AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 1 a 30 do total de 4996 [Próximo]

Voluntários, dignidade para todos!

Por volta do século IV, um imperador romano estimulou a prática da “filantropia” como sendo uma das formas de ajudar as pessoas; era um gesto de caridade, já que esse termo de origem grega significava “amor à humanidade”. Um dos gestos mais nobres da filantropia é o voluntariado que observamos quando alguém oferece seus conhecimentos, seus serviços ou apenas sua experiência, exclusivamente, para contribuir com algo que traga benefícios a uma pessoa ou a várias pessoas, sem contudo receber nenhuma renumeração.

Grupos que apresentam situações de pobreza, fome, doenças, analfabetismo, desamparo familiar dentre outras, precisam sempre de ajuda e esse auxílio nem sempre é oferecido pelos poderes que deveriam amparar integralmente seus necessitados de acordo com nossa Constituição Federal.

Infelizmente, segundo o escritor e teatrólogo, Nelson Rodrigues, o brasileiro só é solidário na tragédia. Essa triste afirmação é ratificada pela Folha de São Paulo numa pesquisa onde apura que doações e serviços voluntários aparecem em sua grande maioria somente quando há catástrofes, como enchentes e secas do semiárido nordestino, porém para um comprometimento voluntário mais periódico essas forças e vontades se fragilizam misteriosamente.

Mesmo assim, lembramos o dono da Microsoft, Bill Gates, que é também um dos maiores filantrópicos e voluntários do mundo. Ele e sua esposa, Melinda Gates, já doaram mais de 30 bilhões de dólares para custear entidades pobres, principalmente as que cuidam de idosos e órgãos não governamentais que trabalham com pesquisas visando a erradicação de doenças nas populações mais carentes. Aqui em nossa querida Afogados da Ingazeira vale registrar o extraordinário empenho do Defensor Público, Dr. Luciano Bezerra, que numa corajosa e louvável ação voluntária convocou a população para contribuir com as obras da construção do Lar do Idoso, ainda com suas edificações em andamento.

É importante salientar que nenhum trabalho voluntário mede a grandeza do homem pelo tamanho da doação ou mesmo pela intensidade do seu envolvimento. A ação voluntária está em níveis de igualdade em todos os setores. Então, sejamos, pois, solidários com quaisquer movimentos ou projetos de voluntariados, inclusive nos alistando de corpo e alma, assim estaremos colaborando para que esse pequeno exército se multiplique gerando sonhos reais para milhares de pessoas que, muitas vezes, desejam apenas, o mínimo de dignidade humana.

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 31-Julho-2015 / 17:08:50
Sua página é um espetáculo.
Parabéns

Luciano Campos Henriques <camposhenriques45@gmail.com>
João Pessoa, PB Brasil - 28-Julho-2015 / 20:48:05
Caro FERNANDO PIRES, a inserção musical na sua homepage, nos animou bastante, sob dois aspectos: a seleção dos intérpretes e a escolha dos compositores. Requisitos cativantes dos mais exigentes comentaristas do ramo. Até mesmo os cronistas, chegados a ácidas observações, tornam-se suaves e 'maneiros', ao ouvir uma composição bem elaborada, inspirando o caminho traçado pela 'alma' e o coração do Poeta. Este sabe arrumar as 'letras' de tal forma, que o rude homem, passa a entender melhor a História, a Filosofia, a Ciência como tal e aproximar-se de Deus. Deste ponto em diante, as luzes e a linguagem serão outras: saberá que, se ainda não tiver, buscará sua outra metade, a Mulher. Este ser, capaz das mais sublimes inspirações, supridas pelo amor.

Cabe ao varão saber escolher e amar. O poeta também conta, que se a escolha falhar, terá gerado a mais brutal das decepções.

Os compositores e letristas, também são poetas. Dentre estes, encontramos aqueles que compõem no pentagrama e na pauta. Juntando tudo, do clássico ao popular, manifestam-se tantas e variadas preferências, complicadas como uma molécula de glicose: só a Química Orgânica explica. A "química humana" nem passa por aí.

Com esse novo arranjo inserido na home, certamente, alguém vai demorar mais tempo diante da telinha e com isso, vai entender, o supremo valor de um Cartola, Nelson Cavaquinho, Capiba, Humberto Teixeira e Gonzagão, Paulo Diniz (cosmopolita), Tom Jobim, Vinícius, Villa-Lobos, Guerra Peixe, tudo isto, contando raso. Digo assim, porque esse 'mundão' musical do lado de cá, também nos leva ao mundo de lá, entrando por alinhadas veredas, até chegar às estradas largas dos clássicos europeus, respeitando sem esquecer, o mestre CATULO DA PAIXÃO CEARENSE. Poeta maranhense, que nos ensinou a contemplar o Luar do Sertão e quase morrer de saudade, por aqui, inibido pelo concreto, de ver o Luar nascendo por detrás da serra no Sertão.

Largo a página, por aqui, prometendo voltar, para falar de compositores que fizeram apologia a Mulher, como Mário Lago e Sadi Cabral, Adelino Moreira, Agustin Lara, Ernesto Lecuona, Juaquin Rodrigo.

José Batista do Nascimento <batista.inga@globo.com>
Recife , PE Brasil - 27-Julho-2015 / 15:17:38
Senhor Fernando, boa noite.

Eu sou descendente do senhor Joaquim Nazário de Souza e da senhora Maria Nazário, faço genealogia e não consigo encontrar informações sobre os pais ou irmãos deles. Procurando, encontrei informações preciosas e soube de um senhor chamado Joaquim Nazário de Azevedo ser neto dele, entretanto não consigo contato com esse senhor por redes sociais ou e-mail.

Percebo, lendo suas postagens em um site chamado Afogados da Ingazeira Ontem e Hoje, que o senhor sabe da história dos sítios Brotas e Riacho da Onça, o que me leva a crer que sabe informações sobre meus tetravós.

Para que entenda, eu sou a quinta geração deles, moro no interior da Bahia e eles são da linhagem por parte da minha mãe que é pernambucana de Belo Jardim.

Muito Obrigada e aguardo retorno
(23.07.2015 às 22h54)

________________________________
Liliane, enviei e-mail para Joaquim Nazário de Azevedo (que reside em Teresina -PI) e pedi que ele lesse sua mensagem. Certamente você terá novidades para a genealogia da família NAZÁRIO.

Liliane Moreira <limoreiraba@gmail.com>
Brasil - 24-Julho-2015 / 19:41:12

Faleceu ontem, em Afogados da Ingazeira, aos 57 anos, a professora Irenilda Nogueira Mariano.
O sepultamento será realizado nesta tarde, no cemitério São Judas Tadeu.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 24-Julho-2015 / 11:09:53

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 22-Julho-2015 / 18:56:38

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 18-Julho-2015 / 7:13:02

Em defesa da natureza

Segundo as autoridades e estudiosos sobre meio ambiente, o trato inadequado do lixo, o desconhecimento da coleta seletiva, a ausência de educação sobre reciclagem, uso exagerado dos recursos naturais, poluição do ar, desmatamento, desperdício de água e esgotamento do solo são os principais problemas que comprometem a saúde do nosso lar comum que é a Terra.

Em 1997 na cidade de Kyoto, no Japão, era assinado um importante documento entre países industrializados para redução de gases na atmosfera. Enquanto oitenta e quatro nações se prontificaram a colaborar, os Estados Unidos do presidente Bush, negou-se a cumprir esse acordo numa clara demonstração que, infelizmente, na terra do líder negro, Martim Luther King, a ganância prevalece sobre a vida. Lembramos que a poluição destrói a camada de gás atmosférico que nos protege dos raios solares e em consequência, o número de câncer de pele e outras enfermidades aumentaram no mundo inteiro.

Para quem gosta de história em quadrinhos, a destruição da camada de ozônio lembra que, na época do antigo Império Romano, os intrépidos gauleses comandados por Asterix e Obelix enfrentavam com coragem os exércitos e todos os perigos, mas morriam de medo que o céu lhes caísse sobre a cabeça. A diferença entre a realidade atual e aquele mundo de ficção é que, realmente, nosso planetinha está na UTI com raras chances de sobrevivência. Um monge beneditino, numa conferência ecossistema, em 2005, afirmava que cada folha de árvore queimada é como uma célula de nosso próprio corpo destruída pela gangrena do capitalismo depredador.

Na mais recente, corajosa e lúcida Encíclica do Papa Francisco, Louvado Seja, ele lembra que, em 1971, Paulo VI já alertava sobre a degradação ecológica, infelizmente, provocada também pelo homem; citou João Paulo II quando em sua primeira manifestação como chefe da Igreja escreveu cobrando das autoridades governamentais mais empenho para salvaguardar as condições morais de uma autêntica ecologia humana. O carismático Padre argentino não esqueceu do seu antecessor, Bento XVI e registrou sua luta para corrigir os modelos de crescimento das nações que se dizem desenvolvidas, porém incapazes de garantir o respeito ao meio ambiente.

