AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 61 a 90 do total de 400 [Anterior] [Próximo]

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 10-Outubro-2020 / 10:30:40
O 100º aniversário de Cícero Amorim

Imagens enviadas por Carlinho de Lica.
O evento se inicia a partir dos 20 minutos...

Percebe-se que as imagens ainda não foram editadas...

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 10-Outubro-2020 / 10:10:45

DOAÇÃO DE SANGUE - Adalva de Siqueira e Silva Amaral - Hospital UNIMED

Recebi há pouco, uma mensagem através do WhatsApp, informando da necessidade de doadores para a nossa conterrânea, professora Adalva. Faltam, ainda, umas 50 (cinquenta) doações
Quem se dispuser a realizar esse ato tão nobre, deve se dirigir à
Rua Dom Bosco, 723 - Boa Vista, próximo à Praça Chora Menino, em frente ao SAMU, no Recife (PE)

Horário: 7h às 18h
Telefone (81) 3972.4050.
Estacionamento para Doadores no local

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 8-Outubro-2020 / 10:29:22
Olá Fernando Pires.

Caro amigo, suas notícias chegam sempre em horas oportunas. Estive pensando em escrever durante a semana inteira e você me acordou neste momento. Quando tudo parece estar indo em diferente direção, você sempre me dá razões para vir a esta página e desabafar. Este vídeo que me enviaste, do grupo cantando “Luar do Sertão” [não há ó gente, ó não, luar como esse do sertão...] tem sempre aquele efeito em despertar em mim um mundo de saudades e alegrias que me fazem gritar de prazer e das lembranças agradáveis.
Passei esta manhã fazendo algumas compras, pois sabia que meus netos viriam passar o dia conosco, bem como nosso filho primogênito e o pai dos garotos, quando abri o e-mail imediatamente gritei: “Boas novas, venham ver!”

Eles vieram me ajudar no jardim, limpado, cortando e fazendo reparos na cerca que nos separa dos vizinhos na área norte. Tivemos que parar o labor pois estamos sofrendo temperaturas muito elevadas (106 graus Fahrenheit), é muito desconfortável; resolvemos que deveríamos parar e retornar na próxima semana, pois a previsão é de temperatura mais agradável.

Aqui a situação política está com tensões elevadas; tem havido muita bagunça em várias cidades controladas por “democratas” que no começo aceitavam sem questionar, mas finalmente perceberam que estavam perdendo votos, e assim vai.

Tenho acompanhado o trabalho da transposição do São Francisco e me emociono ao ver como tem sido um sucesso contínuo, e o Nordeste tem sido muito beneficiado. Aleluia, amém!

Caro amigo, retornarei novamente em breve, pois como já mencionei, suas mensagens são como chuvas de Outono que muito me agradam
Desde já um grande abraço, e que o Senhor Deus vos abençoe e guarde.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead - Califórnia, CA EUA - 2-Outubro-2020 / 22:49:04
Contatos:

(81) 9.9698.8585
miltongilbertobo@yahoo.com.br

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 2-Outubro-2020 / 8:53:59

Iracema Salvador Silva
(Estaria completando 102 anos)

Quando criança, anos 1960, eu ajudava o meu pai no seu comércio na Praça Domingos Teotônio, 54, em Afogados da Ingazeira. Todas as tardes ia até o hotelzinho de dona Iracema, que se localizava numa casa vizinha à Loja de Horácio Pires, deliciar o seu doce de leite com bolo. Lembro-me muito da sua atenção aos clientes e amigos.
Pouco antes do seu falecimento a visitei na casa de Ceiça, sua filha, no primeiro andar na Senador Paulo Guerra.

Há alguns anos, conversando com Ceiça, recebi essas informações:
Em Afogados da Ingazeira, no dia 23 de setembro de 1918, nascia Iracema, filha de José Bezerra da Silva e Maria Bezerra da Silva. Quando ainda criança, sua família foi residir em Triunfo. Naquela cidade iniciou seus estudos primários e contava haver presenciado algumas vezes a passagem de cangaceiros pelas serras triunfenses.
Já moça feita, a família retornou à terra natal, onde se estabeleceu.
Na cidade conheceu o jovem Abdias Salvador da Silva com quem namorou e, em 31 de julho de 1943, casou-se na Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios. Tiveram seis filhos: José Edson, Maria da Conceição, Vilma Lúcia, Maria de Lourdes, João Vianey e Maria da Fátima Salvador.

Ela, católica praticante, fazia parte da Legião de Maria. Era uma mulher guerreira, lutadora, carinhosa e alegre, desfrutava de grande amizade na cidade. Trabalhava incansavelmente para sustentar os filhos, tendo em vista que, algum tempo depois do casamento aconteceu a separação do casal.

Para sobreviver, explorava um ponto de café – lanchonete - onde servia doces diversos, inclusive tradicional doce de leite, cafés e sopas à noite.

Somente com a aposentadoria veio a desfrutar de algum lazer, viajando para Brasília, Maranhão e para o Recife. Gostava de viver intensamente.

Em decorrência de um CA com metástase, falência múltipla dos órgãos, faleceu há 17 anos, no dia 28 de julho de 2003, em Afogados da Ingazeira, sendo sepultada no cemitério de São Judas Tadeu.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 29-Setembro-2020 / 16:30:25

Dom João José da Mota e Albuquerque

Neste 2020, 107 anos do seu nascimento; 33 do seu falecimento

Natural do Recife, nasceu no dia 27 de março de 1913. Filho de José Feliciano da Mota e Albuquerque e Aline Alice Ramos da Mota e Albuquerque, ainda na infância passou a residir em Nazaré da Mata. Desde cedo demonstrou interesse pelas coisas da Igreja. Seus pais, católicos fervorosos, contribuíram para a firmeza da sua vocação
No seminário de Olinda estudou as ciências eclesiásticas e se aprimorou em sua formação espiritual e humanística revelando-se um levita talentoso. Na Catedral de Nazaré recebeu o presbiterato com a imposição das mãos de Dom Ricardo Ramos de Castro Vilela, no dia 28 de abril de 1935. Tinha 22 anos de idade. De imediato recebeu a provisão de Capelão do Colégio Santa Cristina, chanceler da Cúria e, em seguida, de Vigário de Nazaré, função que exerceu com zelo pastoral e empenhou-se, intrepidamente, nos trabalhos da construção da Catedral. Seu paroquiato durou apenas dois anos.
O seu sacerdócio foi realizado, plenamente, na educação da juventude. Ocupou um lugar no Egrégio Colégio dos Consultores da Diocese e mestre de cerimônia do sólio episcopal.

Aos 43 anos foi nomeado bispo de Afogados da Ingazeira. Três meses depois - em 28 de abril de 1957 - recebeu a ordenação episcopal. No dia 19 de maio de 1957 chega Dom Mota para tomar posse na diocese recém-criada, sendo recepcionado com todas as honrarias merecidas. Um dia de glória para a cidade ao receber o seu primeiro bispo. As cidades circunvizinhas também se fizeram presentes, através das autoridades e fiéis que as representavam.

Em pouco tempo, Dom Mota, homem de educação fina e singular gentileza, conquistou a amizade de todos. Visitava as famílias e demonstrava particular interesse pelo rebanho que por Deus lhe fora confiado. Preocupado com a carência da região, principalmente no que se refere à área da saúde, empenhou-se, juntamente com o Mons. Arruda Câmara, na criação de um hospital/maternidade, conseguindo assim a Unidade Mista Emília Câmara, o que muito beneficiou o município e cidades vizinhas.

Deve-se também a ele, o avanço que a cidade teve na área da comunicação, com a instalação da Rádio Pajeú de Educação Popular, tendo como meta principal minimizar o índice de analfabetismo da região na zona rural, mediante um programa de alfabetização de adultos, através da Rádio, programa que veio se concretizar já com o segundo bispo da Diocese, Dom Francisco. Com a criação da Rádio Pajeú, Dom Mota trouxe para Afogados da Ingazeira seu antigo aluno Waldecy Menezes que, com alta competência, conduziu a emissora por bastante tempo.

A inauguração da Rádio foi marcada por um evento muito significativo para a cidade: a realização da Semana de Medicina Preventiva. Médicos, enfermeiros e profissionais da área, vindos da capital, realizavam conferências, palestras e debates, na Escola Normal, sob a coordenação do Dr. Aloísio Sanches. Com isso Dom Mota deixava transparecer o seu empenho no sentido de colaborar para o crescimento da cidade em todos os níveis.
O que marcou, de fato, a sua passagem por Afogados da Ingazeira, foi a Rádio Pajeú. Este foi o grande legado que ele nos deixou. A criação do "Pré-Seminário" ou seminário menor, foi uma manifestação do seu particular interesse pela formação de novos candidatos ao sacerdócio.

(...)
Promovido a Arcebispo Metropolitano de São Luiz do Maranhão, exerceu o seu Ministério até 1984, com 71 anos de idade. Em vista da saúde debilitada, aguardava a idade canônica para renunciar à Arquidiocese e voltar a Pernambuco, mas a enfermidade lhe foi traiçoeira e cruel, exigindo que a renúncia acontecesse antes dos 75 anos, e isso não estava nos seus propósitos.
Tornando-se Arcebispo Emérito, veio sofrer a sua paixão e morte no Recife, vivendo, porém, intensamente, e até as últimas consequencias, o seu lema episcopal .
Faleceu santamente no Senhor, em 12 de setembro de 1987, com 74 anos de idade, na capital pernambucana, sendo ministrados os sacramentos dos enfermos. Seu corpo foi trasladado para Nazaré da Mata. Dom Jorge Tobias de Freitas, então titular daquela Diocese, empenhou-se no sentido de que todas as honras lhe fossem prestadas, na forma do ritual romano.
O féretro partiu da Igreja de Santa Terezinha à entrada de Nazaré da Mata e a Santa Missa exequial celebrada ao ar livre, em frente à Igreja Mãe, com a homilia pronunciada pelo seu predecessor do sólio maranhense, Dom Paulo Eduardo Ponte, presentes autoridades locais, familiares, clero diocesano e religioso, religiosas de várias congregações, estudantes e grande número de fiéis. Findo o ato religioso, foi o seu corpo inumado, no interior do templo, esperando a dia da ressurreição, prometida pelo Senhor.

(...)
Em 22 de dezembro de 2006, dezenove anos após o seu falecimento, com autorização da família e da diocese de Nazaré da Mata, seus restos mortais foram trasladados e sepultados na Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios em Afogados da Ingazeira. A missa de traslado, com a participação do clero de Nazaré, foi presidida pelo bispo dom Pepeu de Afogados da Ingazeira.
Como parte das comemorações do Jubileu de Ouro da diocese de Afogados da Ingazeira, foi construído o Museu Diocesano - localizado no prédio do antigo seminário menor - com exposição de vestes, pertences e fotografias de momentos dos seus dois primeiros bispos.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 29-Setembro-2020 / 9:56:23
Há 30 anos, no dia 13 de setembro de 1990, professores, alunos do Colégio Normal Estadual (CNE), familiares e amigos comemoraram o 66º aniversário de dona Ione de Góes Barros.
Ela faleceu em 22 de julho de 2011, aos 86 anos de idade (20 anos depois).

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 29-Setembro-2020 / 8:48:27

Você sabe onde fica o sítio Portásio?
Tem alguma informação sobre a família Conceição ou Matias ou Vicente?


Minha avó nasceu em Afogados da Ingazeira em 1945 no Sítio Portásio. O nome dela é Olivia da Conceição Matias. Seus pais são Joaquim Matias Filho e Sofia Luisa da Conceição.
Avós paternos Joaquim Matias e Antônia Maria Rosa da Conceição. Avós maternos Manoel Vicente e Luisa da Conceição.
Estou montando minha árvore genealógica para saber mais sobre minha descendência, origem e história.

Alguém sabe me dizer se conheceram essas famílias, se sabem sobre sua origem, migração e história? Ou algum lugar onde posso obter essas informações? Eles moravam, acredito eu, próximo da família Silvino porque até hoje minha avó comenta dessa família.

_____________________________________

Ângela, fiquemos na expectativa de que alguns dos nossos leitores conheçam/tenham conhecido alguém da tua família ou das citadas.
Não tens nenhum conhecido residente na nossa região/cidade? Quando seus pais migraram devem ter deixado parentes/conhecidos. Se é o caso, eles não se lembram de nomes ou referências?

Também monto a Árvore Genealógica (familysearch.org/) da minha família. Conheci meus bisavós maternos (Manoel Alves Feitosa e Maria Clara de Jesus).
Também, pelo lado materno, conheci meu bisavô Raymundo Ferreira de Lima (já enfermo, em Tabira). A partir daí já cheguei aos meus tetravós [Francisco Pires Ferreira (1840-1927), e Antônia Damascena Bastos], 6º avós dos meus netos.
É necessário muita paciência, disposição... e tempo!
Com essas pesquisas, e concluindo meu segundo livro sobre Afogados da Ingazeira, tento fugir do "alemão" Alzheimer! (Fernando Pires)

_____________________________________

Angela Galdino Amaral Munhoz <amaral191915@gmail.com>
Brasília, DF Brasil - 18-Setembro-2020 / 15:24:33

Soubemos há pouco, através do primo Rodrigo Pires, do falecimento do senhor José Teotônio Neto (Carneiro), aos 92 anos de idade, ocorrido ontem pela manhã em sua residência, em Afogados da Ingazeira.
Aos familiares, nossa solidariedade.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 15-Setembro-2020 / 16:05:41

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 11-Setembro-2020 / 10:07:19


______________________________________________

Galeria de alguns ex-prefeitos de Afogados da Ingazeira (períodos 1891-2020) - dos quais consegui fotografias - desde o primeiro, o português Alfredo Adolpho Ferraz Costa.

- 1891 -
Prefeito: Alfredo Adolpho Ferraz Costa;
Subprefeito: Pe. Pedro de Souza Pereira.
Conselho municipal: Luiz Antônio Chaves Campos, Antônio Dias de Oliveira, Manoel Mariano de Souza, Ananias d´Oliveira Santos, Belarmino José Neves.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 10-Setembro-2020 / 10:13:51
OTON DA COLETORIA - Todo santo dia útil ele ia ao Banco do Brasil prestar contas à Receita Federal, da qual era servidor. Quando adentrava na Agência ele dizia, reportando-se a Fernando: - Se o Pires prestasse ficava em cima da xícara.Quanto a Gaudêncio, parente de conhecido industrial de Arcoverde, do ramo de famosa goiabada, ele dizia:- A fórmula da goiabada tal é cinquenta por cento goiaba e outra parte jerimum. É uma goiaba e um jerimum.
Naquele tempo não havia Google e a rotatividade de funcionários era grande. Quando alguém era empossado Oton, em menos de uma semana, levantava a "ficha" do novato e falava tudo sobre a procedência do neófito e espalhava na Praça. Parece que ele tinha um serviço secreto. Seu nome era Oton Leite de Oliveira, pajeuzeiro de Tuparetama. A idade está avançando e, vez por outra, algumas pessoas e fatos estão revisitando a minha memória. Estou recluso há quase seis meses. Como não tenho o que fazer fico só pensando em miolo de pote.

José Tadeu de Góes <jt.goes@bol.com.br>
Recife, PE Brasil - 6-Setembro-2020 / 23:06:02
PEDRO MUTUCA - Alguém me dê notícias de Pedro Mutuca. Ele era chegado a um joguinho de baralho e nas horas vagas promovia rifas sorteadas pela Loteria Federal, para dar credibilidade ao seu ofício. Os prêmios, geralmente, eram revólveres ou sapatos de solado Neolite. Se a pessoa comprasse um bilhete uma vez ficava freguês. Ele decorava até o seu "palpite".
Certo dia alguém teve a ideia de livrar-se da impertinência de Pedro e lhe disse:- Pedro, eu vou apostar desta vez só pra lhe fazer um favor. Foi o necessário para que este dissesse:- Eu não preciso de favor de filho da puta nenhum. Pedro perdeu um freguês e a história repercutiu.

José Tadeu de Góes <jt.goes@bol.com.br>
Recife, PE Brasil - 6-Setembro-2020 / 21:42:58
Fomos informados pela amiga Ana Paula, da Asavap, que o querido Carlos Alberto P. da Fonseca, o Beto de Milinha, há anos residente naquele Abrigo, acometido por enfermidade foi removido para o Recife para tratamento, mas, devido à gravidade, faleceu hoje à tarde, aos 76 anos de idade, num Hospital Provisório, aqui na capital do estado.
O corpo será transladado para Afogados da Ingazeira, onde será sepultado.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 3-Setembro-2020 / 18:44:15
Oi Fernando, obrigada pelo retorno. Eles eram meus bisavós por parte de pai. Uma curiosidade que encontrei é que minha avó não leva o sobrenome de seu pai Godê, o que é um pouco incomum visto que geralmente o sobrenome do pai prevalece. Li alguma coisa sobre a família e gostaria de saber se essas histórias eram verídicas, e para conhecer melhor meus ancestrais.
Grata.

Pamela <pamelarover@gmail.com>
Guarulhos, SP Brasil - 3-Setembro-2020 / 16:56:33
Fernando, gostaria de alguma notícia da minha família que, creio, seja de Afogados da Ingazeira ou de Iguaraci. Seus nomes são Aricino Francisco Godê e Doralice de Brito Vasconcelos.
Ficarei agradecida por qualquer qualquer informação.

_________________________

Pâmela, é importante que vc ofereça mais informações sobre o casal. Eu fui fiscal do Banco do Brasil na região do Pajeú, nos anos 1970, e, salvo engano, ele era cliente do Banco. Qual o teu parentesco com o casal... Teus avós? (Fernando Pires)

Pamela Borges <pamelarover@gmail.com>
Não informado, Brasil - 2-Setembro-2020 / 17:28:49

Sem comentário...

Luiz Felipe dos Santos Caramuru <caramuru98@gmail.com>
Rio de Janeiro, RJ Brasil - 31-Agosto-2020 / 14:47:41


__________________________
Em 28 de março de 2010, em companhia da amiga Elvira de Siqueira, visitando a cidade da Ingazeira conversamos com os srs. Vander Alves (Alagoano de Viçosa), e o Isnaldo Mascena Veras (tabirense) que faleceu neste final de semana. Ambos residiam há décadas na cidade.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Agosto-2020 / 17:21:15


I ENCONTRO DOS EX-FUNCIONÁRIOS DO BB - No 1º de fevereiro deste ano, os antigos funcionários da agência do BB Afogados da Ingazeira se reencontraram, depois de 30, 40, 50 anos que não se viam.

Veja o Álbum, clicando AQUI

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Agosto-2020 / 12:32:36

Amo a cidade onde meus pais nasceram: Afogados da Ingazeira.

Paulo Siqueira da Silva (Paulo capacete) <pr.aerografismo@gmail.com>
Brasilia, DF Brasil - 26-Agosto-2020 / 9:45:17

Amaro Batista da Silva
(30/07/1931 - 14/12/1993)

Em Canhotinho, Pernambuco, no dia 30 de julho de 1931, há 89 anos, nascia Amaro, conhecido entre os amigos - devido ao seu modo de andar - por Amaro pé-de-pato. Ainda criança, com apenas sete anos de idade, em 1938, seus pais Manoel Filipe da Silva e Maria da Conceição vieram para Afogados da Ingazeira, trazendo-o num “caçuá” (Cesto grande e oblongo, feito de cipós rijos...), no lombo de um jumento.
Chegando ao município, foram morar no sítio Santo Antonio onde residiram alguns anos. Católico praticante, desde pequeno aprendeu todos os cânticos da igreja, participando ativamente dos momentos religiosos. Como residia na zona rural, só vinha à cidade a cada quinze dias para ir à missa, ouvir a palavra do Senhor. Vinha à pé, e descalço, pois era tão pobre que não dispunha de uma simples alpercata para calçar.
Logo cedo já ajudava à mãe vender hortaliças cultivadas em casa. Nessas idas e vindas, ficou empregado na casa do Sr. Guardiato de Moraes Veras (sogro do médico dr. Hermes), onde passou boa parte da sua vida.

Em 4 de dezembro de 1955 - aos 24 anos -, casou-se com Josefa Batista Gomes, em Afogados da Ingazeira, com quem teve os filhos: Maria do Carmo, Luciene, José Ivanildo, Cleidismar, Alba Regina, Aldineide, Adelmo Luiz, Carlos Clério, Janaína Patrícia, João Bosco, Severino, Cícero Carlos e Eucária. Os quatro últimos faleceram ainda crianças. Permaneceu casado por 38 anos. Era um homem simples, humilde e honesto além de respeitado e respeitador. Carismático e muito bem relacionado com todos que o cercavam.

Várias histórias sobre ele são contadas. Gostava muito de futebol e, de tão apaixonado pelo esporte, não perdia nem os treinos do Guarani – time da época. No dia do seu aniversário levava para o bate-bola um bolo com refrescos para comemorar junto aos jogadores, seus amigos. Em outra ocasião – Amaro era possuidor de uma memória excepcional; conhecia como ninguém a placa de todos os automóveis de Afogados da Ingazeira – certo comerciante teve o seu carro roubado e por não saber o número da placa, recorreu a Amaro para informá-lo, pois sem essa informação não tinha como fazer o Boletim de Ocorrência na delegacia. Conta-se que esse automóvel foi localizado.

Dizia muito feliz porque a primeira pessoa a conversar com o bispo dom Francisco, quando este colocou os pés em solo afogadense, tinha sido ele.

Durante muitos anos foi gazeteiro do Diário de Pernambuco, em Afogados da Ingazeira. Era aficionado em jogo de bicho. Tinha o semblante de um homem feliz; só o víamos sorrindo. Mas, por trás dessa alegria, existia um ser humano debilitado.

Sofria da doença de Chagas que o levaria ao túmulo no dia 14 de dezembro de 1993, aos 62 anos e cinco meses de idade. A morte o levou quando fazia o que mais gostava: passar jogo de bicho. Ainda chegou a ser levado ao Hospital Emília Câmara, mas não resistiu. Está sepultado no cemitério São Judas Tadeu, em Afogados da Ingazeira.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 20-Agosto-2020 / 10:41:25

Abílio Barbosa de Albuquerque
(10/08/1930 - 04.08.2005)

O casal Aristides Barbosa de Albuquerque e Regina Inocência de Albuquerque teve 10 filhos. Abílio, o caçula, nasceu em 10 de agosto de 1930, em Pedra Lavrada, distrito, na época, de Picuí/PB. Ele estudou na Escola Agrícola em Bananeiras, PB, vindo para Afogados da Ingazeira no início de 1949, com pouco mais de 18 anos de idade.
Em 1949 foi para São Paulo onde trabalhou durante quatro anos no Ministério da Agricultura; depois, na Companhia Brasileira de Pavimentação e Obras onde passou mais dois anos, e, na Mesbla, 4 anos. Achando não ser aquela a sua vocação, passou a trabalhar na Eletrônica "Panamericana" em 1959, onde iniciou a sua vida profissional, fazendo cursos para consertar aparelhos de rádios e tvs. Foi quando começou a sua paixão pela radiodifusão.

Retornando a Afogados no começo de 1961, conheceu Dinamérico Lopes. Como já era técnico em rádio e tv, naquele mesmo ano começou a trabalhar na Rádio Pajeú de Educação Popular Ltda., sendo efetivado na empresa no 1º de março de 1965, onde trabalhou durante 30 anos. Pode-se dizer que dedicou sua vida à Rádio Pajeú. Quando a emissora apresentava problemas, ia Abílio consertá-la. Quando o problema era pequeno ele dava conta; quando não, chamavam o técnico "Sabóia", que, na maioria das vezes, passava a madrugada com Abílio para realizar o conserto.

Barbosa sempre dizia: “tudo que faço pela Rádio Pajeú é com amor”. Ele sabia da importância da emissora para a cidade e região, e não tinha nenhum interesse em usar a emissora para se promover. Ele sempre procurava um tempinho para ir até o Recife, na "Phillips", para se aperfeiçoar sobre técnicas em TVs, já que a tecnologia se desenvolvia com rapidez e ele deveria estar atualizado. Em Afogados montou uma oficina eletrotécnica para consertos de rádio e TV. Devido ao seu trabalho, ficou conhecido em toda região, pois as pessoas que o procuravam diziam sempre: “só confio no senhor, seu Abílio”.
Trabalhou, também, no Cine São José, de 1975 a 1979, como operador das máquinas de retroprojetor. Na época o cinema estava sob o comando da viúva do saudoso Waldecy Xavier de Menezes, dona Ivanise.
Em 11 de junho de 1967, em Afogados da Ingazeira, contraiu matrimônio com Maria do Socorro Silva Albuquerque, com quem teve cinco filhos: Cláudia, Abílio Júnior (in memoriam), Leila, Aristides (Tito) e Alberes.

Faleceu no dia 04.08.2005, prestes a completar os 75 anos de idade, na cidade de Garanhuns, e sepultado no dia seguinte no cemitério São Judas Tadeu de Afogados da Ingazeira. Teria completado 90 anos neste 10 de agosto...

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 19-Agosto-2020 / 12:00:42

Caso queira, [INSCREVA-SE no meu Canal do YouTube] - "FernandoPires1" - e vc será informado todas as vezes que eu postar algum vídeo.

Ao clicar em qualquer um dos mais de180 vídeos, vc verá a opção "INSCREVER-SE".

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 18-Agosto-2020 / 11:46:42

Renato Bernardo Vieira
(26/07/1929 – 16/08/2011)

Sua Autobiografia

"Filho de Francisco Bernardo Vieira e Maria Landelina Dias Vieira, nasci em São Joaquim do Monte - PE, em 26 de julho de 1929. Com 1 ano e 2 meses meus pais resolveram voltar à terra natal, São Miguel, 3º distrito dos Bezerros, hoje Sairé e emancipado, onde passei a minha infância.
Aos 12 anos, em 1941, fui residir em Bezerros onde trabalhei em tipografia numerando talão de jogo de bicho. Fazia máscaras de papangu para vender, fui contínuo da Prefeitura e trabalhei no Hotel Comercial.

Em 1949 servi ao Exército Brasileiro, na cidade do Recife, num período de 1 ano e 3 meses. Quando dei baixa, em 1950, fui para Sertânia - PE, trabalhar no Censo de 1950. Em 16 de setembro de 1950 ingressei na empresa ANDERSON, CLAYTON, firma americana, compradora de algodão e agave em todo o Nordeste e Sul do país. Nessa empresa trabalhei por quase treze anos, nos Estados de Pernambuco, Paraíba e Alagoas.

Nos idos de 1952 viajei de trem para Afogados da Ingazeira, por acaso em companhia do amigo Raul Cajueiro de Albuquerque que também seguia para assumir a função de Escrivão da Coletoria Estadual e eu a chefia do escritório de ANDERSON, CLAYTON onde posteriormente assumi a gerência. Nos conhecemos em Sertânia, pois ele, por ocasião do censo de 1950, nos informava o preço de várias mercadorias concernentes ao serviço da Agência de Estatística chefiada por meu irmão José Bernardo Vieira.
Nessa agência, depois de 1 ano assumi a gerência. Na safra de 1954 – que foi ótima, compramos bastante algodão a ponto de armazenar na rua cerca de 4 extraordinários lotes de algodão e rama, porquanto a compra efetuada em Afogados era transferida para Sertânia a fim de ser beneficiada.
Devido as constantes viagens e sempre retornando a Afogados da Ingazeira, tornei-a minha sede residencial.
De Afogados fui para Viçosa-AL, Alagoa Grande-PB, Campina Grande-PB e Patos-PB, local onde assumi o pico mais alto da pequena montanha que era a fábrica de óleo. Foi para mim momento de grande satisfação, pois negociava a compra de óleo com fornecedores da Paraíba, Pernambuco e Ceará. A fábrica representava substancial investimento e por essa razão exigia muita dedicação para o seu equilíbrio.

Em 12 de março de 1961, casei-me na catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios com a afogadense Izaura Liberal Bezerra, filha do Senhor José Pedro Bezerra e Dona Eudócia Liberal Bezerra. Dessa união nasceram Walker e Franck, e do segundo filho tenho um neto de nome Renato.
Posteriormente fui nomeado secretário geral da Prefeitura Municipal de Patos-PB no Governo Otávio Lacerda. Dois anos depois deixei a Prefeitura, voltando para Afogados da Ingazeira, onde durante certo período lecionei no Ginásio Monsenhor Pinto de Campos e Estadual em companhia de Luís Justino, Luís Alves, Valdecy Menezes, Durval Galdino, Assis e outros.
Quando cheguei em Afogados ainda encontrei a empresa construtora Camillo Collier encarregada da construção da ferrovia. Empresa de funcionários bastante sociáveis que ajudava a cidade no seu desenvolvimento. Nesse período foi fundado o ACAI onde tomamos parte com vários afogadenses e funcionários da Collier.

Aluno do Colégio Monsenhor Pinto de Campos, e como ex-militar fui convidado para ser instrutor do Colégio Normal para os desfiles de 7 de setembro e outras solenidades. Os treinamentos eram realizados no período da tarde e em datas próximas aos desfiles.
Concluí o curso primário em Bezerros-PE, o ginásial em Afogados da Ingazeira-PE, o curso Técnico de Contabilidade entre Campina Grande-PB e Sertânia-PE e o curso superior no Recife.
Em 31 de março de 1967, por concurso ingressei na SUDENE, exercendo atividades por 30 anos. Como técnico, viajei por todo o nordeste, além do Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Coincidentemente tive a satisfação de fazer a segunda fiscalização da fábrica de confecções localizada em Afogados da Ingazeira que recomendou a primeira liberação de recursos da SUDENE.
Durante o ano de 1967 eu viajava de trem a cada 15 dias, de Recife a Afogados da Ingazeira. Saindo do Recife às 5h do sábado e chegando às 17h em Afogados da Ingazeira e ao voltar no domingo saia às 9h chegava às 21h. Até que me organizei e transferi a família em dezembro daquele mesmo ano.

Não há como esquecer a convivência com Padre Antônio (professor de português e latim), Dr. Aloísio Arruda (matemática), Dr. Jesus (ciências), Professora Letícia Góes (francês), Profª. Terezinha Veras (história geral) e outros mais que eram dedicados e eficientes no desenvolvimento do Colégio Monsenhor Pinto de Campos.
Lembro-me bem do simpático Bispo Dom Mota que vez por outra visitava os alunos do Ginásio Monsenhor Pinto de Campos nos ensinando as práticas da vida com exemplos extraordinários.
Uma coisa que permanece em meus pensamentos foi quando, vizinho de Dr. Hermes Canto, constatei a sua dedicação e assistência aos inúmeros clientes num período em que tudo era difícil, especialmente comunicação e transporte. Lembro-me bem, que em várias oportunidades, chegando de uma atividade, e, ao se recolher, outro cliente batia em sua porta chamando-o para um atendimento médico na zona rural, sendo prontamente atendido."

__________________________________________________

Domingo, 14 de agosto de 2011, Renato se sentiu mal e foi socorrido para o Hospital Esperança, no Recife. Dois dias depois, na terça-feira 16 de agosto, às 14h, faleceu aos 82 anos, vitimado por uma pancreatite, quando seu coração parou definitivamente.
O velório aconteceu na Casa Baptista, na rua da Conceição, Boa Vista, no Recife. O sepultamento foi realizado em Bezerros (PE), onde seus pais estão sepultados.

_______________________________

Renato foi um excelente professor no curso ginasial, no Pinto de Campos, onde estudei na década de 1960 em Afogados da Ingazeira.
Aqui no Recife, no dia 5 de julho de 2008, fomos, eu e Milton Oliveira, ao seu apartamento para essa entrevista, onde colhemos suas memórias e histórias.

_______________________________

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 16-Agosto-2020 / 20:47:04

Fomos informados, pela amiga Leni, do falecimento do colega/contemporâneo no BB nos anos 1970, Carlos Francisco de Oliveira (Carlos China), aos 71 anos de idade, ocorrido nesta manhã de segunda-feira 10, em Salgueiro.
Ele deixa viúva Zilma Enoque de Oliveira, 4 filhos e netos.
Nossa solidariedade aos familiares.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 10-Agosto-2020 / 12:44:17
Mons. Antonio de Pádua Santos

Há 105 anos, em 7 de agosto de 1915, nascia em Pesqueira Antônio de Pádua Santos. Filho de Manoel Cristóvão dos Santos e Carlinda de Abreu Santos, logo cedo demonstrou interesse pela vida religiosa, participando do catecismo e ajudando na igreja, inclusive como coroinha. Seus estudos primários foram feitos na cidade natal. Depois foi estudar no seminário de João Pessoa, na Paraíba, e, posteriormente, no de Olinda (PE), onde concluiu o curso de Teologia.
Recebeu o Ministério da Ordenação Sacerdotal no dia 8 de dezembro de 1943, na cidade de Triunfo (PE). Três anos e meio depois, para tomar posse na Paróquia do Senhor Bom Jesus dos Remédios, chegou a Afogados da Ingazeira na manhã do sábado, 26 de julho de 1947, fixando residência na Casa Paroquial, na Avenida Rio Branco.
Zeloso pelas coisas da Igreja, no seu jeito humilde sabia impor respeito com seriedade. Logo que chegou à cidade exigiu que, no interior do templo católico, as mulheres e os homens ficassem em lugares separados. As moças com roupas sem mangas não deveriam receber a comunhão
Homem simples, dinâmico e dedicado ao sacerdócio, padre Antônio logo se identificou com as pessoas da cidade. Foi redator do jornal “Gazeta do Pajeú”, cuja primeira edição saiu em 15 de novembro de 1953. Em 1956 participou, juntamente com o então acadêmico Hélio Vidal Campos, da fundação do Ginásio Cenecista Monsenhor Pinto de Campos, sendo seu primeiro diretor e professor de Português, Latim e Literatura Brasileira.

Em virtude da participação ativa no desenvolvimento da cidade, padre Antonio recebeu, na gestão do prefeito Possidônio Gomes dos Santos, o título de Cidadão Honorário de Afogados da Ingazeira, em 12 de junho de 1959. Em 25 de maio de 1961 o religioso foi eleito Vigário Capitular - padre eleito pelo cabido ou capítulo de uma diocese, para responder por ela durante a vacância ocasionada pela transferência do bispo -, em virtude da saída do bispo Dom João José da Mota e Albuquerque para ocupar a Diocese de Sobral, no Ceará. Administrou a diocese até setembro do mesmo ano, entregando-a ao novo bispo Dom Francisco Austregésilo de Mesquita Filho.
Em 1962 fundou a Escola Paroquial na Rua Sempre Viva (atual Cônego João Leite, localizada na Rua Antônio Rafael de Freitas). Por essa época padre Antônio já comentava sobre a necessidade de se instalar na cidade uma Faculdade de Formação de Professores, para atender aos anseios da juventude.

O Santo Padre, o Papa João XXIII, em 27 de abril de 1963, o nomeou com título honorífico de Monsenhor. Com a súbita morte desse Papa, foi preciso haver uma reafirmação do título, fato que se deu em 30 de setembro do mesmo ano, no papado de Paulo VI.
Monsenhor Antônio, muito zeloso com religiosidade, reafirmou que o ensino do catecismo era de importância capital para estimular a curiosidade das crianças pelos assuntos da Igreja, e também sedimentar nelas a semente da cristandade. Durante as missas de qualquer outro celebrante, Monsenhor Antônio circulava a igreja mandando para dentro do templo os jovens fiéis que fugiam do sermão, para ficar conversando na calçada, do lado de fora.

Homem tímido, mas habilidoso, ele mesmo consertava o jipe da paróquia usado nas visitas às vilas e aos distritos da sua jurisdição. Consertava, também, o seu rádio e os dos amigos que o solicitassem.

Teve a saúde debilitada em virtude da diabetes, e por ser cardiopata. Na manhã de 11 de setembro de 1981, sexta-feira, o monsenhor Antônio falecia, após sofrer um AVC (acidente vascular cerebral). No seu sepultamento, um dos mais concorridos, veio gente de toda a região e de algumas cidades distantes (Pesqueira, Recife, Olinda, entre outras) Seus restos mortais foram sepultados na Igreja matriz do Senhor Bom Jesus dos Remédios, no lado esquerdo do altar.
Em sua homenagem, em 1980 foi dado o seu nome a uma escola estadual localizada na Rua Antônio Alves dos Santos, em Afogados da Ingazeira.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 9-Agosto-2020 / 21:10:35

Dona Ione de Góes Barros - Quando em Afogados da Ingazeira, visitávamos a professora/amiga para conversar e algumas vezes registrar em vídeo as histórias da sua vida. No dia 22 de julho de 2011, há nove anos, ela deixava um grande vazio entre os familiares e amigos.

Nasceu no dia 13 de setembro de 1924, fruto da união de João Cecílio do Rêgo Barros e Julieta de Góes Barros, na cidade de Afogados da Ingazeira, na residência dos avós maternos Petronila de Siqueira Campos do Amaral Góes e Coronel Luiz Alves de Góes e Mello. Pais cultos, a alfabetizaram nos primeiros anos de vida. Quando em Delmiro Gouveia, Alagoas, para onde a família se mudou para fixar residência, foi matriculada em Escola Pública Estadual.

Ela diz:
"A primeira e única professora primária, afora meus pais, foi Natércia Serpa de Menezes, grande professora, amiga, minha madrinha, a quem presto homenagem pelo que aprendi. Em dezembro de 1935, prestei exame de admissão no Colégio da Sagrada Família em Casa Forte, no Recife, onde fiquei interna todo o ano de 1935. Por questões financeiras, só pude prosseguir os estudos em 1940, no Colégio Sagrado Coração, em Caruaru, em regime de externato, ficando em casa de tia Maria Luíza e tio Osvaldo, cursando a 6ª série; e a 7ª série, em 1941, em regime de internato, pois meu tio, que era médico higienista, fora transferido para Vitória de Santo Antão.
Em 1942, consegui a transferência para o Curso Normal Rural do Colégio Nossa Senhora da Graça, em Vitória, pegando a reforma do Curso Normal Rural que, ao invés de quatro passou para cinco anos. Continuei em regime de externato, já que fiquei em casa dos meus tios.
Lá, em 1942, recebi a notícia do falecimento de meu pai, de angina-pectore. Entretanto, continuei os estudos. Foi um ano péssimo. Em dezembro de 1944 recebi o diploma de professora do Curso Normal Rural. No mês de janeiro de 1945, após 30 dias de Curso de Férias promovido pela Secretaria de Educação de Pernambuco, prestei concurso. Aprovada, fui nomeada para a Escola Estadual de Ibitiranga (Boa Vista), onde passei um ano lecionando. Apesar das dificuldades de transporte, gostei. Muitas vezes vinha a pé com as verdureiras para a feira do sábado aqui em Afogados da Ingazeira. Às vezes, vinha na garupa de animal com o Sr. Aurélio Pires.

Fui transferida para a Escola Isolada na cidade de Afogados da Ingazeira em 1946 - não havia grupo escolar - onde lecionei, até a inauguração do Grupo Escolar Padre Carlos Cottart, onde ensinei por vários anos. Prestei exame de suficiência em geografia em curso oferecido pelo MEC, tendo ensinado geografia e história de Pernambuco no Curso Normal.
Durante todos os anos que militei na educação era muito trabalho, estudo, cursos, pois havendo perdido meu pai muito cedo, assumi a responsabilidade de ajudar no estudo e formatura dos meus três irmãos, no que fui ajudada pelos meus tios maternos: Padre Góes, Letícia Góes e Miguel Góes (Miguelito). Foi muita luta, da qual saí vitoriosa, pois consegui formar todos. Meu único irmão é engenheiro civil e as duas irmãs são professoras.
Fiz Curso de Formação Rural na Escola Alberto Torres, e Curso de Artes Industriais, ambos no Recife. Em 1967, por indicação do senhor Bispo Diocesano D. Francisco, fui nomeada diretora do Colégio Normal Estadual de Afogados da Ingazeira, onde permaneci até o ano de 1989. Em 1990 solicitei aposentadoria da função de professora no Estado.
Colaborei na criação da Faculdade de Formação de Professores de Afogados da Ingazeira (Fapopi) e, na gestão do padre João Carlos Acioly Paz, que foi aluno do Colégio Normal na época em que fui diretora, recebi convite para a Diretoria da Parte Administrativa da Faculdade, onde fiquei durante quatro anos.

Sendo professora pelo Curso Normal Rural, houve necessidade profissional, por exigência da Secretaria de Educação, de complementar o curso frequentado, o Pedagógico, hoje Magistério, na cidade de Sertânia, pedindo transferência posteriormente, por conveniência de trabalho, para o curso pedagógico na Escola do Professor Jucá em São José do Egito, onde concluí.
As ser criada a Faculdade de Formação de Professores de Arcoverde prestei vestibular, sendo aprovada no Curso de Letras, com habilitação em Inglês/Licenciatura Curta, complementando o curso de Licenciatura Plena, na cidade de Cajazeiras, na Paraíba. Prosseguindo, em atendimento às exigências profissionais, cursei Pedagogia, com habilitação em Administração Escolar, na Faculdade de Filosofia de Caruaru. Entrei na Faculdade de Direito de Souza, na Paraíba, tendo acesso por portar diploma de curso superior, onde concluí o curso de Direito, prestando exame da OAB-PB. Posteriormente recebi a carteira da OAB-PE. Vale acrescentar que sempre consegui levar professores do Colégio Normal, do qual fui diretora por 22 anos, a fazer todos os cursos dos quais perticipei.

Afora os cursos universitários, participei de vários outros de aperfeiçoamento para diretores, promovidos pela SEC-PE, nas cidades do Recife, Garanhuns, Floresta, Petrolina, todos no Estado de Pernambuco. Todos esses cursos foram de livre e espontânea vontade, pois gostava do meu trabalho de ser diretora e professora. Enfim, gostava do meu trabalho, pois sendo titulada em Direito, nunca me interessei em prestar nenhum concurso ligado à prática jurídica, mesmo sabendo que a remuneração era e é muito superior à de professora. Não me arrependo, pois a melhor compensação é fazer o trabalho que você gosta, receber o agradecimento de pais, alunos, professores, pelo trabalho prestado à sociedade. Isso, não há dinheiro que pague." (...)"

Às 13h de 22 de julho de 2011, sexta-feira, a professora Ione Góes falecia no Hospital UNIMED Recife, aos 86 anos de idade. Seu corpo chegou a Afogados da Ingazeira na manhã do sábado 23, e foi velado na Capela do Colégio Normal e o sepultamento realizado às 16h no cemitério São Judas Tadeu. Cinquenta e três dias depois ela estaria completando 87 anos.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 29-Julho-2020 / 9:55:50
Caro FERNANDO,
Grato pelo envio do vídeo da “live” de poeta Bráulio Bessa. Adorei a Arte dessa moçada.
Isto é que é a beleza da música e linguagem no estilo sertanejo ou "country", me trazem as lembranças, desde as minhas caminhadas não consentidas, em busca dos juás e umbuzeiros, desde o Borges, Gangorra e Riacho da Onça, eram uma aventura, e eu gostava da paisagem, mormente, nas chuvas.
Infelizmente essas paisagens desapareceram debaixo do crescimento urbano e das reformas rurais. Mesmo assim, ainda me levam aos distantes Sábados das cantorias de violeiros, repentistas dos cordéis do saudoso JOÃO MARTINS DE ATAYDE... Tudo bem ao lado da nossa Igreja Matriz... Aquelas cantigas falavam de coisas, aparentemente estranhas: - um pedaço de rapadura, um "coco" de água fria, a "quartinha" na janela... era bom demais. De tudo aquilo só falta agora, juntar: de mala e cuia, com bisaco, "bornal", cabaça e bogó, - montar no jegue e partir p'ra casa de "Mãe Filo" que sabe dar cafuné.
Infelizmente, hoje o sertanejo daqui já não pensa mais essas tradições. Os sertanejos do Sul também esqueceram a beleza e a tradição do estilo de PEDRO RAYMUNDO, cantando 'Adeus Mariana', 'Gaucho Largado' e outros... Quem não deixa cair a moda, no seu estilo, são os Centros de Tradição Gaúcha.
José Batista do Nascimento
RECIFE, PE Brasil - 28-Julho-2020 / 10:11:01

Caso queira, [INSCREVA-SE no meu Canal do YouTube] - "FernandoPires1" - e vc será informado todas as vezes que eu postar algum vídeo.

Ao clicar em qualquer um dos 183 vídeos, vc verá a opção "INSCREVER-SE".

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 25-Julho-2020 / 20:17:28
[Anterior] [Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks