AFOGADOS DA INGAZEIRA - MEMÓRIAS Guest Book

Caso você queira colocar seu registro, clique aqui!


 Registros de 321 a 360 do total de 5173 [Anterior] [Próximo]

Vencendo as decepções

Difícil apontar quem nunca enfrentou desilusões, desapontamentos ou surpresas desagradáveis. Um sonho não realizado; uma traição inesperada do melhor amigo ou amiga; uma conspiração covarde no ambiente de trabalho; um projeto de utilidade pública não reconhecido pelas autoridades; arrependimento pelo político que escolheu e, a pior delas, a falsidade. São as conhecidas decepções da vida.
A humanidade convive com decepções desde os tempos mais remotos.
Alguns anos a.C. Cláudio Ptomoleu apresentou o sistema cosmológico geocêntrico, onde a terra seria o centro do universo. Mil e quinhentos anos depois, com a teoria heliocêntrica, Nicolau Copérnico provou que o sol era, na verdade, o centro do sistema planetário, contrariando parte do Clero. Já no final do século XIX, o mundo sofre novo susto quando Charles Darwin desenvolve o evolucionismo, ou seja, afirmava que o ser humano não seria a semelhança de Deus e, sim, um produto da evolução natural dos seres, fazendo com que muitos cristãos cometessem o suicídio. Outra grande derrota emocional aconteceu quando Sigmund Freud disse que “as pessoas não são o que pensam que são” porque, segundo o Pai da Psicanálise, o comportamento humano é guiado por elementos desconhecidos, seria o subconsciente ou inconsciente. E, até a conquista do espaço pelo homem, em 1969, criou falsas esperanças e verdadeiras dúvidas aos terráqueos, pois o mundo ouvia das autoridades científicas que quando o homem pisasse na lua os problemas da fome, de doenças e outras deficiências e desigualdades aqui na terra seriam todos solucionados. Mais uma grande decepção.
Isso ocorreu e ainda ocorre também de forma individual, levando muitas pessoas à descrença que chegam a tomar decisões radicais em suas vidas. Há dois milênios atrás, Moisés que salvou todo o povo do Egito foi traído pela adoração de um bezerro de ouro. No topo de uma montanha, muito furioso, quebrou as tábuas com os Dez Mandamentos. Em 1921, Rui Barbosa, renunciando ao cargo de Senador da República disse com frustração “de tanto ver triunfar as nulidades... de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude... e a ter vergonha de ser honesto”. Recentemente, o Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, mostrou toda sua tristeza e decepção com os que articularam a renúncia do Papa afirmando: “lamentavelmente, tenho que acrescentar que frequentemente Bento XVI era uma voz solitária no deserto”.
Mesmo assim não podemos deixar, nunca, que a decepção nos torne prisioneiros do passado, impedindo nosso avanço em busca da justiça e da liberdade. Até porque, como registrou o líder negro Martin Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”.

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 22-Janeiro-2014 / 17:45:36
Zezé Moura, graças à sua postagem, meus ouvidos hoje ouviram simplesmente três cantores espetaculares.

Maria Eunice Liberal <mell1662@hotmail.com>
Carpina, PE Brasil - 19-Janeiro-2014 / 14:15:26

Mormom Coral

Na semana passada fui surpreendido com a apresentação do famoso Coral Mormom que nos é apresentando nesta página, graças, como sempre, ao Fernando.
Anualmente aquele Coral apresenta músicas Natalinas que nos enche de “Boa vontade para com os homens”. Há algo especial naquelas músicas que nos movem de maneira positivas no pensar nas relações e no nosso ser que me deixa abismado. Devemos esta oportunidade ao amigo Fernando que está sempre procurando algo diferente, oportuno e de bom gosto para nos apresentar e entreter, trazendo ao nosso conhecer coisas lindas como a música cantada pelo Coral Mormom, sendo a mais famosa e mais apreciada de todas o Oratorio Messaia de Hendle . Tem uma força e beleza que nos comove profundamente. Digo isto por experiência própria pois as lágrimas correm abundantemente no meu rosto, não por algo desagradavel, mas sim pelo prazer e alegria de estar participando de tal beleza musical em louvor e glorificacão ao Senhor Deus.
Esta é uma grande oportunidade para ouvirmos algo diferente de beleza espetacular.
Não deixe passar este momento de ouvir boa musica, deleitem-se com esta magnífica obra musical, louvando e glorificando ao Senhor Deus. Aleluia Amem.

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead, CA EUA - 16-Janeiro-2014 / 7:56:34

Manoel Cordeiro dos Santos
*
† 04.01.2013

Através de contato telefônico, Dr. Luciano Bezerra nos informou do falecimento do Sr.Manoel, genitor do Dr. Cordeiro, aos 89 anos de idade, na Eco-Clínica em Afogados da Ingazeira.
O velório acontece na cidade de Sertânia, onde o corpo será sepultado.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 4-Janeiro-2014 / 11:31:05
Sou natural de Afogados da Ingazeira. Nasci em 1958 e saí para Brasília em 1972, mas sempre estou visitando minha terra natal. Estive aí em novembro de 2013 e retornarei em 3 de fevereiro de 2014, se Deus quiser. Me aguarda, Afogados, terra maravilhosa.

Bento Ramos da Silva <bento_ramos@hotmail.com>
Gama, DF Brasil - 3-Janeiro-2014 / 14:58:33

Não é essa a Afogados da Ingazeira que eu queria

Sou agredido, indiretamente - na verdade, por pessoas desqualificadas - em minha cidade, por defender a bandeira da PAZ e do Respeito aos IDOSOS.

Estive em Afogados, desde 15 de dezembro até ontem 2 de janeiro de 2014. Encontrei a cidade mais deteriorada do que da última vez (outubro) em que lá estive.

TAC - Termo de Ajuste de Conduta – Apesar das audiências públicas havidas, não vimos o mínimo do cumprimento do que ficou estabelecido. Nem o Ministério Público nem as Polícias fazem valer o poder de Justiça.

As infrações continuam, e em maior intensidade:

- Carros de Som – que parece uma disputa de quem agride mais os ouvidos das pessoas. Nem é necessário ter um decibelímetro (equipamento para se medir ruído). Além do que, prejudicam a fluidez do trânsito – que já é caótico – com baixíssima velocidade – quase parando – e no meio da pista.

- Carros Particulares – que mais parecem esses mesmos Carros de Som e que dá a impressão de que vão explodir como fezes de quem está com uma séria diarreia: “música da pior qualidade”.
E, mais grave, ainda continuam a incomodar depois das 22h e até mesmo pela madrugada.

- Condutores irresponsáveis e inconsequentes que dirigem levando crianças no colo. Vi essa cena várias vezes, mas, a quem reclamar se a polícia está nas ruas e certamente vê essa aberração que, em ocorrendo uma colisão, é configurado crime doloso!

- Bares que invadem as calçadas, e sempre tem algum frequentador que se acha no direito de impor o seu gosto “musical”, ligando o som dentro da noite. Em Afogados da Ingazeira, há alguns anos, passou um delegado que fazia cumprir a Lei: repreendia o infrator e, se ele descumprisse, simplesmente o conduzia à delegacia, “apreendendo o equipamento”.

- Sinais de trânsito (semáforos e outros) – Não é necessário que se passe mais do que alguns minutos para se observar os apressados/infratores.

- Eventos na Avenida Rio Branco – no dia 31 de dezembro e 1º de janeiro, fiquei em frente à casa da minha mãe até às 24h – afinal é lá que eu me hospedo, por motivos óbvios. Somos obrigados a receber essa agressão - até depois da meia noite - do poder público que de modo nada responsável autoriza essa aberração em área central da cidade.
Logo mais será realizado mais um Arerê, também Encontro de Motociclistas e Carnaval. Tudo isso na Av. Rio Branco!...
Falta sensibilidade ao Ministério Público!

Por que não concluem o Pátio de Eventos, onde se poderia juntar essas festas e os bares que infernizam as famílias e idosos de Afogados da Ingazeira?

Ainda estou indo à minha cidade natal porque tenho familiares e um imóvel. Lá não me sinto mais à vontade... mas, um estranho.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 3-Janeiro-2014 / 12:41:57

Maria José Bernardino de Souza

Faleceu neste segundo dia do ano, em Serra Talhada, Zezinha (cunhada de Andrelino Lucas). (02.01.2014)
_________________________
Em cantato telefônico com familiares (encontro-me no Recife) fomos informados de que o sepultamento será nesta sexta-feira 3, no cemitério Morada da Paz, em Afogados da Ingazeira. Aos familiares, nossas condolências. (03.01.2014)

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 2-Janeiro-2014 / 8:35:33
Aos amigos - Informo que desativei nesta data a minha participação no Facebook.
Também a página "Afogados da Ingazeira Ontem & Hoje".

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 1-Janeiro-2014 / 20:00:58
Um abraço para todos os conterrâneos e visitantes desta página que representa o sentimento de uma região. Que Fernando Pires e seus aliados sejam abençoados na missão de informar aos sertanejos distantes as notícias do Pajeú.

Ademar Rafael Ferreira <aherasa@ig.com.br>
Marabá, PA Brasil - 1-Janeiro-2014 / 19:27:57

Feliz 2014!
Por Magno Martins (*)

Romper o ano no Sertão não tem o luxo nem o pipocar dos fogos deslumbrantes de Nova Iorque ou Paris, paraíso de gente refinada, que nunca viu um céu cinzento, um clarão que dói nas vistas e racha a terra seca.

Mas tem seus encantos também. Embora em outras paragens desde os 17 anos, nunca deixei escapar uma virada de ano matutando no meu Sertão.

Guimarães Rosa já disse que Sertão é onde o pensamento da gente se forma mais forte do que o poder do lugar.

É de Guimarães também: “Sertão: quem sabe dele é urubu, gavião, gaivota, esses pássaros: eles estão sempre no alto, apalpando ares com pendurado pé, com o olhar remedindo a alegria e as misérias todas”.

Como falar de Sertão e do matutar sem falar de Euclides da Cunha: “Não desejo Europa, o boulevard, os brilhos de uma posição, desejo o sertão, a picada malgradada, e a vida afanosa e triste de pioneiro”.

E do velho Graça (Graciliano Ramos): “A primeira coisa no Sertão que guardei na memória foi um vaso de louça vidrada, cheio de pitombas, escondido atrás de uma porta.”

Catulo da Paixão Cearense compôs e Luiz Gonzaga cantou: “Não há oh, gente, oh não/ luar como esse do meu Sertão”. “Mais parece um sol de prata prateando a solidão. Esse luar cá da cidade, tão escuro/ Não tem aquela saudade/ Do luar do sertão”.

Luiz Gonzaga, nosso eterno rei, amou o Sertão como ninguém. “Quero ser lembrado como o sanfoneiro que amou e cantou muito seu povo, o sertão, que cantou as aves, os animais, os padres, os cangaceiros, os retirantes, os valentes, os covardes, o amor”.

Este amor de Gonzagão lembra o amor do meu pai pelo Sertão. Por isso, no meu livro Reféns da Seca destaquei em primeiro plano esta célebre frase dele que pincei em um dos seus livros: “Do sertão, gosto até das pedras”.

Parodiando Euclides, Graça e Guimarães, resolvi nesta crônica de fim de ano exercitar o verbo matutar. Matutar é acordar cedo, puxado da cama pelo canto do galo e dos pássaros. Andar entre veredas ouvindo o coaxar dos sapos.

Matutar é dormir em rede, ouvir uma sanfona choradeira, comer bolo de milho, ovo caipira, bode e galinha à cabidela. Matutar é tomar banho de açude, pescar corró, pegar passarinho em alçapão e boi em vaquejada. É ouvir a mãe da lua, a coruja e o gavião.

Matutar é assuntar o tempo, apreciar o Carcará, que é um bicho que avoa que nem avião.

Matutar é ouvir o canto do sabiá nas quebradas do Sertão ciscando as folhas no chão. Matutar é ouvir o gemer da juriti, a cigarra zumbir. Matutar é ouvir Patativa do Assaré: “Cante a cidade que é sua, que eu canto o Sertão que é meu”.

Grande Patativa! Vale relembrar sua grande prosa:

“Pra gente cantá o sertão,
Precisa nele mora,
Te armoço de fejão
E a janta de mucunzá,
Vive pobre, sem dinhêro,
Trabaiando o dia intero,
Socado dentro do mato,
De apragata currelepe,
Pisando inriba do estrepe,
Brocando a unha-de-gato”

Matutar é também ouvir Maciel Melo com a sua viola entoando Caboclo Sonhador. Maciel sabe matutar. Confira:

“Eu nasci e me criei
Num pé de serra esquisito
A geladeira era um pote
O Guarda-roupa um cambito
O transporte era um jumento
E o telefone era um grito”.

O sertão será sempre um colírio para os meus olhos, sempre pronto alimentar a minha alma. O povo humilde e sempre bem disposto, que ao fim da tarde se senta nas esplanadas dos bares para beberem e rirem das suas vidas tão sofridas.

Por isso, encerro com o meu grito representando nesta frase de Leandro Flores:
“Os problemas do sertão todos nós já estamos acostumados a enfrentar, já não nos assustam mais. O que mais dói é perceber que esses problemas ainda persistem, se renovam e se fortalecem, mesmo com a modernidade de nossos tempos atuais”.

Feliz 2014
(*)Jornalista e blogueiro

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 1-Janeiro-2014 / 14:02:08

Feliz ano novo

É final de um ano de batalhas
Entalhando na alma bons valores
Foram dias felizes e de dores
Entre os cabos e pontas de navalhas.

Entre escadas e bases de muralhas
Foram fins e inícios de amores
Entre o amargo e o doce dos sabores
Entre os bons e também entre canalhas.

Que o Bem se levante e destrua
A maldade, e não mais ela se inclua,
Sumindo enfim por muitos anos;

Nossa guerra interna continua
Onde a vida vivida nua e crua
Ensina-nos a ser bem mais humanos.

Wellington Rocha e família <wellingtonrocha_96.7fm@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 31-Dezembro-2013 / 15:51:38

Panettone

Para os que não sabem, Panettone é um pão Italiano muito popular durante as festas natalinas. Fui introduzido ao Panettone em São Paulo e fiquei sendo um cativo daquela delicia que ficou sendo parte das nossas Festas Natalinas. Quando viemos para os USA continuei com a prática e fazia Panettone pra nós e para os amigos. Com a passagem do tempo comecei a comprar Panettone importados da Italia, pois era mais econômico e não dá trabalho, além de tudo são de excelente qualidade.
Este ano fiz minhas compras costumeiras que incluiu o Panettone oferecido num dos mercados; ele tinham todas características dos tradicionais produtos. Comprei uma meia dúzia deles com a ideia de presentear uns amigos e meus filhos. Chegando à casa do meu filho mais velho, onde tivemos a festa Natalina, entre os presentes que recebi o meu filho falou -me, “Pop abra este pacote com cuidado pois sei que será uma surpresa pra voce”. Fiz como ele recomendou e minha reação foi: “isto é um Panettone, onde está a surpresa?” Ele recomendou que eu verificasse a origem do produto o que fiz imediatamente, e para minha absoluta surpresa lá estava escrito “Made in Brazil”. Notei então que os que eu havia comprado eram do mesmo lote, rimos bastante e dei-lhe um abraço agradecendo pela especial atenção.
O panettone made in São Paulo, Brazil, trouxe-me muitas recordações do periodo que lá residi. Foi onde meus filhos nasceram e onde construí minha primeira casa, o nosso lar.
Como se não fosse isto suficiente, o amigo Fernando me enviou uma foto da casa do meu Pai em Afogados da Ingazeira, dias antes do Natal, que é de grande valor sentimental para mim, a quem agradeço imensamente a constante cordialidade. Aquela casa foi minha vida desde meu nascimento até meus 18 anos.
É muito emocionante relembrar aqules tempos que se foram tão rapidamente e que hoje só resta a saudade como um grito de dor.
Fernando você tem sido um amigo constante, e eu lhe desejo, bem como à sua família, um Feliz 2014, com a Graça de Deus.
Abraço.

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead, CA EUA - 30-Dezembro-2013 / 8:05:41

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 25-Dezembro-2013 / 7:16:44

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 23-Dezembro-2013 / 8:59:58
Quando o Dr. Luciano fala de "Planalto e planície" comete aquele erro grosseiro de imaginar que as agruras da Seca são de exclusiva responsabilidade do Governo Federal. Fica parecendo que não existem Governadores e Prefeitos na Região.
Na verdade, o Governo Federal, ao longo de Séculos, desde o Segundo Império tem despejado recursos aos borbotões em busca de soluções para os efeitos da estiagem mas que, desgraçadamente, sempre acabam nos bolsos da elite mais maliciosa e corrupta do planeta, a elite nordestina.
Por outro lado, a SECA produz heróis e celebridades, transforma medíocres em ídolos incensados, serve de tema para poetas e escritores bissextos, então, vivas à SECA!

Gilberto Carvalho Moura <carvalhomouraadvogados@gmail.com>
Curitiba, PR Brasil - 21-Dezembro-2013 / 12:11:47

"Reféns da Seca"
Um soco no estômago do poder...


Uma chuva fina e intermitente banhando toda a cidade oferecendo-nos uma temperatura agradável, diferente do que costumamos enfrentar no nosso sertão. Num ambiente requintado da Pousada de Brotas ouvimos, além do gratificante barulho do respingar da chuva, o som de um plangente piano magistralmente dominado pelo genial Chagas. Este o cenário para recebermos de seu criador, Magno Martins, sua mais recente obra: Reféns da Seca.

O livro se agiganta à proporção que vamos passando as páginas e uma realidade cruel se descortina aos nossos olhos; mesmo nós que somos testemunhas vivas da devastação que provoca a seca em nossas plagas. Esta Obra monumental é prefaciada pelo poeta Maciel Melo que faz com seu “linguajar caseiro” a apresentação do não menos exímio artífice das letras Magno Martins.

E, Reféns da Seca, se revela como o repositório de todas as crueldades da estiagem, quando vemos em suas páginas o sertanejo autêntico com sua pele ressequida tal qual a terra esturricada por falta da água que, paradoxalmente, existe em abundância no subsolo, porém maior que a profusão do líquido reservado nas entranhas da terra é a estupidez dos governantes que não se dispõem a resolver um problema secular.

A Obra do Magno Martins, com sua apresentação primorosa, não deve ser apenas ornamento de uma estante, mas, e sim, um documento a ser “esfregado” da cara dos governantes, pois além da miséria crônica ele traz a solução, com exemplos práticos e reais.

Na sua trajetória de longa caminhada, ouvindo e sentindo o que dizem os - reféns da seca -, Magno faz de sua “pena” um bisturi e vai dissecando as entranhas de uma região, mostrando com as cores da dor sofrida do sertanejo tudo o que pode e deve ser mudado.

Para não “roubar” a emoção dos que não leram, abstenho-me de maiores detalhes, porém, é emblemática a afirmação de Jurandir, lá de Gravatá, quando afirma: “O peixe fede, como se estivesse podre, mas é o que nós temos para matar a fome”.

É essa realidade cruel que Magno traz à tona, fazendo-nos refletir sobre as discrepâncias entre o Planalto e a planície. Enquanto Jurandir come o “peixe podre”, muitos se empanturram com faisão e vinhos da melhor safra.

A Obra que Magno nos oferece é um Livro(?), é um Dossiê(?), é tudo isso e mais: "um soco no estômago do poder".

Luciano Bezerra <lucianocamposbezerra@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 21-Dezembro-2013 / 0:33:24

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 19-Dezembro-2013 / 17:18:04

Espírito solidário toma conta da comunidade
de Afogados da Ingazeira


A campanha Natal das Famílias coordenada pela Paróquia Senhor Bom Jesus dos Remédios está mobilizando a comunidade de Afogados da Ingazeira e Região. Tem sido grande a movimentação nos 38 pontos de coleta de donativos, localizados nos supermercados, nas escolas públicas e na paróquia da cidade. São doações de alimentos não perecíveis, roupas, calçados, livros, artigos de higiene pessoal e brinquedos em bom estado de conservação que serão entregues até a véspera do Natal para famílias carentes.

Os donativos poderão ser entregues até o horário da manhã do dia 24 de dezembro. A campanha integra as comemorações da festa do padroeiro da cidade, que tem a Cantata Natalina do domingo 22 marcando a abertura das festividades. Este ano a grande atração será o Padre João Carlos Ribeiro, que se apresenta a partir das 19h, em frente à Catedral.

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 19-Dezembro-2013 / 9:25:07

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 18-Dezembro-2013 / 9:28:47
Fernando, eis a mensagem para o meu filho Rodrigo Ângelo. Quanto à morte, foi acidental, semelhante à de Júnior Ângelo, seu primo, só que ele não estava fazendo trilha. Aos sábados ou domingos, saía às 5h da manhã com um grupo de amigos para tomarem café em Bezerros, Gravatá, Palmares, etc. Foi no retorno, segundo os amigos. Ele não vinha correndo, nem havia bebido. O impacto da batida, dizem, não foi forte, foi uma fatalidade.

___________________________
“Meu filho, agradecemos o empréstimo bendito que o PAI, dono das nossas vidas, nos concedeu, nos cedendo tu, meu amor, por 35 anos para ficar conosco, onde só a união, a alegria, o amor estavam presentes.
O que dizer ao meu Bom Deus, agora? Louvado seja TU, MEU PAI, por ter-me proporcionado 35 anos de felicidade! Filho amado, sim, sempre serás o meu filho amado, agora mais do que nunca, porque vivo estás no meu coração, vivo estás na vida eterna.
Filhinho meu, como dói a tua falta. Estou sofrendo muito, mas, filho meu, não te entristeças, porque a dor é serena. Lembra, filho, quando eu te falava: "Nossa Senhora está em nossa casa. Quando, por algum motivo não pudermos com o fardo, ELA nos coloca no colo.”
Filho, eu (nossa família) estou(estamos) nesse colo Bendito. Estaremos sempre nos falando, amor da minha vida.
Te amo!
Mainha (D. Maria, lembra?)”

Gilvan França Ribeiro / Lourdinha Ângelo
Recife, PE Brasil - 16-Dezembro-2013 / 20:37:53


Em agosto de 2009 - há 4 anos - estivemos no LIXÃO DE AFOGADOS DA INGAZEIRA.
Alguma coisa mudou?

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 15-Dezembro-2013 / 10:33:37


Entrevista (1ª parte) com o prof. Damião Alves dos Santos - Bião, em 4 de fevereiro de 2012



Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 11-Dezembro-2013 / 21:34:04

Ano novo! Novos tempos...

Segundo a ciência, nenhum ser humano é integralmente igual a outro. Isso acontece também com nosso calendário. Os anos passam e sempre trazem mudanças que ocorrem desde seu formato numérico até influenciarem, profundamente, no comportamento das pessoas.
As épocas, as eras evoluem e rumas para o bem ou para o mal, de acordo com a recepção da humanidade. Então, somos responsáveis pelas transformações que surgem em nossa civilização.

É importante que participemos dessa evolução, e acreditar e contribuir para que as boas e novas oportunidades sejam aproveitadas para beneficiar a nossa e as futuras gerações. “Tudo depende de nós!” O filósofo grego, Sócrates, disse que vivendo com a verdade e a bondade seremos felizes. O Rei Salomão sugeriu que agíssemos como as formigas que são diligentes por trabalhar muito sem qualquer coerção, e prudentes por guardarem uma parte de toda sua produção. O francês, Victor Hugo, desejou que fôssemos tolerantes. Não com os que erram pouco, porque isso é fácil, mas com os que erram muito... Lembrou para que descobríssemos, com a máxima de urgência, acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos, injustiçados e infelizes, e que estão a nossa volta. Pediu que as pessoas afagassem um animal, alimentassem uma ave faminta e, também, ouvisse o joão-de-barro erguer triunfalmente o seu canto matinal. Nelson Mandela lembrava que “ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar” e, Jesus Cristo durante o período que esteve na terra nos deixou o exemplo da maior das virtudes: a humildade.

Que em 2014 possamos seguir, ou aprimorar, os ensinamentos dos grandes mestres. Até porque, segundo a sabedoria popular “ninguém é tão forte que nunca tenha chorado. Ninguém é tão fraco que nunca tenha vencido. Ninguém é tão inútil que nunca tenha contribuído. Ninguém é tão sábio que nunca tenha errado. Ninguém é tão corajoso que nunca tenha medo. Ninguém é tão medroso que nunca tenha coragem. Enfim, ninguém é tão ninguém que não precise de alguém, como nós precisamos uns dos outros”.

Feliz Natal e vitorioso Ano Novo!

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 10-Dezembro-2013 / 20:35:39
Mestre Biu sai da vida para entrar para a história. É um imortal.
Afogados da Ingazeira e o seu povo lhe agradecem!

Gonzaga Barbosa <gonzagabarbosa40@hotmail.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 10-Dezembro-2013 / 17:23:06
Fernando, por favor, quero um DVD da Iconografia Histórica de Afogados da Ingazeira. Depois mande o seu e-mail para eu acessar a biografia do meu Pai.
Muito obrigada por você falar do meu Pai. É uma lembrança que guardo com muito Amor.
Um abraço.

Maria de Lourdes Veras Alves <lourdes@google.com>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 10-Dezembro-2013 / 15:39:28


Entrevista com Severino Pereira Amorim (Mestre Biu), realizada ao lado da Catedral do Senhor Bom Jesus dos Remédios, em 06 de março de 2011, quando homenageado do Carnaval afogadense.



Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 10-Dezembro-2013 / 8:48:35
Que a família e os amigos sejam confortados pelo poder de Deus nesta hora de dor.
Convivi com Mestre Biu a família durante muitos anos na 15 de Novembro fiz "bico" em sua oficina na Manoel Borba, vá com a certeza que fez muito o bem na vida terrena caro amigo.

Ademar Rafael Ferreira <aherasa@ig.com.br>
Marabá, PA Brasil - 10-Dezembro-2013 / 7:20:34
Hoje no céu o Mestre Biu será recebido com o dobrado "Dois Corações" do compositor Pedro Salgado, pelos companheiros de música que já partiram.
Aos familiares apresento minhas condolências.

Dinamérico Liberal Lopes <dinamericolopes@gmail.com>
Jaboatao dos Guararapes, PE Brasil - 9-Dezembro-2013 / 23:00:14
Há alguns instantes li que Mestre Biu havia falecido nesta madrugada. Meu voto de pesar aos familiares. Afinal, igualmente a Guaxinin, Dinamérico, Zé Nenêm, Chico Vieira, Zé Malaia e tantos outros, Mestre BIU foi uma figura que muito contribuiu com os bons momentos de festas no ACAI, além de atuar como mecânico.

Edson Bigodão
Caruaru, PE Brasil - 9-Dezembro-2013 / 10:28:01
Faleceu na madrugada desta segunda-feira 9, o Mestre Biu. [Conheça um pouco da sua biografia]

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 9-Dezembro-2013 / 9:41:20
Há 108 anos - 08.12.2013 - nascia o grande benfeitor de Afogados da Ingazeira... [Leia mais]

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 8-Dezembro-2013 / 12:01:03

Reféns da seca são reféns da morte e vida Severina
[do blog do Magno Martins]

Fascinado pela epopeia nordestina das “vidas severinas”, o bicho-grilo jornalista José Adalberto Ribeiro navegou nas folhas do livro “Reféns da seca” de Mister MM. “Comecei a navegar na capa, ao contemplar aquela velhinha agachada, sandálias havaianas/pernambucanas da humildade franciscana e da pobreza de Jó, feito uma filha de Gandhi sertaneja, com um olhar de quem já viu passar diante de si todas as penitências desta vida severina. Ela é filha da seca. Enteada da seca. A seca é madrasta.
“A seca é herege. A fome é herege. Esses personagens também desfilam na magistral epopeia nordestina da “Morte e vida Severina” de João Cabral de Melo Neto: “.... É a morte de que se morre/ de velhice antes dos trinta/ de fome um pouco por dia”. “Somos muitos Severinos/ iguais em tudo e na sina: a de abrandar estas pedras/ suando-se muito em cima/ a de tentar despertar/ terra sempre mais extinta,/ a de querer arrancar/ algum roçado da cinza”.
“Magno fez uma biografia não autorizada da seca. Entrevistou açudes, roçados, as pedras, as nuvens, os bodes, as cabras e os cabras sertanejos. Conversou com os passarinhos, os bichos do mato. A natureza fala no livro de Magno. Quem nunca conversou com a chuva não sabe o que é ser sertanejo. Quem nunca conversou com as noites de lua do Sertão não sabe o que é poesia.
“Noutras invernadas, o filho de Seu Gastão Cerquinha escreveu um livro chamado “O Nordeste que deu certo”. Naqueles idos entrevistou o gesso do Araripe, os melões e as uvas do São Francisco. Bateu um papo com os jeans da Sulanca. Navegou no polo de software de Campina Grande, na Paraíba. Reféns da seca” e “O Nordeste que deu certo” são dois mundos antagônicos. Entre esses dois Nordestes, quantas léguas tiranas!
“Agamenon Magalhães tinha a nostalgia dos espinhos do mandacaru. Seu Gastão Cerquinha revela o encanto das pedras sertanejas. Brasileiros, nordestinos e sertanejos somos todos irmãos, braços dados ou não, por parte dos “Reféns da seca”, neste vale de lágrimas e penitências sertanejas”. A íntegra do artigo está postada no Menu Opinião. Vamos navegar com o bicho-grilo Adalberto.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 2-Dezembro-2013 / 12:13:26

Imagens constantes do DVD "Iconografia Histórica de Afogados da Ingazeira".
Aqui você verá as imagens rapidamente. No DVD elas têm um duração de, em média, 12 segundos para a sua agradável visualização, acompanhada pela belíssima trilha sonora de YANNI.

Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 2-Dezembro-2013 / 11:38:35

Irresponsabilidade política e ineficiência dos serviços públicos

Dias atrás ouvi importante palestra de um cientista político sobre responsabilidade social da política. Lembrava com tristeza que “é perfeitamente compreensível e aceitável o manifesto de indignação do povo com certas feições que a política assume, por conta de atos descomprometidos com a verdade, a ética, a moral e o bem-estar do povo”.

Em outro momento observei no livro “Poderes e Deveres do Administrador Público”, um conceito sobre o Dever de Eficiência. “Elevado à categoria de Princípio Constitucional de Administração Pública, o dever de eficiência impõe que a atividade administrativa seja cada vez mais célere e técnica, ou seja, que se busque não só o aumento quantitativo, mas também qualitativo do papel desempenhado pelo Administrador Público. A busca contínua pela eficiência resulta, sem dúvida, em maiores benefícios à própria coletividade, daí por que constitui dever do administrador.”

É de fundamental importância que toda gestão municipal tenha um bem elaborado planejamento e que nas áreas de riscos, como é o caso da seca, se trabalhe priorizando a prevenção, evitando assim que fatos desagradáveis e prejudiciais aconteçam a seus habitantes.

A Adutora do Pajeú, obra para abastecimento d’água em diversos municípios de Pernambuco e que caminha a “passos de tartaruga”, ainda não está totalmente concluída. A Transposição do Rio São Francisco continua apenas no sonho dos sertanejos e nosso rico lençol freático aguarda decisões e vontades políticas para matar a sede de muitos “reféns da seca”. Hoje, muitas cidades do Sertão do Pajeú sofrem com a falta d’água ou com sua péssima e desorganizada distribuição. Ora, desde 1975, quando o então governador Eraldo Gueiros inaugurou a Barragem de Brotas, já alertava para a necessidade de se construir mais barragens e açudes, uma atitude que caberia aos futuros prefeitos e governadores.

Como filho dessa terra, convoco mulheres e homens desse valente e forte sertão a abraçar essa luta, cobrando das lideranças políticas e autoridades de nossa região, uma urgente resposta sobre essa comprovada irresponsabilidade social com a população.

“...se o povo calar, até as pedras clamarão”

Carlos Moura Gomes <carlosmouragomes@yahoo.com.br>
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 30-Novembro-2013 / 21:53:41

Álbum Iconográfico de Afogados da Ingazeira
Um show de Memórias!

Abrindo o Álbum, a expectativa era grande e não fui desapontado. Vi e revi velhos amigos dos tempos idos e alguns que nao conheci mas, no contexto, eram todos participantes do cenário afogadense em diversas épocas e diferente ocasiões.
Numa exuberante festa fotográfica de mais de 60 minutos, Fernando nos apresenta mais uma oportunidade de reviver datas e momentos memoráveis, bem como rever personagens que foram líderes da nossa sociedade sertaneja, ou simplesmente amigos e parentes que ja se foram mas que deixaram uma saudade que não sabemos definir.

A abertura apresenta as nossas raízes modestas mas laboriosas, construindo a Igreja que ficou sendo o marco central da nossa cidade. Não tínhamos recursos, mas a visão (do francês Pe. Carlos Cottart) de construir essa obra de arquitetura Gótica de beleza ímpar. Foi o espírito solidário que prevaleceu e a obra magestosa nos faz orgulhosos, pois sabemos que houve um esforço da população afogadense (que não era grande) mas respondeu ao chamado de várias maneiras.
Nos vários momentos em que fotos da Igreja são apresentadas no vídeo, nos faz sentir o momento vivido em cada uma delas, que nos emociona pela sua imponência.

Em seguida vem o prédio que chamávamos de “Sanatorio”, o qual, no período de sua existência recebeu diversos nomes, me tocou pessoalmente pois “ela me beijou e eu fiquei fisgado” num dos escritorios ali estabelecidos”
O Cruzeiro também foi um marco rústico simples que dava as boas vindas à entrada da cidade, e nos confortava como marco da cristandade. É lamentável que agora só exista nas fotos.

Revi o assentamento do calçamento, bem como a construção do Cine Pajeú de muitas boas lembrancas.
Vi, tambem, o desenvolvimento da cidade, bem como o seu embelezamento com o ajardinado bonito e os novos bairros.

O Fernando, afirmativamente, nos apresenta uma obra magnífica retratando a nossa cidade desde sua humilde origem, até o período mais moderno e mais belo com a transição das fotos em preto e branco para as coloridas dos dias atuais.
Devo dizer que a foto de 24 de abril de 2013 me impressionou bastante, pois apresenta a Catedral e, ao fundo, a Serra dos Pereiros , apresentando um cenário deslumbrante.

Parabéns, Fernando, e muito obrigado pelo maravilhoso “Show fotográfico” da nossa terra que é, sem dúvida, o melhor presente de Natal para este velha guarda.
Abraço, e ate breve.

Zeze Moura <jojephd@yahoo.com>
Rosemead, CA EUA - 29-Novembro-2013 / 19:16:03
Amigo/irmão Fernando, por conta da subida do Sport Clube do Recife para a série A, fiz essa homenagem aos torcedores Rubro Negros...

SPORT CLUB DO RECIFE
Ainda de ressaca, na manhã desse domingo (24/11), ao ver as manchetes dos principais jornais brasileiros, não pude conter a... [Leia mais]

Danizete Siqueira de Lima <danizete_siqueira@hotmail.com>
Recife, PE Brasil - 24-Novembro-2013 / 22:22:49
Fernando Pires
Recife, PE Brasil - 20-Novembro-2013 / 11:10:10
Afogados da Ingazeira, cidade maravilhosa, eu amo minha terra natal em Pernambuco.

Maria Alves Takeuchi <aishiteru-2013@hotmail.com>
Suzano, SP Brasil - 16-Novembro-2013 / 9:19:59

Fernando Pires
Afogados da Ingazeira, PE Brasil - 13-Novembro-2013 / 21:09:46
Fernando, meu amigo, faço minhas as suas palavras e sei tudo que acontece ai. Sinto muito por dona Tida. Fico revoltada, mesmo morando aqui tão distante. Queria poder fazer alguma coisa, mas infelizmente não posso.
De uma coisa tenho certeza, o que acontece ai não é normal em lugar algum, as pessoas têm medo de reclamar e os órgãos competentes não tomam providências... Por quê? Deve ter algum motivo para tanta bagunça.
A minha mãe mora nessa cidade que amo tanto, só que acho que se eu estivesse morando ai, com certeza iria brigar muito. Alguém precisa fazer alguma coisa, essa falta de respeito é inaceitável, chega a ser ridícula.
Conheci o prefeito atual que se mostrava uma pessoa idealista, inteligente e muito humana, achei que na gestão dele tudo isto acabaria, afinal o Prefeito é eleito para o bem da sua cidade e vejo que continua a mesma coisa .
Sinto muito, estou decepcionada com as coisa que fico sabendo de Afogados da Ingazeira.
Fico triste.

Fátima Marques Almeida <almeida.marques10@hotmail.com>
Paulinia, SP Brasil - 13-Novembro-2013 / 10:59:28
[Anterior] [Próximo]

Volta

Livro de Visitas desenvolvido pela Lemon Networks