A professora da Universidade Estadual da Bahia, Cristina Vieira, em uma de suas palestras, através da internet, afirmava que não há mais dúvidas de que o interesse pelo meio ambiente não é modismo, ao contrário, se transformou numa necessidade de sobrevivência das espécies do planeta, portanto, não podemos ficar de fora. Todos nós, crianças, jovens, adultos e idosos temos que abraçar essa causa, alterando inclusive comportamentos e descobrindo novas formas para defender a natureza.

Preocupadamente,

Carlos de MouraGomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 11-Julho-2015 / 17:16:55

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 10-Julho-2015 / 14:40:33


Site muito bom

Baby Fonseca <baby.fonseca_@hotmail.com>
Patos, PB Brasil - 9-Julho-2015 / 20:37:03
Fernando, parabenizo esta sua página que muito recorda nossa terra do Pajeú e os bons tempos no Banco do Brasil.

jose adailton bezerra de souza <jadailtonb@globo.com>
Jaboatão dos Guararapes, PE Brasil, - 4-Julho-2015 / 9:32:32

Lurdinha Veras

Faleceu, ontem, mais uma nonagenária afogadense. Dona Lurdinha era filha do antigo grande comerciante de tecidos de Afogados da Ingazeira, Guardiato de Moraes Veras.
O óbito se deu na Casa de Saúde Dr. José Evóide de Moura. O corpo foi sepultado nesta sexta-feira 26, no cemitério São Judas Tadeu.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 26-Junho-2015 / 13:17:40

"Um dia você aprende...

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se. E que companhia nem sempre significa segurança. Começa a aprender que beijos não são contratos e que presentes não são promessas. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. Aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo. E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais. Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la… E que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos de mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam… Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa… por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende que não importa onde já chegou, mas para onde está indo… mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve.

Aprende que, ou você controla seus atos, ou eles o controlarão… e que ser flexível não significa ser fraco, ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem, pelo menos, dois lados. Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências. Aprende que paciência requer muita prática. Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.

Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens… Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso. Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso. Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém… Algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.

Aprende que o tempo não é algo que possa voltar. Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, em vez de esperar que alguém lhe traga flores. E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!

Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar."

(O Menestrel - William Shakespeare)

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 23-Junho-2015 / 10:19:39

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 16-Junho-2015 / 15:26:07

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 9-Junho-2015 / 23:15:29
Fernando Pires, vc tá fazendo falta. Afogados da Ingazeira ficou sem brilho sem a tua página.

Goretti Neves <mgbneves@hotmail. com>
Recife, PE Brasil - 3-Junho-2015 / 21:07:50
Sr.Fernando, morei em Afogados da Ingazeira na juventude. Trabalhava na Loja de Jurandir e você no Banco do Brasil.
Hoje moro em Santo André.

Raimunda Julia de Vasconcelos <julia.rai.6451@gmail.com>
Santo André, SP Brasil - 28-Maio-2015 / 20:49:48

Maria de Lourdes Siqueira Veras

Nesta terça-feira 26, às 23h30, no Santa Joana, aqui no Recife, dona Lourdes, viúva de Eduardo, faleceu aos 90 anos de idade.
O velório terá início ao meio-dia de hoje e o sepultamento será realizado às 17h. no cemitério Morada da Paz, em Paulista.
A informação nos foi prestada pelo seu filho, nosso conterrâneo DARDO.
Aos familiares, nossas condolências.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 27-Maio-2015 / 9:06:19

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 26-Maio-2015 / 10:37:41
A Companhia Editora de Pernambuco - CEPE está promovendo um concurso em comemoração aos 100 anos da Imprensa Oficial. Prêmio Nacional Cepe de Literatura - Concurso 100 Anos da Imprensa Oficial de Pernambuco nas categorias Romance, Conto, Poesia e Literatura Infanto-juvenil.
São R$ 80.000,00 (oitenta mil reais) para os primeiros colocados, sendo R$ 20.000,00 para cada categoria.
O Edital pode ser acessado através do site da própria CEPE ou pelo e-mail: cpl@cepe.com.pe.

Gostaria muito que fosse divulgado, inclusive levado ao conhecimento das Academias de Letras de cidades vizinhas, escolas e a FAFOPAI.

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 25-Maio-2015 / 11:01:39
Caro FERNANDO PIRES, a página que somaste ao "PAINEL", desde ontem, aviva definitivamente a memória de milhões de pessoas que admiram nosso cantor-compositor ROBERTO CARLOS. O vídeo, além de extenso, foi bem produzido, com um 'roteiro' profissional e objetivo, sobretudo, por mostrar detalhes familiares da infância, do cantor dotado de espírito destemido e persistente, em busca do "alvo" - ser cantor. A pinçarem oportuna, insere figuras humanas do mesmo ramo, como ERASMO CARLOS, VANDERLEIA e outros nomes nas entrelinhas, contribuindo para a indelével beleza da apresentação.
Posso afirmar que os visitantes desta página estão de parabéns.

Muito obrigado.

JOSÉ BATISTA DO NASCIMENTO <batista.inga@globo.com>
Recife, PE Brasil - 24-Maio-2015 / 20:38:39

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 23-Maio-2015 / 14:44:38

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 23-Maio-2015 / 10:10:06

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 21-Maio-2015 / 15:42:53

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 21-Maio-2015 / 15:24:59

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 19-Maio-2015 / 9:57:55

O que é amar?

O amor sempre foi assunto muito discutido, principalmente nos meios acadêmicos de filosofia. Nosso dicionário da língua portuguesa classifica esse substantivo abstrato como afeição profunda, inclinação, atração, apetite, paixão, querer bem, desejo e outros sinônimos.

Essa semana, enquanto passávamos defronte ao Colégio Normal durante nossa costumeira caminhada, observamos um estranho diálogo entre um casal de adolescentes namorados. Mesmo arriscando ser confundido com alguém indesejável, indagamos ao rapazinho porque usava palavras impróprias? Mais quem respondeu, estranhamente, foi a menina-moça, absolvendo o amado de qualquer possível culpa. Completaram que aquela era a maneira moderna de se comunicarem, de se divertirem, de se completarem... Pedimos desculpas e seguimos o caminho na dúvida se a expressão “eu te amo” estava mesmo aposentada, ou excluída, do vocabulário dessa juventude.

Isso fez-nos lembrar das mais originais mensagens de amor com Dolores Duran cantando “Hoje eu quero a rosa mais linda que houver / quero a primeira estrela que vier / para enfeitar a noite do meu bem”; Gigliola Cinquetti emocionando a juventude nos anos 60 com “Dio, come ti amo”; Dalva de Oliveira na Rádio Nacional com sua esplêndida voz entoando “Se o azul do céu escurecer / E a alegria na terra fenecer / Não importa, querido, viverei do nosso amor...” ; nessa mesma época, Maysa Matarazzo mostrando todo seu romantismo com “Eu sei que vou te amar / Por toda a minha vida eu vou te amar / Em cada despedida eu vou te amar / Desesperadamente, eu sei que vou te amar”.

Respeitamos o comportamento e conduta de qualquer geração, até porque não podemos exigir que alguém nos ame do jeito que desejamos e nos fale as mais belas frases de amor. Aquele casalzinho que flertava na porta da escola, simplesmente, pode ter encontrado a fórmula ideal para dizer o quanto se amam, afinal muitos sofrem por não saber demonstrar esse sentimento tão delicado e difícil de ser identificado. Há, portanto, os que preferem manter o antigo estilo assumindo que “Eu sou aquele amante à moda antiga / Do jeito que ainda manda flores / Aquele que no peito ainda abriga / Recordações de seus grandes amores / Eu sou aquele amante apaixonado / Que curte a fantasia dos romances / Que fica olhando o céu de madrugada / Sonhando abraçando a namorada”.

Seja em quaisquer épocas e circunstâncias, lembramos a todos os enamorados que, como disse Shakespeare, Amar é não ter jamais que pedir perdão.

Carlos Moura Gomes
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 15-Maio-2015 / 22:30:03

Orgulho de uma raça

O mais jovem poeta a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras, premiado pelo poema Navio Negreiros, mostrou a figura do negro como um leão forte e o colocou como ator principal em sua obra. Castro Alves deu ao romantismo um sentimento revolucionário. Num dos trechos escreveu:
“Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus?!
Ó mar, por que não apagas
Co'a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão! “

As guerras existem por diversos motivos, porém as disputas mais cruéis, desumanas e vergonhosas são as de caráter étnico

A Guerra Civil Americana foi uma das maiores decepções para a história da terra do Tio Sam. Estados do lado norte defendiam o trabalho livre e assalariado, enquanto a região sul desejava manter os escravos em suas fazendas e negócios. Muitas vidas tombaram ao ponto do presidente Abraham Lincoln, que levantava a bandeira de igualdade para todos, batizar seu país de “Casa Dividida”.

No Brasil, Ganga Zumba e Zumbi no início do século XVII, mostraram muita coragem na luta pela liberdade dos negros, construíram o Quilombo dos Palmares, base de apoio para os escravos fugitivos. Mais tarde vieram as Leis que flexibilizaram essa situação até que em 13 de maio de 1888 foi assinada definitivamente o fim da escravidão no Brasil.

Gostaríamos de homenagear esses valentes irmãos lembrando nomes como Martin Luther King, prêmio Nobel da Paz em 1964; Pelé, considerado o atleta do século e o maior jogador de todos os tempos; Barack Obama que além de presidente dos EUA ganhou o prêmio Nobel da Paz em 2009; Machado de Assis, primeiro presidente da Academia Brasileiras de Letras; Nelson Mandela que após ficar 27 anos preso por crime que nunca cometeu, foi eleito presidente da África do Sul e também recebeu o Nobel da Paz em 1993; e, recentemente o país assistiu com orgulho o posicionamento do ministro Joaquim Barbosa nas sentenças que expediu contra altas autoridades do governo em casos de corrupção. O que existe em comum nesse seleto grupo não é apenas a raça a que pertencem, mas o caráter e a decência de quem, verdadeiramente, respeita os direitos humanos.

O preconceito racial só existe para os míopes que sequer enxergam o caminho que ainda tem que percorrer nessa sinuosa e enigmática estrada da vida.

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 13-Maio-2015 / 10:32:39

Alfarrábios
A arte de ser (avô...) avó


"Netos são como heranças: você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente lhe caem do céu... É como dizem os ingleses, um ato de Deus". Sem se passarem as penas do amor, sem os compromissos do matrimônio, sem as dores da maternidade. E não se trata de um filho apenas suposto. O neto é, realmente, o sangue do seu sangue, o filho do filho, mais que filho mesmo...

Cinquenta anos, cinquenta e cinco... Você sente, obscuramente, nos seus ossos, que o tempo passou mais depressa do que você esperava. Não lhe incomoda envelhecer, é claro. A velhice tem as suas alegrias, as suas compensações, todos dizem isso, embora você, pessoalmente, ainda não as tenha descoberto, mas acredita.
Todavia, também obscuramente, também sentida nos seus ossos, às vezes lhe dá aquela nostalgia da mocidade. Não de amores com paixões: a doçura da meia idade não lhe exige essa efervescência. A saudade é de alguma coisa que você tinha e que lhe fugiu sutilmente junto com a mocidade. Bracinhos de criança. O tumulto da presença infantil ao seu redor. Meu Deus, para onde foram as crianças?

Naqueles adultos cheios de problemas que hoje são os filhos, que têm sogro e sogra, cônjuge, emprego, apartamento e prestações, você não encontra de modo algum suas crianças perdidas. São homens e mulheres - não são mais aqueles que você recorda. E então, um belo dia, sem que lhe fosse imposta nenhuma das agonias da gestação ou do parto, o doutor lhe coloca nos braços um bebê. Completamente grátis- nisso é que está a maravilha.

Sem dores, sem choro, aquela criancinha da qual você morria de saudades, símbolo ou penhor da mocidade, longe de ser um estranho, é um filho seu que é devolvido.
E o espanto é que todos lhe reconhecem o direito de o amar com extravagância. Ao contrário, causaria espanto, decepção se você não o acolhesse imediatamente com todo aquele amor recalcado que há anos se acumulava, desdenhado, no seu coração.

Sim, tenho certeza de que a vida nos dá netos para compensar de todas as perdas trazidas pela velhice. São amores novos, profundos e felizes, que vem ocupar aquele lugar vazio, nostálgico, deixado pelos arroubos juvenis.

E quando você vai embalar a criança e ela, tonta de sono abre o olho e diz: "(Vô...) Vó...!", seu coração estala de felicidade, como pão no forno!”

Rachel de Queiroz (1910-2003) foi uma escritora brasileira. A primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, eleita para a cadeira nº 5, em 1977. Foi também jornalista, romancista, cronista, tradutora e teatróloga.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 9-Maio-2015 / 9:59:21

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 1-Maio-2015 / 20:22:06
[Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks