AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 321 a 360 do total de 5214 [Anterior] [Próximo]

Álbum Iconográfico de Afogados da Ingazeira

O amigo Fernando Pires tem sido um conterrâneo dedicado ao nosso rincão, propagando sua beleza sertaneja e sua gente. Agora ele nos apresenta nesta nova versão tecnológica do Blu-Ray o Álbum Iconográfico revisado com aperfeiçoadas fotos e o som magnífico. Ele escolheu como background musical musicas que nos toca profundamente, começando com Asa Branca, minha favorita.

Para ver a nova versão do álbum tive que comprar o Blu-Ray player pois eu estava parado na década passada quando o DVD era suficiente. Na realidade eu estava procurando uma desculpa para atualizar o meu sistema de entretimento o que achei ao receber este álbum com tópicos e lugares distantes no passado do nosso sertão.

Os cenários bucólicos de outrora apresentados em fotografias em preto e branco são em si de uma beleza singular que nos deixa a meditar e relembrar fatos e pessoas que foram de um modo ou de outro parte significante em nossa vida. Desde o início da construção da Igreja (Catedral) até os dias atuais em fotos coloridas é como se estivéssemos rejuvenescendo . As fotos estão claras e limpas graças a ajuda da tecnologia moderna que tem meios de “ressureição” de fotos que pensávamos impossível de usá-las.

Ver e rever Zé Jaboatão com a carroça puxada a burro (ele era o nosso coletor de lixo) a nos convidar a um passeio naquele solo rico e seco ou simplesmente a uma soneca na rede até que o calor diminua. Os cenários ficam a brincar em nossa mente num borbulhão de fantasias de um tempo passado e muito querido por nós, principalmente os expatriados como eu.

Vendo as fotos do Cine Pajeú, me vem à mente um garoto que conheci bastante e que era encantado com o prédio e ações que ali se apresentavam nos seriados e filmes, nos dando assunto pra discutir o que foi ou não foi com nossos colegas em discussões bem alongadas.

As fotos do evento histórico da inauguração da estação do trem que nos levaria ao Recife e a cidades naquela direção, nos lembra que participamos daquela cerimonia e que hoje só restam as lembranças, pois tudo aquilo não mais existe. Teve realmente vida curta, mas deixou lembranças daquele período da nossa vida bem vividas.

As fotos mais atuais são lindas, apresentando as ruas que não cheguei a conhecer, lugares satélites da cidade em cor, nos dando outra perspectiva do local, devo dizer, no entanto, que de todas as fotos a que mais me emociona é a foto da Igreja com a Serra dos Pereira (ou Pereiros) ao fundo. Dá vontade de gritar como o fazia no velho Cine Pajeú, “Aí mocinho!”. Fico olhando por longos momentos, tentando absorver o máximo daquele panorama que o Senhor Deus nos proporcionou.

Sem dúvida, ver as fotos dos nossos pioneiros nos faz orgulhosos de ser Sertanejos do Pajeú.

Agradeçamos, portanto, ao Fernando Pires, autor desse belo e laborioso trabalho apresentado e por sua dedicação marcante à nossa cidade e ao nosso povo. Congratulações está em ordem.

Zezé Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead, Califórnia, CA EUA - 5-Outubro-2014 / 21:13:17

Eleições

"Quando todas as armas forem propriedade do governo e dos bandidos, estes decidirão de quem serão as outras propriedades.” Benjamin Franklin

De autoria da escritora Rachel de Queiroz, o texto “Votar” foi publicado na extinta revista O Cruzeiro, em 11/1/1947. Há quase 70 anos, portanto. Por ser um pouco longo, destaco apenas algumas partes dele:

“(...) Pelo voto não se serve a um amigo, não se combate um inimigo, não se presta ato de obediência a um chefe, não se satisfaz uma simpatia. Pelo voto a gente escolhe, de maneira definitiva e irrecorrível, o indivíduo ou grupo de indivíduos que nos vão governar por determinado prazo de tempo.

(...) Escolhemos igualmente pelo voto aqueles que nos vão cobrar impostos e, pior ainda, aqueles que irão estipular a quantidade desses impostos. Vejam como é grave a escolha desses “cobradores”. Uma vez lá em cima podem nos arrastar à penúria, nos chupar a última gota de sangue do corpo, nos arrancar o último vintém do bolso.

(...) Escolhem-se nas eleições aqueles que têm direito de demitir e nomear funcionários, e presidir a existência de todo o organismo burocrático.

(...) E, circunstância mais grave e digna de todo o interesse: dá-se aos representantes do povo que exercem o poder executivo o comando de todas as forças armadas: o exército, a marinha, a aviação, as polícias.

(...) E assim, amigos, quando vocês forem levianamente levar o voto para o Sr. Fulaninho que lhes fez um favor, ou para o Sr. Sicrano que tem tanta vontade de ser governador, coitadinho, ou para o Beltrano que é tão amável, parou o automóvel, lhes deu uma carona e depois solicitou o seu sufrágio – lembrem-se de que não vão proporcionar a esses sujeitos um simples emprego bem remunerado.

(...) Votem, irmãos, votem. Mas pensem bem antes. Votar não é assunto indiferente, é questão pessoal, e quanto! Escolham com calma, pesem e meçam os candidatos, com muito mais paciência e desconfiança do que se estivessem escolhendo uma noiva.

(...) Porque, afinal, a mulher quando é ruim, briga-se com ela, devolve-se ao pai, pede-se desquite. E o governo, quando é ruim, ele é quem briga conosco, ele é que nos põe na rua, tira o último pedaço de pão da boca dos nossos filhos e nos faz apodrecer na cadeia. E quando a gente não se conforma, nos intitula de revoltoso e dá cabo de nós a ferro e fogo.

(...) E agora, um conselho final, que pode parecer um mau conselho, mas no fundo é muito honesto.

(...) Meu amigo e leitor, se você estiver comprometido a votar com alguém, se sofrer pressão de algum poderoso para sufragar este ou aquele candidato, não se preocupe. Não se prenda infantilmente a uma promessa arrancada à sua pobreza, à sua dependência ou à sua timidez. Lembre-se de que o voto é secreto.

(...) Se o obrigam a prometer, prometa. Se tem medo de dizer não, diga sim. O crime não é seu, mas de quem tenta violar a sua livre escolha.

(...) Se, do lado de fora da seção eleitoral, você depende e tem medo, não se esqueça de que DENTRO DA CABINA INDEVASSÁVEL VOCÊ É UM SER LIVRE. Falte com a palavra dada à força, e escute apenas a sua consciência.

(...) Palavras o vento leva, mas a consciência não se muda nunca, acompanha a gente até o inferno.”

São observações que devemos levar em consideração na hora de votar.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 27-Setembro-2014 / 7:13:17
José Menino de Souza

Faleceu, em Afogados da Ingazeira, às 20h40 de ontem, o sr. Zuzinha.
O sepultamento será realizado às 16h30 desta sexta-feira no cemitério São Judas Tadeu.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 26-Setembro-2014 / 10:55:23

Vencer na vida sem vender a própria vida

É comum vermos jovens de todas as categorias sociais afirmarem que seu grande desejo é “vencer na vida”. Isso significa qualificar-se e depois buscar os melhores salários, avançando, gradativamente, na escala de postos mais altos no mercado de trabalho. Segundo confiável pesquisa, a remuneração é prioridade em relação a cargos ou outras denominações de caráter promocionais e exibicionistas.
Nos últimos concursos públicos mais concorridos do Brasil foi registrada uma média de 1.500 concorrentes para cada posto oferecido pela Caixa Econômica Federal, Petrobrás, Anatel e Supremo Tribunal Federal.
Estranhamente a rigorosa exigência da Lei, quanto ao preenchimento dos pré-requisitos eleitorais para disputar o cargo mais alto do país, inibe possíveis pretendentes fazendo com que, neste pleito de 2014, apenas onze candidatos se tornem aptos para aprovação popular no próximo dia 5 de outubro.
O salário para a função de Presidente da República Federativa do Brasil é de, aproximadamente, R$26.700,00. Com os devidos descontos recebe líquido R$19.800 para governar um país com mais de 200 milhões de habitantes. Bons consultores, médicos famosos, diretores de grandes empresas e, até mesmo, muitos servidores públicos ganham quantia igual ou infinitamente superiores ao Chefe da Nação. Então, o que existe por trás da Cadeira mais cobiçada e, paradoxalmente, menos concorrida do Brasil?
Acreditamos que uma das respostas para tão enigmático questionamento virá dos mais de 141 milhões de eleitores no solitário momento com as urnas; os demais esclarecimentos acontecerão à medida em que essa nova geração de moças e rapazes continuarem sonhando em “vencer na vida” sem ter que, em troca de promessas eleitoreiras imorais e ilícitas, vender a própria vida. Setembro/2015

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 22-Setembro-2014 / 18:18:24
Fernando, obrigada!
Através da sua pagina consegui entrar em contato com minhas amigas de infância!

Tô muito Feliz!
Obrigada!

Cida Campos Pita <vidamaya@gmail.com>
Belo Horizonte, MG Brasil - 22-Setembro-2014 / 14:07:57

Natalicia Liberal (Nicinha Liberal) <Nathalicia.29@hotmail.com>
São José do Rio Preto, SP Brasil - 16-Setembro-2014 / 18:58:57

Os representantes do povo

Segundo a mitologia grega, Narciso era um herói. Sua beleza e seu excessivo orgulho lhes tornaram muito famoso. Afogou-se nas águas de um lago admirando sua própria imagem, pensando ser a semelhança de sua irmã gêmea que teria falecido e pela qual tinha uma enorme admiração.

Início do século XIX, Napoleão Bonaparte, o ambicioso soberano francês afirmava que “é melhor não ter nascido do que viver sem glórias”. Faleceu aos 51 anos vítima de uma úlcera provocada, segundo o médico que o assistira, pela ansiedade.

A vaidade é, geralmente, uma característica de quem almeja um desejo excessivo de ser admirado; a ambição mostra de que o ser humano é capaz para ostentar fama, riqueza e poder. Na verdade são sentimentos que, quando não dosados, podem nos levar a caminhos perigosos e, muitas vezes, sem retorno.

Estamos assistindo a mais uma edição da “corrida eleitoral” em nível de estado e do país que acontece a cada quatro anos aqui no Brasil. Temos mais de uma dezena de candidatos competindo para o cargo de Presidente da República; além de Senadores e Governadores vamos escolher, ainda, os Deputados Federais e Estaduais em todos os estados da federação.

Infelizmente quando se trata desse tipo de competição o respeito e a lealdade desaparecem e dão lugar as mais absurdas práticas de engodo e ganância na tentativa de conquistar o voto, custe o que custar.

Torçamos para que a maioria dos candidatos não seja contaminada por sentimentos vaidosos, e que a ambição esteja apenas dentro dos parâmetros de uma conquista honrosa. Vamos participar dessa grandiosa festa cívica observando e fiscalizando para que prevaleçam os reais e verdadeiros objetivos da nobre função de “representantes do povo”.

Democraticamente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 9-Setembro-2014 / 21:28:56
Soubemos, recentemente, do falecimento de Carlos Pereira Viana (1938-2014), ocorrido em Serra Talhada, no dia 27 de agosto.
Aos familiares, nossas condolências.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 4-Setembro-2014 / 14:00:40

Monstro Sagrado

A notícia da morte do poeta João Paraibano, o mais pernambucano de todos os paraibanos que escolheram este pedaço de chão nordestino para viver, emudeceu o som da viola, engasgou a voz dos repentistas pajeuzeiros, silenciou o campo, entristeceu a alma dos seus admiradores e levou o Pajeú às lágrimas.

Tem gente que não devia morrer nunca. Com a sua viola inseparável, João Paraibano era um desses. Repentista de mão cheia, improvisador que a partir de um mote criava espontaneamente um poema, ele cantava a natureza, os animais e sua gente.

Era um gênio em qualquer dos gêneros do improviso: sextilhas, décimas, oitavas, martelos e o galope a beira mar. Simples, bem inspirado, seguro na estruturação do verso, estava inserido no rol dos grandes nomes da cantoria nordestina, um dos maiores astros permanentes no palco dos festivais de cantoria da região.

Sabia temperar com emoção e graça seus versos doces e espontâneos, que entravam em nossos ouvidos como um canto de sereia, enfeitiçando e seduzindo. Com o seu canto, fez da dor sertaneja o riso, da seca o grito dos excluídos. Sua poesia, como dizia, vinha como uma flor da ventania.

João Paraibano tinha uma verve só comparável aos grandes menestréis da poesia, trovões do improviso, como os saudosos Lourival Batista, Pinto do Monteiro, João Furiba, Otacílio Batista, Jó Patriota, Manoel Filó e Cancão. Na euforia das primeiras chuvas, quando o companheiro de viola lhe provocou sobre a seca, João Paraibano beliscou as cordas da viola e cantou assim:

“Cai a chuva no telhado/ a dona pega e coloca/ uma lata na goteira/ onde a água faz barroca/ cada pingo é um baião/ que o fundo da lata toca.” “Vi o fantasma da seca/ Ser transportado numa rede/ Vi o açude secando/ Com três rachões na parede/ E as abelhas no velório/ Da flor que morreu de sede.

Um companheiro de cantoria lembrou-lhe a chegada da velhice, dada a presença dos cabelos brancos que já lhe enfeitavam a fronte e apresentou o seguinte mote: “A velhice vem chegando/ é preciso ter cuidado!”

Paraibano respondeu magistralmente: “Estou ficando cansado/ o corpo sem energia.../ Jesus pintou meu cabelo no final da boemia/ pintou mas nem perguntou/ qual era a cor que eu queria!”

Numa cantoria em que era saudada a chegada da chuva no sertão, improvisou alegre:

“Quando esbalda o nevoeiro/ rasga-se a nuvem, a água rola/ um sapo vomita espuma/ onde o boi passa se atola/ e a fartura esconde o saco/ que a fome pedia esmola.”

João Paraibano cantou com maestria o seu sertão do Pajeú, especialmente a sua amada Afogados da Ingazeira, com quem fez um casamento indissolúvel.

'Uma vida vivida no sertão/ uma fruta madura já caindo/ um relâmpago na nuvem se abrindo/ um gemido do tiro do trovão/ meia dúzia de amigos no salão/ nem precisa de um piso de cimento/ minha voz, as três cordas do instrumento/ o meu quadro de louco está pintado/ O poeta é um ser iluminado/ que faz verso com arte e sentimento”.

Sobre a saudade: 'Vou no trem da saudade todo dia/ Visitar o lugar que eu fui criado/ No vagão da saudade eu tenho ido/ Ver a casa que antes nasci nela/ Uma lata de flores na janela/A parede de taipa e o chão varrido/ Milho mole esperando ser moído/ Numa máquina com o ferro enferrujado/ Que apesar da preguiça e do enfado/ Mãe botava de pouco e eu moía/ Vou no trem da saudade todo dia/ Visitar o lugar que fui criado”.

João Paraibano amava o que fazia, a poesia, que no seu canto se fez belo e forte. João era a beleza que se ouve no silêncio. A sua poesia penetrava no vazio das nossas almas e nos fazia feliz. João era aquele poeta que os demais poetas olhavam para ele para aprender de novo. Ele desencaixotava emoções, recuperava sentidos.

Só veem as belezas do mundo, através do canto e da poesia, aqueles que têm belezas dentro de si, como João Paraibano.

Descansa em paz, poeta!


GENIALIDADE – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, o prefeito de Tabira, Sebastião Dias (PTB), que fez dupla com João Paraibano durante 36 anos, afirmou que o parceiro era um gênio do improviso. “Com ele, ganhei muitos prêmios por este país afora. Ele nos fará uma grande falta, ficou um vazio indescritível. O Pajeú perdeu um dos seus maiores repentistas”, afirmou.

Magno Martins, em seu blog
Recife, PE Brasil - 4-Setembro-2014 / 10:26:34
O site está fora do ar, Fernando?

__________________________________

Sim, Genival. Em substituição, disponibilizei em BLU-RAY um Álbum Iconográfico com mais de 550 (quinhentas e cinquenta) imagens de Ontem & Hoje, incluindo aí mais de 200 (duzentas) personagens que já não se encontram entre nós.
Para adquiri-lo, veja instruções em postagem abaixo.

Genival <transcatedralsp@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 3-Setembro-2014 / 23:20:03

João Paraibano -

O velório está sendo realizado hoje no Cine São José, em Afogados da Ingazeira, devido a grande quantidade de pessoas que irão à cidade prestar sua última homenagem de corpo presente.

O sepultamento ocorrerá na tarde desta quarta-feira 3, no cemitério São Judas Tadeu da cidade.

São esperados muitos poetas repentistas e amigos de outras regiões para dar o último adeus ao João.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 3-Setembro-2014 / 6:52:17

Morre o poeta/repentista João Pereira da Luz (João Paraibano)

Há quase um mês - 3 de agosto - o poeta ao atravessar uma rua central de Afogados da Ingazeira, foi atropelado por uma moto. Após ser levado ao Hospital da cidade, viu-se a necessidade de sua transferência para a capital pernambucana, onde passou por dois hospitais.
Nesta madrugada de 2 de setembro, devido a uma infecção generalizada, veio a óbito, no hospital ALPHA, Boa Viagem, no Recife.
O corpo será transladado para Afogados da Ingazeira, onde ocorrerá o sepultamento.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 2-Setembro-2014 / 10:16:03
Fernando, você pode me ajudar? Tô procurando amigas e amigos de infância que moraram na Av Rio Branco: Iranilda, Inalva (Nalvinha) ,Taninha, Ivan, Nene, todos irmãos, filhos de José Genesio. Nosso último contato foi nos anos 90. Iranilda trabalhava no Centro de Saúde MANDACARU. Meu e-mail é vidamaya@gmail.com ou Facebook.
Desde já, obrigada!

Cida Campos Pita <vidamaya@gmail.com>
Belo Horizonte, MG Brasil - 26-Agosto-2014 / 10:32:53
Faleceu, há pouco, no hospital Samaritano, em João Pessoa (PB), Elizeu Pires Ferreira, meu tio.
A família está resolvendo onde o corpo será sepultado. Uma das opções é o túmulo da família no cemitério São Judas Tadeu, em Afogados da Ingazeira.
_________________________________
(26.08.2014) Em vista das raízes dos filhos em Princesa Isabel (PB), os familiares optaram por aquela cidade para a realização do sepultamento às 17h desta terça-feira.

Saímos, eu e familiares direto para Princesa Isabel, onde chegamos às 15h, e encontramos Terezinha (a esposa), filhos, netos e bisnetos do tio Elizeu.
Lá já estavam Betinha (minha tia) e filhos, Aparecida e família e Elvira de Siqueira que o tinha como um irmão. Depois chegaram Ubaldo, Horácio, José Jurandir, Aldinho, Luiz Pires, Geni Marinho, Socorro e Petrônio.
Próximo das 18h o corpo do tio querido, foi sepultado.

Deixou muitas saudades aos parentes e amigos.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 25-Agosto-2014 / 21:25:16
É consternado que tomo conhecimento da morte do amigo e parente, José Balbino de Siqueira. Durante vários anos, juntamente com Fernando Pires e tantos outros bons colegas, trabalhamos na agência do Banco do Brasil em Afogados da Ingazeira.

Edson Siqueira <edsoncsiqueira@yahoo.com.br>
Caruaru, PE Brasil - 22-Agosto-2014 / 14:52:57
Faleceu às 16h05 desta tarde (quinta-feira, 21), no Real Hospital Português do Recife, nosso colega José Balbino de Siqueira.
O corpo, neste momento (18h25), está sendo encaminhado para o Necrotério do Hospital. A filha Patrícia está à frente de todos os procedimentos legais para que o corpo esteja em Afogados da Ingazeira na manhã desta sexta-feira para o velório e sepultamento.
Aos familiares, nossa solidariedade.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 21-Agosto-2014 / 18:25:57
Olá Fernando, Estou te escrevendo em nome da minha mãe Jovita Pacheco dos Santos que procura por sua mãe Maria José Valero dos Santos, filha da senhora Jovita da Conceição.
Elas foram separadas quando minha mãe ainda era um bebê de 1 ano e 8 meses, 36 anos atrás. Eram cinco filhos com minha mãe e todos eles foram trazidos para Sergipe por meu avô Antônio Pacheco dos Santos.
As únicas informações que temos é que minha avó, após se separar do meu avô, disse que ia voltar para a cidade de Buíque-PE, onde vivia sua família, em um sitio chamado Ingazeira, e era conhecida por Zezinha.
Estou te pedindo esta ajuda, por que em procura na internet encontramos seu site e percebemos que você conhece bastante gente. Então, por favor, nos ajude a divulgar e, se souber qualquer informação, nos avise.
Muito Obrigada por sua atenção. Esperamos por sua resposta.
Atenciosamente,

Renata Santos <renata16a@gmail.com>
Riachuelo, SE Brasil - 17-Agosto-2014 / 20:12:56
Nossa terra, nossa gente!

A Coleção Aplauso é uma coletânea de registros que a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo possui para homenagear as pessoas que fizeram e fazem parte da sua história. Essa excelente ideia e inteligente providência nos permite acreditar que, realmente, as pessoas de caráter ilibadas, coragem para trabalhar e que respeitam o próximo são exemplos para as gerações futuras.

Nos primeiros versos do poema “Meus oito anos”, Casimiro de Abreu expressa todo seu sentimento de boas recordações ao declamar “Oh! Que saudades que tenho / Da aurora de minha vida, / Da minha infância querida / Que os anos não voltam mais!”. É certo que o tempo não pode retroagir, mas podemos relembrar bons momentos vividos em nossa cidade e citar algumas personalidades que escreveram, orgulhosamente, essa página.

Vivi plenamente, ainda criança, as décadas de 60 e 70 em Afogados da Ingazeira, atualmente a cidade mais próspera do Alto Sertão Pernambucano e recordo-me do Sr. Andrelino Lucas, homem honesto e responsável, vendia passagens de ônibus o que faz até os dias de hoje; Dr. Aluízio Arruda, cirurgião dentista que atendia toda população com muito cuidado e respeito, aposentado prosa com amigos sobre futebol e política; Isaias do Banco do Brasil que com sua invejável disposição e humildade, desempenhava outras atividades para completar o orçamento familiar, hoje perto de completar oitenta anos realiza trabalhos de marcenaria nos fundos de sua residência; Tárcio de Gastão, cidadão simples e dedicado que desde menino trabalhava como comerciário para ajudar os pais e hoje é funcionário público municipal; Toinho Xavier que com seu talento artístico, alegrava as tardes do Domingo Alegre no Cine São José e ainda trabalhava na Rádio Pajeú, hoje tem uma lojinha onde comercializa santos de resina, gesso e porcelana; e porque não lembrarmos da voz mais ouvida do Pajeú, Lindaura Siqueira, que entoava “Cinderela” para jovens e adultos se deliciarem com sua interpretação encantadora, atualmente vende seus trabalhos em cd’s bem produzidos com belas canções do passado e do presente.

Certamente temos não apenas esses sete figurantes para expor nessa seleta galeria, mas sete vezes setenta. Cabe a todos que viveram essa época de construção e consolidação na cultura de comportamento de um povo a iniciativa de acrescentar nomes para que nossa terra continue sendo o reflexo de nossa gente.

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 11-Agosto-2014 / 8:30:46

Erika Amanda - ONG Diaconia
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 25-Julho-2014 / 11:22:45

Isabela Almeida Pires de Sá <bellacalheiros@hotmail.com>
SALVADOR, BA Brasil - 22-Julho-2014 / 17:49:21

Jovelina Maria da Conceição
1915 – 2014

Dona Jovelina, antiga servidora do Colégio Normal, faleceu nesta segunda-feira 21, em sua residência, de causas naturais, aos 99 anos de idade.
Em virtude de alguns filhos residirem em outros estados, o sepultamento será realizado na quarta-feira 23, em Afogados da Ingazeira.

______________________________

Filha de José Lourenço de Sena e Luzia Maria da Conceição, nasceu no dia 12 de junho de 1915, no sítio Poço do Veado, município de Carnaíba.
Viveu sua infância e juventude com os pais. Era afilhada do casal Odon Padilha.
Na juventude ajudou a criar os irmãos do namorado porque a mãe deles - Verônica -, parteira, foi assassinada. Dona Jovelina se casou aos 19 anos, no dia 08 de dezembro de 1935 com Luís Henrique de Sena, em Afogados da Ingazeira. Dessa união teve 21 filhos: Expedita, Elias, Creuza, José, Francisco de Assis, Maria José, Maria de Fátima, Bernadete Maria e adotou Albérico Luiz de Sena. Alguns dos filhos, já falecidos.
Enviuvou em 13 de julho de 1964, aos 49 anos de idade, quando estava grávida de 2 meses de um filho.
Trabalhou no pre-seminário (seminário menor), nos anos 1960, que se localizava vizinho à então Maternidade Emília Câmara. Depois no Colégio Normal, até 1985, quando se aposentou aos 70 anos de idade.
Neste 12 de junho de 2014 completou 99 anos.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 22-Julho-2014 / 8:36:56
Fernando, senti muito a retirada do site tão importante pra nós que vivemos fora de nossa querida cidade. Não avalias o quanto vc é superior a essas criticas feitas por pessoas invejosas. Acho que não devias dar gostinho a eles.
Pense bem, não podemos pagar pelos erros dos outros, volte vc é maior, vc pode, vc merece ser chamado de amigo, competente e cidadão do bem. Amo o seu trabalho, volte vc é especial pra sua cidade e seus conterrâneos.
Um abraço desta que te admira.

_______________________________
Robélia, obrigado pelo comentário no nosso mural. Quanto à desativação da nossa página e exclusão do FaceBook, não diria que foram por críticas, mas ao meu desencantamento com atitudes irresponsáveis e desrespeitosas de certas figuras da nossa cidade.
Mas, tudo passa!... [Fernando Pires]
_______________________________

Robélia Soares de Siqueira André <soaresrobelia123@hotmail.com>
Jacupiranga, SP Brasil - 8-Julho-2014 / 21:40:59
Senti muito a saída do FaceBoock do nosso amigo e conterrâneo Fernando Pires. Através dele eu ficava a par de todos os acontecimentos de Afogados da Ingazeira.

Natalicia Liberal (Nicinha Liberal) <Nathalicia.29@hotmail.com>
São Josá do Rio Preto, SP Brasil - 28-Abril-2014 / 14:57:18

Juntos, eternamente!

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 26-Abril-2014 / 20:53:48
Faleceu há pouco - na tarde deste domingo -, no Real Hospital Português do Recife, a bancária Geraldina Alcântara de Macêdo.
A filha, Maria Theresa, informa que o velório será realizado no mesmo hospital. A cremação se dará amanhã, pela manhã.

Fernando Pires <fernandopires1@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 6-Abril-2014 / 17:33:54
A mais elevada forma de arte O talento artístico começou a ser valorizado na fase do Renascimento, principalmente na Itália, onde governo e clero estimulavam e financiavam a prática da arte. Essa ideia teve bastante força na Europa durante os séculos XV e XVI. Duzentos anos depois, com o iluminismo, conhecido como o Século das Luzes, surgiu na França um movimento cultural promovido por intelectuais europeus que tratou de estudadar as artes com outras finalidades e, um dos principais objetivos era combater abusos e arbitrariedades cometidos contra a sociedade por governos e outras instituições.
Arquitetura, escultura, pintura, gravura, música, coreografia e cinema formavam as sete primeiras Belas Artes. Gramática, eloquência, poesia e literatura eram do grupo das Belas Letras. Atualmente a fotografia e as artes digitais também fazem parte dessa nobre relação.
Dentre as artes classificadas, consensualmente, por intelectuais do ramo, a “Música” é a primeira da lista. A Literatura aparece na sexta colocação. Nada contra... Até porque essa ordem não representa grandeza de importancia frente as demais. Devo registrar que todas as formas e características de artes merecem nosso respeito e admiração. Todavia gostaria de destacar, especificamente, a Literatura de Cordel que embora seja uma prática oriunda de Portugal e Espanha, foi aqui no nosso Nordeste Brasileiro que ganhou notoriedade e fama com o surgimento dos famosos “poetas repentistas”. São sem nenhuma dúvida os melhores do Brasil e, quicá, do mundo. Constroem obras literárias de fácil entendimento, escrevem o que o povo sente e cantam o que todos querem ouvir. Eita! E mais, são artistas populares que conseguem “tirar de onde não tem e botar onde não cabe” com uma rapidez incomum, criando ricos versos de conhecimentos gerais e rimas altamente sincronizadas. É a arte e a beleza do improviso! Entoam e vibram de forma elegante com a certeza de estarem exercendo a maior das artes.
Talvez quem sabe seguiram o exemplo do grande Charles Chaplim quando num discurso de premiação disse que “o assunto mais importante do mundo pode ser simplificado até ao ponto em que todos possam apreciá-lo e compreendê-lo. Isso é, ou deveria ser, a mais elevada forma de arte.”

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 3-Abril-2014 / 20:17:44
Hoje, 2 de abril, está completando um mês da morte, em Serra Talhada, de EDNEZ LINO DA SILVA, aos 20 anos da idade, em acidente de moto. Também faleceu o motociclista AURICÉLIO. Ela nasceu no dia 11.11.1993.

Gonzaga Barbosa <gonzagabarbosa40@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 2-Abril-2014 / 14:41:47
Dr. Hermes Canto foi um grande vulto da história de Afogados da Ingazeira.

José de Souza Canto Neto <zitocanto7@hotmail. com>
Carpina, PE Brasil - 31-Março-2014 / 15:17:06
Quanto tá custando uma casa no centro de Afogados da Ingazeira?

Natal Elisbao da Silva <natalelisbaodasilva@yahoo.com.br>
Diadema, SP Brasil - 30-Março-2014 / 18:43:06
Fiquei triste com o desativamento do site Afogados da Ingazeira Ontem & Hoje. Nós perdemos uma pessoa voltada para a cultura.
Lembre-se, você é IMPORTANTISSSIMO. Você é verdadeiro, leal, sincero e amigo de todos. Pense naquelas pessoas que estão distantes e através da leitura e fotos amenizavam as saudades.
Estou imaginando que é temporário, quero acreditar. Lamento, em nome da minha família.

Balbina Alves Leite <balbinaleite@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 21-Março-2014 / 23:06:54
Somente agora é que estou externando o meu sentimento pela ausência da página Afogados da Ingazeira ONTEM & HOJE. Os comentários de que poucos sentiram a sua falta, talvez, não seja real. Provavelmente, muitas pessoas - principalmente as que vivem distante deste torrão - que se deliciavam com o conteúdo das informações e resgates históricos dessa região, ainda, não assimilaram a perda com o encerramento desta página.
Como não ficou evidente o motivo da decisão, fica-se no imaginativo de que está apenas temporariamente "fora do ar", como é comum acontecer com Blogs e Sites. De qualquer forma fica uma lacuna a ser preenchida.

Marcelo Vieira <marcelovieira62@ig.com.br>
Casinhas, PE Brasil - 11-Março-2014 / 1:57:11

Projeto de Deus

Semana que passou relemos o romance “As Intermitências da Morte”, de José Saramago, Prêmio Nobel de Literatura de 1998. O criativo e sábio português, falecido em 2010, retrata uma interessante estória onde a morte resolve fazer greve. Isso gera um enorme desconforto aos órgãos que constituem a sociedade moderna. Governo, religiões, imprensa, funerárias, hospitais, seguradoras e outras entidades cobram uma “urgente” explicação para tão inusitada e “estranha” atitude, ainda mais partindo dela, a temida morte. Diz a sabedoria popular que o cachorro é o maior amigo do homem. Já alguns estudiosos afirmam que o medo é o pior inimigo dos seres humanos. O medo sempre vem acompanhado do fracasso, da enfermidade e das convivências indesejadas. Ora, quantas pessoas não querem nem ouvir falar do passado? E do futuro se “pelam” de temor; e de ficarem loucos? Nem gostam de pensar! A que provoca maior pavor é, sem nenhuma dúvida, a morte. Mesmo sendo ela obra e criação do Divino Mestre.
Nascemos, crescemos, reproduzimos e depois... Partimos para outra dimensão. Cabe a nós, simples humanos e pecadores, seguir essa lógica de forma mais saudável possível, aproveitando a espetacular oportunidade da vida para preparar e nutrir, com boas ações, o sentimento e a pureza da alma que enfrentará, certamente, um enigmático caminho.
Todos nós sofremos com a perda de um ente querido. Sabemos perfeitamente que a cumplicidade e vínculo amoroso entre mãe/filha, pai/filho e marido/mulher é de altíssimo nível espiritual. Portanto, é mais que normal que essa saudade, muitas vezes, permaneça por um tempo ainda maior em relação a outras situações. Porém isso não significa o fim e, o que não podemos permitir é que essa dor se perpetue em nossos corações, chegando a comprometer inclusive, nossa já pouca fé.
Sem medo e com muita confiança, esperamos que a ficção do famoso escritor, num futuro bem próximo, torne-se a realidade escrita no livro do Apocalipse onde Deus promete que um dia “não haverá mais morte”, afirmação retificada nos Salmos registrando que “os próprios justos possuirão a terra e residirão sobre ela para todo o sempre”.
Eternamente fiel ao projeto de Deus,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 10-Março-2014 / 13:00:42

Campanha da Fraternidade 2014

Em 1978 o longa metragem “Coma” estrelado por Michael Douglas, contava a saga de uma jovem médica que descobre algo sinstro no hospital em que trabalha. Pacientes sem grandes complicações entravam em coma profundo, articulado criminosamente por profissionais responsáveis pelos procedimentos e, depois eram enviados para uma instituição que negociava os órgõas humanos por altíssimos preços.
A Campanha da Fraternidade 2014 tem como tema “Fraternidade e Tráfico Humano” e adota o lema “É para liberdade que Cristo nos libertou”. A Igreja lembra que a maioria das pessoas traficadas é pobre e as organizações criminosas aproveitam-se dessa situação para ludibriar com falsas promessas de uma vida mais “tranquila”. Adultos, jovens e crianças, de todas as raças, são explorados de forma escrava e cruel, chegando em muitos casos, a óbito.
Não se espatem! Recentemente, o perigoso “Marcola”, um dos líderes do PCC, organização criminosa, disse em entrevista ao Jornal O Globo que a “indústria do pó” nunca chegará ao fim, pois dela fazem parte influentes políticos, graduados policiais e até ex-presidente de país vizinho ao nosso com poderes absolutos para comandar, além do comércio de drogras, outras atividades irregulares, incluindo o tráfico de pessoas para fins extremamente duvidosos.
No filme as autoridades prendem os acusados; na vida real os presos acusam as autoridades. Apesar dos fatos serem assustadores, vamos ter fé, esperança e coragem para combater essa prática que envergonha e aterroriza a humanidade. O primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos do Homem afirma que “todos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e de consciência e devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.”
Então, por pior que seja a tirania e periculosidade adotada por uma facção ou grupos isolados de pessoas, sempre nos sobrará um sentimento de escolha e acertada decisão. Afinal, “é para liberdade que Cristo nos libertou”.

Fraternalmente,

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 10-Março-2014 / 12:59:05
Sou mais um afogadense que vive nesse mundão, morando na cidade grande e sentindo falta do meu sertão.
Um abraço, saudades

Leo Barbosa
PE Brasil - 9-Março-2014 / 22:56:04
SENTIMOS MUITO PELO TÉRMINO DA NOSSA PAGINA. SEI QUE TENS TEUS MOTIVOS E RESPEITAMOS.
QUE DEUS TE ABENÇOE E ILUMINE TODOS OS SEUS. MESMO NÃO PARTICIPANDO MUITO DELA, NAS NOSSAS HORAS DE FOLGA ACESSÁVAMOS SEMPRE.

MARIA EUNICE LIBERAL <mell1662@hotmail.com>
CARPINA, PE Brasil - 8-Março-2014 / 21:49:35

Reencontro um velho amigo

Ontem passei o dia com meu filho mais velho, o que me deu muito prazer. Trabalhamos na casa que ele aluga e que ficou vacante pois os inquilinos compraram uma casa própria.
Passamos o dia limpando e instalando novas fechaduras, etc. Chegou a hora do lanche e ele sugeriu que fôssemos a um restaurante que já conhecíamos cujo nome “Buenos Aires” nos lembra de tangos. É um restaurante e supermercado, nada extravagante, mas serve comida deliciosa. Escolhemos o prato que desejávamos e o garçom nos perguntou se queríamos alguma bebida. Respondemos que água era suficiente. Quando a comida foi servida percebi que numa mesa próxima estava bem visível uma lata com rótulo muito familiar para mim que jamais esperava encontrar naquele local: “Guaraná da Antarctica”. Meu coração começou a palpitar mais rápido como se eu encontrara uma namoradinha da minha puberdade. Fiquei entusiasmado com o reencontro e imediatamente pedi dois Guaranás, pois meu filho também gosta.
Foram momentos agradáveis, pois comecei a fazer comentários sobre a bebida e como ela fez parte da minha vida em muitas ocasiões.
Antes de sairmos falei que desejava comprar Guaraná para levar pra casa, e o garçom me disse que era só entrar na área do Mercado, o que o fiz.
Verifiquei que além de latas, eles vendiam também a deliciosa bebida em garrafas de 2 litros. Fiz a aquisição para surpreender minha esposa que jamais esperava este reencontro tão agradável.

Lembrei-me da nossa página – Afogados da Ingazeira Ontem e Hoje (www.afogadosdaingazeira.com) e a realidade me disse que aquela não mais existe, Caputo finito. Eu na realidade não sei muito ou nada do que aconteceu, sei no entanto que foi uma perda para todos nós. O que me entristece mais é o fato que até hoje só sei de um conterrâneo que manifestou seu sentimento de perda e isto é realmente lamentável.
Tenho uma recordação doce-amarga, um sentimento de perda . Quando comprei meu primeiro computer desde então comecei minha procura de algo relacionado com o nosso torrão sertanejo e só o alcancei meses depois. Foi um sentimento de euforia sem par, Lembro-me bem que quando finalmente achei o site de Afogados da Ingazeira gritei: “achei, achei!” e minha esposa veio ver o que estava acontecendo.
Desde então tive contato quase que diário com o amigo Fernando. Foi daí que nasceu a ideia de visitar o velho sertão, o que o fiz em 2002.
Hoje restam apenas as lembranças da página que foi tão vibrante e ajudava os expatriados, como eu, a ter uma confraternização proporcionada pela internet e que agora está silenciosa.
A página me deu motivação para o viver, pois escrevi pequenas notas de um sentimento sincero e profundo que o Fernando gentilmente as publicou. Somente hoje o sentimento de perda se manifestou mais profundo e contundente pois não tenho aquele desejo de expressar os meus pensamentos pois acho que seria um ato de futilidade pois me parece que ninguém está interessado na Página, e isso é lamentável.
Até…

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead, CA EUA - 8-Março-2014 / 10:29:07
Parabéns, Carlos Moura Gomes, seus textos mostram uma veracidade tamanha. Andei refletindo justamente esses dias sobre o tempo, o que fazemos com ele e como usamos o nosso tempo como desculpa para tudo: "Desde a fazer o bem sem olhar a quem." Como ignorar as pequenas coisas da vida, tudo passa desapercebido hoje. Qual o sentido do tempo se não conseguimos alcançar o sentido da vida? Ficamos presos no tempo, com muito tempo de sobra, mas sem sobrar nada para doar. A palavra do momento é copa do mundo, mas continua na velha política do pão e circo.
Evoluímos séculos, mas continuamos a cometer os mesmos erros, gosto de pensar que viverei anos suficientes a ver coisas marcante ou penso que estarei mais uma vez nesta terra um dia para ver o ser humano errar mais uma vez.
Apocalipse? vivemos num inferno diário presos na nossa própria ignorância na pressa em viver, onde no final não vivemos nada.

Natalia Pinto Moraes - Observadora diária da vida <naty.ventrue@gmail.com>
Recife, PE Brasil - 25-Fevereiro-2014 / 0:33:03
Desejo encontrar parentes que moram nesse lugar. O nome do meu pai é Raimundo João da Silva, filho de Maria Bezerra da Silva e João José da Silva. Quem os conhecer, favor me solicitar no facebook. Agradeço desde já seu apoio.

Selma Ferreira da Silva <selmasilva1070@gmail.com>
Poço de Uibai, BA Brasil - 16-Fevereiro-2014 / 1:29:26
Que pena, o nosso SITE foi encerrado, vai deixar uma lacuna para nós.
Um abraço para os escritores e leitores da página, em especial ao Fernando Pires.

Gonzaga Barbosa <gonzaabarbosa40@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 15-Fevereiro-2014 / 9:52:10

O tempo, a fé e a luz... só podem ser Jesus

O conhecido exercício de trava-língua diz que "O tempo perguntou para o tempo qual é o tempo que o tempo tem. O tempo respondeu pro tempo que não tem tempo de dizer pro tempo que o tempo do tempo é o tempo que o tempo tem".

Renato Russo, do grupo Legião Urbana, cantou que “Todos os dias quando acordo, / Não tenho mais o tempo que passou / Mas tenho muito tempo / Temos todo o tempo do mundo. / Veja o sol dessa manhã tão cinza / A tempestade que chega é da cor dos teus olhos castanhos / Então me abraça forte / E diz mais uma vez / Que já estamos distantes de tudo / Temos nosso próprio tempo.”

Na verdade, a definição exata de tempo é mistério para toda humanidade desde os primórdios de sua evolução.

O físico Isac Newton dizia que “o tempo é absoluto, verdadeiro e matemático, por si mesmo e por sua própria natureza flui igualmente sem relação com nada de externo, e com outro nome, é chamado de duração.” Já Platão afirmou que “o tempo nasceu quando um ser colocou ordem e estruturou o caos primitivo.” Teria, portanto, uma relação cosmológica. Santo Agostinho escreveu que “...o tempo é muito mais do que o movimento do Sol, da Lua e dos astros...”. O médico, Alexis Carrel, do Hospital Geral de São Francisco, na Califórnia, costumava dizer que “o importante não é acrescentar anos à sua vida, mas vida aos seus anos”. Pregava que a oração era uma força tão real como a gravidade terrestre. Dizia aos seus alunos de medicina que o tempo nunca seria obstáculo para quem acreditasse no poder de Deus.

Sobre o fim dos tempos, Jesus disse: "Eu garanto que não ficará aqui pedra sobre pedra; serão todas derrubadas. Vocês ouvirão falar de guerras e rumores de guerras, mas não tenham medo. É necessário que tais coisas aconteçam, mas ainda não é o fim”.

Então, não nos preocupemos com o passar do tempo. Vamos enxergar a natureza e o universo como criação divina. Certamente, o tempo vai dar tempo ao tempo e, haverá sempre o tempo suficiente para, inclusive, ampliarmos ainda mais nossa relação com o Criador. Assim, estaremos aptos de corpo e alma para louvar com o cântico “Luz que me ilumina o caminho e que me ajuda a seguir / Sol que brilha à noite e a qualquer hora me fazendo sorrir / Claridade, fonte de amor que me acalma e seduz / Essa Luz, / Só pode ser Jesus”.

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 10-Fevereiro-2014 / 8:25:14
[Anterior] [Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks