo (e talvez por isso mesmo), revestiu-se de um brilhantismo jamais rivalizado em outra época passada. Muita luz, muita gente, muita alegria e especialmente cordialidade, pois, unidos os foliões de todos os credos políticos, deixaram de lado as tricas partidárias, para, num bloco único, caírem no frevo de alma, corpo e unidade de pensamento. Para dizer a verdade, sem isso causar ofensa a quem se julgar inocente, só não caiu no passo, o vigário da paróquia, e, se não nos enganamos, o presidente da Sociedade de São Vicente de Paula.
Durante os quatro dias de momo, não se registrou abuso ou outra infração à lei, e a própria polícia teve de cruzar os braços por não ter o que fazer. E, francamente, quem olhou de perto ou tomou parte nos folguedos carnavalescos de Afogados da Ingazeira, neste bom ano de 1950, certamente jamais esquecerá essa festa. (DP, ed. 61).

_____________

21 de fevereiro de 1967 -
Há 51 anos: Carnaval – O Aeroclube desta cidade realizou a sua grande prévia carnavalesca, com o seu tradicional banho à fantasia, no dia 8. Também realizou quatro grandes bailes, animados pela orquestra “Ritmos Pajeú”, durante os dias dedicados ao reinado de Momo, e duas matinês, no domingo e terça-feira. O serviço de restaurante estava entregue ao Hotel do Caranguejo. O Sr. Antônio Lisboa, diretor social do ACAI, informou que todas as mesas foram vendidas.
A Prefeitura Municipal em nada contribuiu para a decoração, em contrato de orquestra, escola de samba e ornamentação dos clubes carnavalescos. Apenas o ACAI se manteve na liderança, que além de organizar o melhor carnaval de clube, organizou blocos, troças e concursos de fantasias, com classificação e distribuição de prêmios aos primeiros colocados, depois de realizar a mais bela iluminação e decoração de sua sede social e de algumas ruas da cidade. (DP, ed. 42).

_____________

6 de fevereiro de 1968 -
Há 50 anos: Aeroclube – Segundo informações colhidas por nossa reportagem, o Aeroclube desta cidade promoverá quatro grandes bailes carnavalescos nos dias dedicados ao reinado de momo. Foram contratadas a orquestra e serviços de restaurante e bar. A Orquestra de Frevos Pajeú abrilhantará os festejos. Para o tríduo momesco de 1968, foi reservado grande número de mesas.
- Cotelai – A Companhia Telefônica de Afogados da Ingazeira concedeu linha à sua congênere da vizinha cidade de Tabira, o que irá possibilitar fácil comunicação entre as duas comunas do sertão pernambucano.
- AABB – A Associação Atlética Banco do Brasil reuniu grande número de foliões, sábado último, especialmente para pessoas ligadas àquele grêmio recreativo. Pela primeira vez a AABB promo-veu uma grande festa pré-carnavalesca.
- CHUVAS – Com a grande alteração pluviométrica verificada sexta-feira última, o Pajeú aumentou consideravelmente seu volume d’água, sem oferecer, até agora, qualquer perigo aos moradores ribeirinhos. (José Djacy Veras, para o DP, ed. 29).

_____________

30 de janeiro de 1972 -
Há 46 anos: Foi inaugurado em Afogados da Ingazeira, com a presença de autoridades civis e militares, o maior Mercado Público do sertão de Pernambuco, com 3.200m2. O ato inaugural teve lugar às 16h do domingo último, e contou com o comparecimento de boa parte da população afogadense.
Presentes às festividades estiveram o deputado federal Josias Leite, Dom Francisco Austregésilo de Mesquita Filho, bispo diocesano, que oficializou o ato litúrgico; Dr. Josino Medeiros; o prefeito João Alves Filho; Sr. José Torreão, ex-prefeito de São José do Egito; prefeitos dos municípios adjacentes e todos os vereadores municipais, tendo o presidente José Geraldo de Moura iniciado os discursos.
O acontecimento foi coberto pela Rádio Pajeú.
[Nota do autor: O terreno do Mercado foi adquirido no governo do prefeito José Rodrigues de Brito].

[Fragmentos do livro 'Afogados da Ingazeira - Páginas da sua História'].

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 16-Fevereiro-2018 / 18:38:11

Comunicação Sentimental -

Ola Fernando, o comentário do José Batista do Nascimento foi como uma medicação para as dores que estava sentindo na minha perna direita, consequência da queda que sofri.
Gostei mesmo dos comentários daquele conterrâneo. Gostei tanto que resolvi apresentar minha alegria aceitando o que ele falou tão clara e inspiradamente. Muitas vezes fiquei desapontado por não haver nenhuma reação ao que foi dito ou apresentado. Gostaria de aproveitar a oportunidade para convidar o amigo José Batista para participar conosco mais frequentemente desta jornada dos sertanejos ausentes, matando as saudades relembrando o que foi e o que hoje restam apenas as lembranças.
Quanto mais falarmos sobre qualquer tópico da vida sertaneja, mais aprendemos, pois muita coisa não está na nossa lembrança. Vejo esta pagina como um ponto de encontro entre amigos, sem nenhuma pretensão. A conversa fica mais gostosa com a participação mais frequente dos conterrâneos de boa vontade com suas experiências pessoais da vida sertaneja.
Vossa contribuição é de valor inestimável.
Até a próxima.

Zezé de Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 9-Fevereiro-2018 / 22:52:42
Caro Fernando Pires, o acesso ao MURAL do 'Afogados da Ingazeira, Ontem & Hoje', continua uma alegria e satisfação, por nos proporcionar tantos contatos e conhecimentos, mesmo, virtuais, nessas crônicas e comentários que nos mostram, cada dia mais, com novidades ou reminiscências, algumas delas, com um leve empurrão às vivências de infância.
Outras vezes, a beleza de suas mini crônicas, nos leva de volta a caminhar sobre velhos e enferrujados trilhos da popular 'Gretueste", nome comprido como os próprios trilhos: - "The Great Western of Brazil Railway Company Limited.
O Zezé de Moura e Carlos Moura Gomes, nos levam às canções do Gonzagão, que cantava: - " ...Coisas qui prá modi vê, o Cristão tem que andá a pé." A canção é 'Uma Estrada de Canindé": Os pais dela, além do Gonzagão, Zé Dantas ou Humberto Teixeira.
Que os amigos colaboradores, não deixem de relembrar e de nos transmitir o que pensam de Pombas-de-arribação, de Cândido MARIANO RONDON, da Trilha da Cascavel e seu Embuá de Ferro.
Se José de Alencar fosse vivo, certamente convidaria Gonçalves Dias, para conversar com vocês e trazer mais 'coisas' bonitas para a compor o Mural.

Que o Senhor os abençoe, hoje e sempre.

José Batista do Nascimento <batista.inga@globo.com,>
Recife, PE Brasil - 6-Fevereiro-2018 / 12:03:08
Fomos informados do falecimento de dona Ivone, 90 anos, esposa do dr. Aloísio Arruda, ocorrido ontem, no Hospital UNIMED, no Recife.
Ao Dr. Aloísio e filhos, nossos sentimentos.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 1-Fevereiro-2018 / 12:55:06

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Janeiro-2018 / 12:56:48

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 23-Janeiro-2018 / 11:39:21


A missa de sétimo dia de Érika Pires será realizada nesta segunda-feira 15, às 19h, na capela do Colégio Salesiano.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 15-Janeiro-2018 / 8:46:30
O fantasma das enchentes

Não é nenhuma novidade que um responsável e bem elaborado planejamento sobre desenvolvimento urbano, está diretamente vinculado ao progresso de quaisquer territórios. Logo, o gestor que consegue enxergar o futuro com olhos de lince, certamente não encontrará dificuldades para vencer os presumíveis obstáculos.
Infelizmente, por vários anos consecutivos, a Defesa Civil de Santa Catarina informa, novamente, que as chuvas já atingem violentamente 20 importantes cidades daquele estado capixaba com o Rio Itajaí-Açu inundando ruas e casas. Essa angustiante situação, que poderia ser evitada, já acontece desde a última quarta-feira, dia 10.01, deixando várias famílias desabrigadas, 1.400 pessoas somente na capital, Florianópolis. O IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, diz que entre os anos de 2008 e 2012, quase 2 milhões de seres humanos foram prejudicados pelas enchentes em todo o Brasil.
O Nordeste brasileiro, também sofreu com as enchentes de 2010 e 2011, onde vários rios transbordaram, invadindo 67 cidades de Pernambuco. A Secretaria Nacional de Defesa Civil identificou 37 vítimas fatais, 53 mil desalojados e mais de 2 mil quilômetros de estradas completamente danificadas.
Lamentavelmente, todas essas regiões foram visitadas por autoridades que repetem as mesmas mentiras, evidenciando claramente a falta de compromisso e vontade política.
Uma competente e corajosa arquiteta, registrou em sua monografia de doutorado que "... no Brasil há soluções técnicas viáveis mesmo se considerarmos essa herança histórica de ocupação informal do solo. Mas não há solução enquanto a máquina de fazer enchentes não for desligada."
Esperançosamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Recife, PE Brasil - 12-Janeiro-2018 / 18:11:48
Faleceu nesta terça-feira, às 14h20, de infecção generalizada, no Hospital Português, aqui no Recife, minha prima Érika Pires, aos 42 anos de idade (1975-2018).

Era filha de Josely e Dária Pires (em memória).
Deixa esposo e um filho adolescente.

Fomos informados que, por questão de segurança, o local do VELÓRIO foi alterado: está previsto para as 20h, na 'Funerária Rosa Master', em frente ao cemitério de Santo Amaro. (Recife,09.01.2018)
________________________________________
O SEPULTAMENTO será realizado nesta quarta-feira 10, às 15h (3 da tarde), no Parque das Flores. (10.01.2018)



Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 9-Janeiro-2018 / 16:46:31

A sabedoria da natureza
Um dos pioneiros de como lidar com as matas e, consequentemente com seus habitantes foi o General Cândido Rondon. Indicado para o Prêmio Nobel da Paz, em 1957, pelo êxito obtido em missões ambientais. Mesmo sendo recebido, em alguns momentos, com violência pelos índios, jamais usou de sua “força militar” para concluir a complicada tarefa de tornar a floresta um território de todas as raças.
Nessa segunda-feira, 25 de dezembro de 2017, tivemos a felicidade de conhecer parte do percurso que compreende a Trilha da Cascavel, sobre os velhos e depreciados dormentes, onde por muitas vezes passou o “Imbuá de Ferro”, vindo de Recife com destino a Salgueiro. São quatorze quilômetros entre o distrito de Russinhas e o centro de Gravatá, no agreste pernambucano. Não tive mais dúvidas que a natureza está diretamente ligada ao Criador do Universo. Foi emocionante! Vale destacar a iniciativa do líder comunitário Neguinho de Zé de Lora que, numa ousada e corajosa ação, junto a ONG Amigos do Trem, “ressuscitou”, com recursos e esforços próprios, aquele trecho transformando-o em um agradável Passeio Ecológico.
Estou convicto que esses exemplos servirão de combustível para estimular toda uma geração que contribui para a continuação da espécie humana na terra. Afinal, “ A sabedoria da natureza é tal que não produz nada de supérfluo ou inútil.”
Ecologicamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 26-Dezembro-2017 / 18:46:32

Feliz Natal e Ano Novo cheio de Alegria e Bênçãos Celestiais,
são os nossos votos a todos.


Domingo 17 foi apresentado o último dos seis concertos tradicionais da época de Natal. Foi de uma beleza sem par, como sempre, apresentando coral de 100 vozes, acompanhado pela orquestra grupos de membros da nossa Igreja; solistas de alto calibre, e um grupo de umas 80 crianças, que prenderam a nossa atenção ao glorificarmos o nascimento do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador.
Sou membro de Grace Community Church há mais de 20 anos, e anualmente assistimos o concerto Natalino. É algo que eleva nosso Espírito, glorificando e louvando ao Senhor Deus Pai e o Seu Filho Jesus Cristo.
Lembro-me do Natal em Afogados da Ingazeira, que apresentava a novena, e depois tínhamos fogos de artifício e um balão grande na frente da Igreja, que encantava a todos nós. Era um evento que se repetia por 9 noites, embelezando nossas vidas, quebrando a monotonia daquela época, e nos entusiasmando com as festas natalinas.
Fui parte das festividades com entusiasmo. Havia também a participação da Banda Musical que promovia o nosso entusiasmo com as músicas que apresentadas. Lembro-me de haver acompanhado a banda que costumava aparecer ao meio-dia marchando entusiasticamente pela rua, e a garotada acompanhando. Era um ambiente eufórico que se repetia pela semana.
Estas recordações mantenho guardadas na minha memória, com carinho, e às vezes transmito aos meus netos que gostam de ouvi-las.
Aos amigos e parentes, abraços e um Feliz Natal, 2017.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 21-Dezembro-2017 / 23:54:51

Meu Bom Jesus,
olhai as crianças do nosso Brasil!


O poeta Casimiro de Abreu descreveu em sua obra "Meus oito anos" a inesquecível experiência que viveu quando criança. Disse o romancista: "Oh! que saudades que tenho / Da aurora da minha vida, / Da minha infância querida / Que os anos não trazem mais! / Que amor, que sonhos, que flores, / Naquelas tardes fagueiras / À sombra das bananeiras, / Debaixo dos laranjais!”.
Porém, muitas crianças jamais tiveram essa sorte e felicidade para contar sua história. Temos uma grande parcela de responsabilidade, por isso não podemos cruzar os braços, caso contrário, outras tantas almas inocentes terão a mesma infeliz e injusta condenação.

Não precisa ser nenhum especialista para saber que toda criança merece ser feliz. Só que para oferecermos os meios necessários, alguns gestos e ferramentas são indispensáveis, como por exemplo, o amor que é, sem dúvida, o alicerce para todos os seres; a criança, também, tem que confiar em alguém e essas pessoas são as mais próximas desses pequeninos; o ser humano tem o direito de ter uma família, mesmo que não seja de origem biológica; a ausência desses ingredientes pode comprometer seriamente a qualidade dessa especial e mágica fase da vida. Provavelmente, pensando nessa triste possibilidade, foi que em 1961, aconteceu o Decreto 50.912, assinado pelo então Presidente da República, Jânio Quadros, determinando em seu Artigo Único que "Fica instituído o Dia do Órfão, que será comemorado todos os anos, a 24 de dezembro."

Segundo dados oficiais da UNICEF, mais de 4 milhões de órfãos, só no Brasil, aguardam, não apenas nesse 24 de dezembro, mas a qualquer tempo por um abraço fraternal. São criaturinhas que por motivos alheios e diversos, jamais conheceram o carinho e o afeto de um lar.

No versículo 19 do Livro de Matheus, Jesus disse: "Deixai vir a mim as criancinhas, não as impeçais, pois o Reino dos céus pertence aos que se tornam semelhantes a elas". Então, seguindo as orientações do Mestre, esperamos que nessa época natalina, onde a comunidade cristã costuma intensificar sua fé e seu sentimento religioso, lembre desse público tão carente e ingênuo e, num gesto de profunda solidariedade, construa motivos para que, juntos cantemos a bela súplica popular "Criança feliz, / Que vive a cantar / Alegre embalar / Seu sonho infantil / Ó meu bom Jesus, / Que a todos conduz / Olhai as crianças do nosso Brasil!"
Sensivelmente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 20-Dezembro-2017 / 16:02:28

Alienados, um desastre mundial!

Um indivíduo alheio aos acontecimentos é como alguém que dorme profundamente durante um longo período. É um perigoso sono! É semelhante a quem produz algo sem saber sua real utilização. Os alienados são como folhas levadas pelo vento aos mais estranhos e distantes lugares.
Uma das principais fontes que contribuem para essa triste realidade é uma boa parcela de mercenários que dominam os meios de comunicação editando e “escolhendo” quais matérias serão divulgadas. Infelizmente, esquecem a ética, prevalecendo a "conveniência" dos patrocinadores.
O que realmente interessa pra esse pessoal são os índices de audiência, mesmo que para isso necessite de "misteriosas alterações" em sua grade de programação. Hoje, muitos jornalistas já mostram claramente imensa dificuldade em noticiar apenas a verdade, atrofiando o já frágil crescimento político e sociocultural do público.
Gostaríamos que a mídia, repercutisse com maior atenção as premiações, por exemplo, do prêmio Nobel de Medicina 2017, ganho por Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Yong; esses três americanos desenvolveram pesquisas sobre o funcionamento do relógio biológico interno dos seres vivos; torcemos para que essa mesma imprensa fale sobre o Nobel da Paz 2017, ganho pela ICAN, uma organização não governamental, com cerca de 100 países, que defendeu o desarmamento gradual das, aproximadamente, 15.000 armas nucleares em poder das grandes potências.
Assim, quem sabe essa dominada plateia não repetiria os 77 por cento dados à novela Selva de Pedra, de Janete Clair, em 1972 e audiência igual para assistirem o capítulo final da novela América, de Glória Perez, em 2005, onde aguardavam, pasmem, o tão esperado beijo entre os atores Bruno Gagliasso e Erom Cordeiro.
Será que as instituições tradicionais estão perdendo todo o seu potencial para combater os poderosos da mídia? Afinal, o que vemos hoje é uma escola que não ensina uma igreja que não catequiza e um punhado de partidos políticos fazendo “besteiras”.
Caso não nos manifestemos, seremos condenados por nossos filhos e netos a pagar um preço muito caro, porque como disse Renato Russo "A juventude está sozinha / Não há ninguém para ajudar / A explicar por que é que o mundo / É este desastre que aí está."
Conscientemente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 18-Dezembro-2017 / 22:05:02

As Fotos

Oi Fernando, foi uma agradável surpresa receber as 14 photos da nossa visita a Afogados da Ingazeira em jun/2016. Nelas estão Zorilda, minha sobrinha, meu Neto Ian, você, Fernando, e eu. Foram tiradas em Sanharó, num ponto de vendas de queijos e doces (LACA). É um local bonito e até elegante onde paramos pra espichar as pernas e atender o chamado da fome. Havia uma grande variedade de doces e salgados bem como café e refrigerantes que devoramos com entusiasmo.
As três moças que nos serviram eram jovens muito bonitas, elegantes e graciosas. As fotos me transportaram novamente para o que significava, momentos agradáveis da minha visita no sertão. Foram momentos preciosos para eu poder rever a cidade onde nasci e vivi até os meus 18 anos; revendo pessoas que foram parte da minha vida, lugares que visitei com carinho, bem como andar por aquelas ruas onde brinquei fazendo represas durante a época das chuvas.
Meu neto Ian me acompanhou durante toda a viagem e ficou impressionado com o vai e vem. Visitar as diversas partes novas da cidade foi fantástico; são cidades dentro da cidade. Fernando nos levou a ver o novo prédio para assistir os pobres e idosos (ASAVAP), e fiquei encantado com o que vi, mas, isso prova que não há nada como ver ao vivo, pois eu conhecia pelas fotos na internet que Fernando enviava durante a construção. Isto é uma prova de que se nos juntarmos num objetivo, seja qual for, teremos bons resultados. A união faz a força.
Que o Senhor nosso Deus seja louvado, por nos haver dado pessoas de boa vontade que ajudaram de um modo ou de outro na realização daquela obra de caridade. Louvado seja o Senhor Deus!
O que achei "legal" foi os moradores da Av. Rio Branco fazerem uma festinha (no período junino) na calçada em frente de suas casas, convidando os vizinhos para participarem. Ótimo exemplo de sociabilidade.
Fomos a visitar minha prima Terezinha Moura, que reside na casa onde nasci e me criei, e onde fui residente por 18 anos. Fiquei muito satisfeito de ver a filha do meu saudoso tio Geraldo ser a atual proprietária daquela casa que chega a ser histórica para mim. Tenho muitas recordações de rir e de chorar. Um dia eu conto.
Foi realmente um reencontro agradável que reafirmou nossos sentimentos de amizade. Tive a oportunidade de conhecer alguns da sua prole. Que o Senhor vos abençoe.
Tais fotos entrarão no meu álbum de recordações.
No dia seguinte fomos visitar Riacho Fundo, na Ingazeira, onde moravam minha irmã Firmina e seu esposo Julio Bento; ambos já partiram para a eternidade. Que o Senhor Deus os tenham no seu seio. Lá reside Rosilda minha sobrinha. Tivemos uma boa recepção naquele local; visitamos as construções de um açude, que me impressionou verdadeiramente. É bom ver o desenvolvimentos produtivos com uma represa no sertão; é algo de nos deixar de boca aberta. No final da tarde voltamos para Afogados para dormir e descansar, pois pela manhã retornaríamos para o Recife.
Foi uma boa aventura para um velha guarda. Agradeço ao Senhor Deus pela bênção!
Até breve.

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 13-Dezembro-2017 / 23:07:21

Arribaçã (ou Juriti)

Sou um amigo das coisas naturais, da natureza e tudo relacionado. Quando compramos nossa casa, fiquei encantado pelo fato de que tem um espaço grande com muitas possibilidades. A casa está no centro e há espaço para construir mais seis, no entanto o que mais me atraiu foi o fato de que me senti como no sertão, um bom numero de animais tais como esquilo,'Possons' e pássaros em quantidades tais como papagaios e outros que diferem em cores e beleza de acordo com a estação do ano; fiquei encantado estava no paraíso.
O que me atraiu mais foram as Juritis; elas vêm sempre em pequenos grupos consumindo a comida que lhes são servidas diariamente: uma mistura de sementes que adquiro em sacos de 25 libras, ou aproximadamente 12 quilos. Juritis são velhos amigos. Meu primeiro contato com esses belos espécimes de Arribação aconteceu em Riacho Fundo, onde residiam minha irmã Firmina e seu esposo Julio Bento, onde fui visitá-los várias vezes.
Numa dessas visitas, um rapaz que trabalhava no local sugeriu que iria caçar Arribacã, minha irma lhe pediu que me levasse com ele. Nessa época eu estava 9 ou 10 anos de idade. O matagal estava verdejante, sinal de que a seca havia passado. Nos aproximamos em uma das árvores frondosa e com bastante cuidado nos infiltramos em baixo daquela bela amiga. Percebi então que havia um grande número de aves abrigadas e fiquei encantado. O rapaz calmamente apontou a espingarda e puxou o gatilho e as aves desapareceram num grande 'rururu', menos dois que foram atingidos. Quando era hora de voltar tínhamos umas 8 ou 10 Juritis pra comer.
Hoje elas estão safe e sound (sãs e salvas), pois aqui não e permitido caçar animais selvagens, sem autorização, das 3h da tarde até o escurecer. É um deleite recebê-los diariamente e ver como eles apreciam o alimento doado. Eles mantém a habitualidade, sempre no horário estabelecido. Ontem chamei minha esposa e pedi para que ela tirasse algumas fotografias para memorizar tão belo cenário. O grupo de Juritis é fabuloso, muito bonito.
Duas árvores, com mais de 60 anos, de 10 e 15m de altura, já mortas, são o ponto favorito para esse grupo de visitantes. Recusei cortá-las, porque elas oferecem um recanto agradável aos amigos Juritis, como se veem na foto.
Eles começam a chegar a partir das 15h, vindo de diversas direções e os recebo de bom grado. Na varando sento-me na cadeira favorita e fico a observar a chegada das belas Juritis. que chegam em pares ou mais. De repente os galhos secos da árvore morta estão completamente lotados de Juritis que ali ficam se aquecendo com o calor do sol da tarde saboreando a comida servida. Dirijo-me para o local costumeiro e espalho as sementes que normalmente os presenteio. Eles usam precaução, mas, quando estão certos que não há perigo, começam a descer e devorar toda aquela variedade alimentícia. Às vezes eles vêm um a um e de repente descem todos ao mesmo tempo, quase que num alvoroço pra não ser deixado pra trás. Em alguns momentos contei mais de 100 aves subindo e descendo. É realmente um momento de grande alegria pra mim e pra minha esposa.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 7-Dezembro-2017 / 22:35:35

Anísio Macena de Lima
07.01.1919 - 20.11.2017

Prestes a completar 99 anos de idade, faleceu em Afogados da Ingazeira o antigo comerciante Anísio Macena.
Durante anos, diariamente saía da sua casa, na Gustavo Fitipaldi, levando uma cadeira para se sentar na calçada da catedral, todas as manhãs, tomar um solzinho e conversar com os amigos.
Aos familiares, nossa solidariedade.

______________________________

Filho de João Macena de Lima e de Quitéria Macena de Lima, nasceu em 20 de novembro de 1919 no distrito de Ibitiranga (Boa Vista), do Município de Carnaíba/PE.
Passou a infância e juventude naquele distrito. Seu trabalho, desde a juventude, foi na agricultura. Em 1947 enveredou no comércio de estivas.
Em 30 de setembro de 1947, quando contava 28 anos de idade, se casou com Romana Vieira, na Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios, em Afogados da Ingazeira. O celebrante foi o padre Antonio de Pádua Santos. Dessa união tiveram 4 filhos: Renato e Luiz (em memória), Roberto, Robério, Vera Lúcia e Gustavo (em memória).
Seu Anísio, sorrindo, disse que se casou com Romana só porque lhe deu um beijo e, naquela festa onde ocorreu esse fato, ela passou todo o tempo 'aperreada' porque os comentários iriam existir, ficaria 'falada', e os seus pais iriam saber do ocorrido.
Desde que enviuvou viveu em companhia da única filha mulher.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 1-Dezembro-2017 / 12:56:37


_________________________________

A volta da Asa Branca...

Oi Fernando, gostei muito de ouvir novamente a Volta da Asa Branca, se bem que desta vez o acompanhamento foi por orquestra sinfônica. O cantor,um ótimo interprete, mas pra mim faltou o Luis Gonzaga e sua sanfona. Claro que isto é saudosismo puro e simples.
Observei que a orquestra era na sua maioria composta de jovens, bem jovens e isto e um bom sinal: quer dizer que teremos as novas gerações desenvolvendo sua capacidade musical para o entretimento de gerações futuras com toque do sertanejo. De qualquer modo ouvi e cantei muitas vezes esta joia da música sertaneja cheia de saudosismo.
O que gostei imensamente foi ouvir a música sertaneja se projetando num planalto diferente, mas apresentando sua beleza sem par: "Já faz três noites que pro norte relampeia, e a Asa Branca ouvindo o ronco do trovão, já bateu asas e voltou pro meu sertão...”. Igual à Asa Branca, nós todos gostaríamos de ter esta opção, no entanto sabemos que está longe da realidade. Faz-nos bem, no entanto, sonhar e reviver o passado que se foi na fumaça do tempo...
Até breve

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 30-Novembro-2017 / 17:07:04


______________________________________

O Circo do Palhaço Facilita

Quem tem mais de 50 anos, se recorda muito bem. Esse palhaço deu o que falar na cidade de Afogados da Ingazeira como principal atração do circo. As crianças, os jovens e adultos esperavam ansiosos a hora do espetáculo do circo MÁGICO NELSON.

Paulo Marinho <paulomarinhofm@gmail.com>
Recife, PE Brasil - 28-Novembro-2017 / 22:48:18

Sebastião Alves Feitosa (1941-2017)

Faleceu, ontem, em Caruaru, onde residia com a família, o primo 'BASTO', músico que durante muito tempo atuou nos festejos afogadenses juntamente com Dino, Coligado e outros.
Aos familiares, nossas condolências.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Novembro-2017 / 20:20:20


______________________________

Chuva de honestidade

Oi Fernando, estou ouvindo pela milésima vez este trio de sertanejos cantando para uma audiência ao ar livre e fico encantado cada vez que aperto o botão “play”.
Tive que ouvir muitas vezes pra chegar a compreender os versos expressando o desejo do poeta: “só quero chuva de honestidade molhando a terra do meu sertão”. Esta frase me faz ficar arrepiado só em pensar o que esta sendo pedido. Parece ser tão natural e normal o pedido, no entanto nos dá uma tristeza muito grande ao saber que esse pedido é uma velha aspiração que gerações passadas gritaram com o mesmo entusiasmo pedindo chuvas de honestidade, isto é que me traz a realidade e fazer a pergunta: “até quando?”
O show em si é muito bem apresentado, e a performance não deixa nada a desejar. Que dessa vez haja positiva resposta ao apelo.
Tenho uma questão para o amigo Fernando: "Em que local foi esse show?" Minha percepção me faz pensar que foi em Afogados da Ingazeira, e a razão é simples: se observarmos a foto, do lado direito está a parte lateral do que me parece ser parte da catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios.
Muito obrigado por sua gentileza.
Ate a breve

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 24-Novembro-2017 / 11:53:50

Consciência negra e a injustiça social

O Artigo 179 da nossa primeira Constituição, assinada por D. Pedro I em 1824, dizia no item 9 que “A lei será igual para todos...”. Cento e sessenta e quatro anos depois, em nossa oitava e atual Carta Magna, ficou ratificado em seu “Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza...”
O “Regime do Anistiado Político”, estabelece dentre outras vantagens, indenizações a presos políticos por danos sofridos durante, principalmente, o período conhecido como “ditadura militar”, compreendido entre os anos de 1964 à 1985, onde o Brasil foi governado por oficiais do exército.
Lembramos que ninguém foi mais privado de sua liberdade, aqui no Brasil, do que os negros. Sofreram as mais terríveis torturas e humilhações. Ora, se “Todos são iguais perante a lei”, cabe, inquestionavelmente, aos descendentes dos que tombaram sem vidas nas senzalas e campos de trabalho forçado, igual tratamento, inclusive com todos os direitos e vantagens que manda e determina a lei 10.559 de 2002.
Esse povo, os negros, passou mais de cem anos na escravidão, e mesmo após a dita “abolição da escravatura”, foram jogados à rua sem nenhuma indenização nem perspectiva de integração social.
O mais importante membro da resistência negra em tempos do Brasil Colônia, Zumbi, aos 40 anos, foi traído por um companheiro e morto numa covarde emboscada em 20 de novembro de 1695. Em reconhecimento a luta do líder do Quilombo dos Palmares, nesse dia comemora-se o Dia da Consciência Negra, não apenas pela comunidade afro, mas por todos os brasileiros e brasileiras que exigem e lutam pelo respeito, pela igualdade e, sobretudo pelo cumprimento das Leis. O valente guerreiro, Zumbi dos Palmares, dizia sempre aos seus irmãos quilombolas, índios e brancos que “É chegada a hora de tirar nossa nação das trevas da injustiça social.”
Orgulhosamente,
CARLOS MOURA GOMES

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 18-Novembro-2017 / 10:19:02

EDIVAL FREITAS DA SILVA
13.09.1937 - 13.11.2017

Missa de 7º dia em 21.11.2017 (terça-feira), na matriz de Casa Forte, no Recife.
O falecido era filho do sr. Fernando Simão (em memória).

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 16-Novembro-2017 / 20:53:37

Arroche o nó!

Oi Fernando, essa serie de fotos do nosso sertão no "Arroche o nó" (que você me enviou por e-mail) é muito pro meu deleite. São diferente fotografias apresentadas de maneira emocionante, os cenários que deixamos muitos anos atrás...
A primeira foto ressalta a cerca e porteira de varas secas, que era o normal naquela época, sendo parte do cenário de desolação do nosso sertão. É uma lembrança doce-amarga que não sabemos se devemos rir ou chorar. A outra é um contraste muito grade, mostrando a natureza verdejante numa época de chuvas e uma casa no meio de tudo isto. Nada pode representar a realidade melhor do que a maneira como é apresentada. Fui parte desses cenários muitas vezes; hoje resta-nos apenas a saudade...
Outra coisa que é muito do meu agrado é ouvir e a maneira bela sem igual que o poeta repentista descreve esses cenários e fatos, nos relembrando as ocorrências com tanta beleza e amor. O poeta repentista é acima do normal, é fantástico e nos deixa abismados pelo fato que ele faz o que gostaríamos de fazer: uma descrição envolvente dos fatos do sertão.
Outra foto muito do meu agrado, por sua significação, é ver a mulher sertaneja carregando a lata d'água na cabeça. Cenário conhecido pelo Brasil afora 'Lata d'água na cabeça, lá vai Maria, lá vai Maria...'. Cantei muito esses versos de carnaval. Muito antes do carnaval isto era o cenário mais comum no nordeste.
As mangas deliciosa e os cajus suculentos nos dizia que a seca havia passado e a abundância havia retornado. O por do sol era uma pausa nos labores diários , um adeus á luz do dia e um alô ao candeeiro a querosene, e bater papo até o sono chegar.
Uma das melhores lembranças daquele período foi a semana que passei em Saco dos Queiroz, residência do Sr. Manoel Ferreira, amigo do meu pai, que me permitiu passar uma semana naquele rincão belíssimo. Um dos vizinhos, que era cunhado do Sr. Manoel Ferreira, era um senhor cujo nome não estou certo, no entanto direi que se chamava Tibúrcio. Ele era um contador de 'histórias'. Eram contos que sempre apresentavam temas de moral, sabedoria, ou humor. E às vezes todos os temas. Aquela visita foi a que mais me agradou e ficou bem gravada na minha mente, agradecendo sempre a Deus pela graça de haver conhecido aquela família tão amiga e boa, a Família do Sr. Manoel Ferreira.
Até a próxima...

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 15-Novembro-2017 / 18:46:38

Esse país é nosso!

Acredito que essa nossa geração sexagenária nunca presenciou tantas irregularidades praticadas por governos corruptos e irresponsáveis. Sabemos sim, que a corrupção é antiga e tem uma incrível capacidade de contaminação, igual ou mesmo superior ao mais resistente vírus, causando males, muitas vezes, irreparáveis. É traiçoeira e perigosa. Daí a importância de estarmos sempre vigilantes, usando todas as forças e meios disponíveis para combatê-la e, se possível, destruí-la definitivamente, dando espaço para a justiça e a verdade.
A República do Chade, situada ao norte da África, com aproximadamente 11 milhões de habitantes, a maioria de origem muçulmana, é o país mais corrupto do mundo, segundo levantamento do Fórum Econômico Mundial.
E o Brasil? Bom, o nosso Brasil fica bem próximo. Recebe a “medalha de barro”, ocupando o quarto lugar no pódio da vergonha. Atrás apenas da Bolívia, Venezuela e do próprio “campeão”. Campeão de fraudes e desvios de verbas públicas. Infelizmente, estamos falando de corrupção, a pior doença na esfera política.
Dados oficiais da Receita Federal mostram que nos últimos três anos as solicitações de saídas definitivas do Brasil, incluindo profissionais das mais variadas áreas, tiveram um aumento na ordem de 81%, referente ao período anterior da operação “Lava Jato”.
É mister, ou seja, necessário, que mulheres e homens dessa antiga terra de Vera Cruz, “ponham em prática o poder da democracia para combater as nulidades, sobrepor-se à desonra, revoltar-se diante das injustiças e arrancar o poder das mãos dos maus”. Assim, respeitando, porém discordando dos célebres escritos do Águia de Haia, quando afirma que “o homem chega a ter vergonha de ser honesto”, entendemos que se nas próximas eleições escolhermos representantes dignos de nos representar, os futuros eleitos irão sentir e praticar o valor da virtude, o respeito à honra e o orgulho da honestidade.
Esse país é nosso!

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 14-Novembro-2017 / 18:35:26

Inclusão, atitude dos fortes!

Nenhum país é feito apenas de uma única língua. No Brasil, por exemplo, estima-se que haja, aproximadamente, 210 formas de se comunicar. A Libras, a Língua de Sinais, é uma delas e é praticada, principalmente, por deficientes auditivos. Dom Pedro II fundou, em 1857, a Imperial Instituto de Surdos Mudos, essa seria a primeira escola do gênero; atualmente funciona como Instituto Nacional de Educação de Surdos, na cidade do Rio de Janeiro.
Lembramos que a perda parcial ou mesmo total da audição, não caracteriza o fracasso do ser humano. A bela Hale Berry, vencedora do Oscar; o ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton; o gênio da música clássica, Ludwig van Beethoven; o vocalista, sim, o cantor da banda irlandesa U2, Bono Vox e a atriz brasileira, Maria Otávia Cordazzo, da novela “Tempo de Amar”, são famosos e conseguiram vencer em suas determinadas carreiras, mesmo com seus comprovados problemas auditivos. A redação do Enem 2017 foi sobre os “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. Coincidentemente, dentre os 77 ferinhas que obtiveram a nota máxima, um é Bernardo Manfredi, surdo de apenas 20 anos, provando que nenhuma deficiência é obstáculo para impedir que os sonhos se tornem realidade.
Enquanto parabenizo a equipe do Enem pela feliz escolha do tema, faço meus os questionamentos do professor Jackson da Mata, indagando em alto e bom som: “até quando os métodos programáticos que promovem a exclusão dos menos favorecidos intelectualmente, serão ferramentas básicas persistentes na educação? Em muitos casos, negativos, os ensinos nas escolas têm gerado não a educação inclusiva, mas a competição, a discriminação exclusiva”. A todos os que enfrentam dificuldades com referencia a qualquer dos cinco sentidos, fica minha solidariedade e meu compromisso como cristão de fazer parte desse valente exército, até porque “desistir é opção dos fracos, insistir é atitude dos fortes”.

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Gravatá, PE Brasil - 7-Novembro-2017 / 16:10:25
Reencontro

Oi Fernando, fiquei bastante surpreso ao ler as notícias sobre o velho rincão, Afogados da Ingazeira, especialmente quando entre vários nomes lá está mencionado o nome da minha querida mãe Aurora de Azevedo Lopes, professora primária estadual, anunciando sua confirmação no cargo. Eu estava com mais ou menos dois anos de idade quando os fatos aconteceram,por esta razão eu não sabia dos detalhes, mesmo assim fiquei muito alegre ao tomar conhecimento do noticiário.
Fiquei recordando meu tempo de criança, da escola que era localizada na sala da nossa casa, da alegria natural das crianças contemporâneas e chorei, não de amargura, mas de gratidão e amor do que passou, e das memórias.
Mais abaixo vieram outras notícias que também trouxeram boas recordações: os natalícios de duas pessoas muito importantes para mim: Dr. Fausto Campos e Maria do Carmo Veras. Dr Fausto era um homem de boa índole e o seu filho mais novo era da minha idade e chamava-se Aquiles; éramos amigos.
Quando eu já estava na Escola de Aprendizes Marinheiro tive um encontro com Aquiles na ponte Duarte de Macedo; estávamos indo em direções opostas e eu o reconheci. Falamos brevemente e continuamos com nossa andança. Foi a ultima vez que nos vimos.
Maria do Carmo Veras, era uma moça muito bonita, de uma voz agradável e jovial. Os pais dela eram meus padrinhos de batismo e eu gostava muito deles. Quando veio o período Joanino, meu pai comprou madeira para fazer a fogueira. Na data apropriada, a fogueira estava abrasada, o barulho das roqueiras, “Peido de Véia” e muitos outros fogos de artifício, vieram umas moças a passear e param para observar o fogaréu. Estabelecemos uma conversa amiga sobre o fogo, e de repente me veio a ideia: "voce gostaria de ser minha madrinha de São João?" Trocamos algumas palavras e ela finalmente respondeu afirmativamente; fiquei muito feliz, pois agora eu tinha uma desculpa para conversar com a bela jovem.
A última vez que nos vimos foi num encontro ocasional, na rua Nova, no Recife, que naquela época era o grande centro comercial. Ela estava em companhia de outras moças que quando me viram vieram me cumprimentar e perguntar o eu fazia em Recife. Foi nosso ultimo contato.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 1-Novembro-2017 / 17:13:48

Memórias afetivas de Fátima Brasileiro

Fátima Brasileiro é farmacêutica e atua como Assessora Técnica em Saúde no Consórcio dos Municípios de Pernambuco, que foi criado sob a coordenação da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe). Ela reside no Recife há 42 anos, mas nunca esqueceu as vivências da infância e adolescência no Sertão. Mais precisamente em Afogados de Ingazeira, município localizado a 386 quilômetros do Recife, no qual realizou os seus primeiros estudos. Mas foi no Sertão, também, que ouvia as histórias de mitos não tão distantes como os cangaceiros, que chegaram a invadir a casa dos seus avós, deixando em desespero toda a família que até hoje faz relato oral dessa história, sobre fato tão comum na caatinga do início do século passado.

Fátima preferiu partir para o registro, não só sobre os lendários bandidos que tomaram de assalto a casa dos avós, em Carnaíba, como também das lembranças que vivenciou em Afogados de Ingazeira, onde fez as primeiras amizades, conheceu o amor, participou das festas de rua, das cerimônias religiosas (como as procissões), dos pastoris. Foi ali, também, que sentiu o flagelo da seca, e alegria de ver o Rio Pajeú com o leito caudaloso, durante uma enchente. Depois que a água baixou, as suas margens viraram uma praia, para os moradores da cidade.

Todas essas vivências fazem parte do livro Memórias Afetivas, que Fátima Brasileiro vai lançar, às 18h do próximo sábado, na Praça Monsenhor Arruda Câmara, em frente à Catedral, onde ocorre a terceira edição da Feira de Empreendedorismo de Afogados de Ingazeira. “Memórias Afetivas” aborda com lirismo e em clima saudosista o Sertão do século passado. O Sertão dos velhos casarões, dos grandes quintais (com fruteiras), das rendas de bilros (feitas pela avó), do gado, das encantadoras viagens de trem da autora, durante a infância. Fátima conta, ainda, as desilusões amorosas da adolescência, o sonho de ser baliza, histórias de costumes e fatos do Sertão.

Um dos mais deliciosos relatos da autora é o capítulo As cheias do Pajeú, tanto em Carnaíba quanto em Afogados de Ingazeira. Nesse município, em 1967, “o rio ultrapassou o leito e invadiu a Avenida Manoel Borba, numa correnteza de assustar”. Ela lembra que as casas ao lado do rio “foram totalmente tomadas pela água, que alcançou o outro lado da rua”. Mas relata a surpresa que veio a seguir. “Passado o susto, uma novidade. A areia trazida pela água formou uma faixa imensa, por um mês ou quase. Afogados, a quase 400 quilômetros do litoral, agora tinha praia”, conta. “A juventude estilosa, de óculos de sol e lenço na cabeça, aproveitava para passear, jogar bola, se divertir. A areia era muito branca, um presente para o Pajeú. Famílias inteiras fazendo piquenique, caminhada, tomando banho”. Ou seja, uma verdadeira praia, em pelo Pajeú. Fátima é gente, é quem.

(Letícia Lins, jornalista)

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 17-Outubro-2017 / 22:33:25


Aquarela do Brasil - A música é uma das expressões mais belas que temos na sociedade humana, e a Aquarela do Brasil é verdadeiramente ímpar. Traz-me as lembranças de outrora com o excitamento de ouvir pela primeira vez a Aquarela do Brasil no piano com Tyrone Powel. Não me recordo do nome do filme, mas a música sim, é inesquecível. Não tínhamos Rádio, e a difusora Pajeú o substituía.
Com todas as facilidades que temos hoje, é difícil fazer as novas gerações acreditarem que houve um momento no tempo em que comunicação era privilégio de alguns, mesmo assim uma lembrança agradável e um deleite.
Na minha percepção, os cubanos contribuíram bastante com seus maracás na formação fabulosa desse musical tão bonito. Mais uma vez tenho que agradecer ao Fernando o envio desses vídeos.

Zezé de Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 17-Outubro-2017 / 6:52:55

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 13-Outubro-2017 / 21:53:42
[Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks